Mães se conectam neurologicamente com seus bebês quando cantam para eles, diz estudo

Redação - O Estado de S.Paulo

A atividade cerebral dos dois tem a mesma frequência, que muda conforme o ritmo e jeito que a música é cantada

Cantar para os bebês ajuda na conexão entre mães e filhos e desenvolve aspectos sociais e auditivos, diz estudo.

Cantar para os bebês ajuda na conexão entre mães e filhos e desenvolve aspectos sociais e auditivos, diz estudo. Foto: Pixabay

Cantar para bebês é uma prática comum entre mães e pais do mundo inteiro, e um novo estudo publicado pela revista científica Medical Press mostra que isso causa efeitos positivos no desenvolvimento das crianças. Os resultados, apresentados pela Sociedade de Neurociência Cognitiva, mostram que a sensibilidade a ritmos é desenvolvida logo nos primeiros anos de vida, em uma conexão entre as mães e seus bebês.

Lauren Cirelli, autora do estudo, disse: "Nós sabemos que canções de ninar funcionam com bebês, mas queríamos descobrir como nossos pais moldam essa experiência". O estudo foi feito com 30 mães, que cantaram Brilha, Brilha, Estrelinha para seus filhos em duas versões, uma mais calma e outra mais animada.

As mães tiveram de cantar a música mais de dez vezes para os bebês, enquanto a atividade cerebral delas e dos filhos era examinada por equipamentos especiais que mediam a atividade das glândulas sudoríparas. Cirelli explicou que o suor é um indicativo de humor porque "quando nós estamos animados, os níveis aumentam e, quando estamos calmos, eles diminuem".

Essa mudança foi monitorada enquanto as mães cantavam para os bebês e foi percebido que, durante as versões mais tranquilas da música, as mães e bebês ficaram mais calmos e, consequentemente, a atividade das glândulas sudoríparas diminuiu e essa diminuição foi correlacionada entre mãe e filho, ou seja, os dois ficam conectados durante a cantoria. 

Já durante as versões mais animadas, as mães cantaram mais rapidamente e em tom de voz mais alto, e a reação das glândulas das mães e bebês foi igual, e os níveis de felicidade aumentaram.

"O cérebro infantil é capaz de identificar fenômenos auditivos para dar sentido à música", diz a autora. Ela diz que a exposição de música a bebês logo nos primeiros meses de vida aumentam a percepção auditiva, o que facilita o desenvolvimento emocional e social da criança. "A música é uma ferramenta que nós podemos usar para juntar as pessoas, e isso começa na infância", disse Cirelli.

Ela sugere que canções de ninar devem ser usadas para acalmar e músicas animadas devem ser usadas para divertir e conseguir a atenção dos bebês.