Micoses de pele: como passar o verão sem elas?

- O Estado de S.Paulo

Medidas simples podem evitar o aparecimento da doença

O calor chegou de vez (não que ele tenha ido embora ao longo do ano...) e o fato é que, com ele, algumas doenças típicas desta época voltam a nos rodear. Uma delas é a micose de pele. Há quem pense que micose só é possível nos pés, com a malcheirosa frieira, ou nas unhas das mãos e pés, mas ela pode aparecer em qualquer parte do corpo.

A micose é uma infecção causada por fungos que já vivem em nossa pele e aproveitam uma "brecha", que pode ser um ferimento, baixa imunidade ou aumento da sudorese causada pelo verão, para se reproduzir desenfreadamente.

Ela pode aparecer como feridas avermelhadas ou amarronzadas e pontos descamantes, mas nem sempre é contagiosa ou apresenta coceira.

Prevenção. Como a micose depende da proliferação dos fungos, a melhor forma de prevenção é deixar a pele “respirar”. “Devemos evitar o uso de roupas sintéticas nos dias mais quentes, já que não dissipam a umidade provocada pelo corpo para manter sua temperatura ideal”, explica Samantha Kelmann, dermatologista do Hospital 9 de Julho.

Na praia, em vez de passar o dia todo com o biquíni ou a sunga úmidos, leve uma troca de roupa para usar depois de se refrescar no mar. Hoje em dia muitos quiosques já contam com infraestrutura como banheiros e guarda-volumes. E, sempre que possível, enxugue o corpo.

Nos dias mais quentes, opte por camisetas e blusinhas de algodão, pois este tecido permite a respiração da pele, e use roupas íntimas com esse material para evitar a proliferação de fungos nos órgãos genitais. “É importante também manter o corpo seco e a pele bem ventilada. A micose é uma doença benigna, mas pode ser evitada com estas medidas simples”, lembra a especialista.

Consultoria: Hospital 9 de Julho