Icterícia neonatal: o que é, sintomas, causas, riscos e tratamento

Camila Tuchlinski - O Estado de S.Paulo

Diagnóstico, característico pelo amarelão em bebê, ocorre em recém-nascido e tratamento é feito com fototerapia

A icterícia, que afeta alguns bebês ao nascer, é sinal de alteração hepática e é provocada pelo excesso do pigmento biliar

A icterícia, que afeta alguns bebês ao nascer, é sinal de alteração hepática e é provocada pelo excesso do pigmento biliar Foto: Pixabay/Sanjasy

Nos momentos iniciais da chegada de um filho, logo após o parto os médicos realizam diversos testes e observam o recém-nascido nas primeiras horas, que são determinantes para a sobrevivência. Uma das características que podem surgir é o chamado amarelão em bebê, a chamada icterícia neonatal

O sinal é o acúmulo de bilirrubina no organismo, que deve ser tratada com fototerapia, ou seja, banho de luz. É uma manifestação frequente em crianças pequenas e não dá para detectar durante a gestação, por exemplo. “Os bebês ficam amareladinhos devido ao excesso de bilirrubina (pigmento amarelo) no sangue. A quebra das hemoglobinas dos recém-nascidos é uma das causas do excesso desta substância”, afirma a ginecologista e obstetra Ana Paula Aquino, especialista em reprodução humana do Grupo Huntington. 

Dia Mundial da Prematuridade: saiba o que causa e como lidar com bebês que nasceram mais cedo

Algumas maternidades brasileiras oferecem o tratamento para o bebê ao lado da cama da mãe. Outros hospitais possuem um local específico para o procedimento, que pode demorar alguns dias. 

Em princípio, a icterícia em recém-nascido é controlada e, se tratada, a criança leva uma vida normal. Mas há exceções, como explica a pediatra Mônica Carceles Fráguas, neonatologista do Hospital e Maternidade Pro Matre: “Se o nível de bilirrubina indireta ficar muito elevado, a falta de tratamento poderá causar uma doença neurológica grave, chamada Kernicterus”.

Para tirar as dúvidas dos pais e responsáveis, a reportagem do Estadão conversou com a pediatra Mônica Carceles Fráguas e a ginecologista e obstetra Ana Paula Aquino. 

O que é icterícia?

A icterícia não é uma doença, mas sim um sinal de uma alteração hepática. É provocada pelo excesso do pigmento biliar. 

A bilirrubina é formada quando a hemoglobina, parte dos glóbulos vermelhos que transporta oxigênio, é decomposta como parte do processo normal de reciclagem de glóbulos vermelhos velhos ou danificados. Devido a capacidade limitada do fígado para processar toda a quantidade de bilirrubina produzida - o fígado não processa os glóbulos vermelhos de modo eficiente -, se acumula no sangue e é depositada na pele. O resultado é a icterícia”, explica a médica Ana Paula Aquino. É normal em recém-nascidos saudáveis e geralmente desaparece por conta própria.

Quais são os sintomas da icterícia?

 Os principais sintomas da icterícia são: pele e parte branca dos olhos (esclera) amarelada. A urina pode ficar mais escura e as fezes mais claras. Se muito grave, pode causar ainda sonolência excessiva ou falta de vontade em se alimentar.

Teste do pezinho ampliado: saiba para que serve e quais são as diferenças do oferecido pelo SUS

O que é bilirrubina?

 A bilirrubina é formada principalmente a partir da morte de glóbulos vermelhos presentes no sangue. Este processo de destruição ocorre nas células do baço, fígado e medula óssea.

“Normalmente, toda bilirrubina produzida é levada para ao fígado pela corrente sanguínea e sua eliminação se dá para o intestino por meio das vias biliares, após o seu armazenamento na vesícula biliar. Porém, quando ocorre alguma anormalidade em qualquer etapa deste processo, pode ocorrer o acúmulo dessa substância no corpo, provocando icterícia”, ressalta a ginecologista Ana Paula Aquino.

Como evitar a icterícia em bebê recém-nascido?

Não tem como evitar o aparecimento da maioria dos tipos de icterícia. Quando ela está presente é preciso fazer o acompanhamento e se, necessário, iniciar o tratamento. 

“O bebê que mama bem, elimina mais facilmente a bilirrubina e poderá ter um grau de icterícia mais leve do que se estivesse mamando pouco e não estivesse bem hidratado”, enfatiza a pediatra Mônica Carceles Fráguas.

Parto induzido: o que é, como é feito e quando optar pelo método

Como tratar a icterícia?

O tratamento em bebês é feito por meio de fototerapia. 

O que é bom para icterícia?

A fototerapia, popularmente conhecida como banho de luz, é o tratamento mais indicado para recém-nascidos. Essa técnica expõe a criança a lâmpadas específicas que atingem a estrutura do pigmento, diluindo-o e eliminando-o. Normalmente, o procedimento é realizado durante um ou dois dias, mas isso depende da necessidade e da avaliação do médico.

Quando a icterícia é grave?

A icterícia do recém-nascido deve ser acompanhada e monitorada. Em níveis baixos não causa problemas e, dessa forma, o bebê pode ter alta da maternidade e acompanhar com o pediatra no consultório. Entretanto, algumas vezes é necessário tratamento para não chegar a um grau muito elevado. 

“O tratamento é feito com a fototerapia (banho de luz). Ainda no hospital, o bebê é colocado sob um aparelho com lâmpadas especiais até que melhore. Não existe nenhum outro tratamento ou medicamento eficaz. Se o nível de bilirrubina indireta ficar muito elevado, a falta de tratamento poderá causar uma doença neurológica grave, chamada Kernicterus”, explica Mônica Carceles Fráguas, neonatologista do Hospital e Maternidade Pro Matre . 

Os casos de icterícias colestáticas ou obstrutivas também podem ser graves e precisam ser investigados e tratados rapidamente.

Quais são os tipos de icterícia?

Podemos classificar os tipos de icterícia pelo mecanismo de ação. Na classificação médica, elas podem ser: icterícia fisiológica, obstrutiva, colestática, e do leite materno.

Quais são as diferenças entre icterícia obstrutiva ou icterícia colestática, icterícia fisiológica e icterícia do leite materno?

Icterícia é a coloração amarela da pele causada pelo acúmulo de uma substância produzida naturalmente pelo organismo, a bilirrubina. Nosso corpo produz bilirrubina o tempo todo, mas não ficamos amarelos, pois o fígado recebe a bilirrubina indireta, metaboliza, transforma em bilirrubina direta e a elimina rapidamente.

 

a) A icterícia fisiológica é uma manifestação normal e muito frequente. Quase todos os bebês têm algum grau de icterícia nos primeiros dias de vida e é causada pela incapacidade do fígado de metabolizar rapidamente a bilirrubina indireta que é formada normalmente no nosso organismo. O fígado do recém-nascido tem menor capacidade de captação e de metabolização da bilirrubina nos primeiros dias de vida. Devido ao acúmulo da bilirrubina indireta no corpo ocorre o aparecimento da icterícia. Depois de aproximadamente 3 a 4 dias, a função de eliminação melhora e amadurece, e o fígado passa a eliminar rapidamente a substância, resolvendo a icterícia naturalmente. Recém-nascidos prematuros podem ter maior dificuldade na captação, metabolização e eliminação e, portanto, podem ter mais icterícia e um pouco mais prolongada do que os bebês de termo.

Existem muitas outras causas para o aparecimento da icterícia no 1º mês de vida. Em algumas ocasiões acontece uma produção de bilirrubina maior do que o normal. Uma diferença entre o tipo de sangue da mãe e do bebê (incompatibilidade ABO ou Rh) pode levar à grande produção de bilirrubina que, somada à imaturidade do fígado dos primeiros dias, causa icterícia mais elevada e mais prolongada. 

b) A icterícia do leite materno pode ser um dos motivos de demora do desaparecimento de uma icterícia que surgiu nos primeiros dias e que ainda persiste nas segunda ou terceira semanas. Não é muito frequente e a causa ainda é desconhecida.

c) Icterícia por elevação de bilirrubina direta (icterícias obstrutivas ou colestáticas). As causas podem ser, por exemplo, uma infecção que o bebê adquire durante a gestação e se manifesta com hepatite ou alguma obstrução impedindo que a bilirrubina direta seja eliminada, causando seu acúmulo. Outra causa de icterícia por bilirrubina direta é a atresia de vias biliares (doença do fígado e ductos biliares que ocorre em recém-nascidos). Na atresia, os canais por onde a bile sai do fígado e segue até o intestino estão obstruídos, impedindo a saída da bile e causando elevação da bilirrubina direta. A associação de fezes claras, quase brancas deve ser um sinal de alerta e o médico precisa ser informado. Nestes casos, são necessários diagnóstico e tratamento precoces, podendo ser indicada cirurgia. É importante saber que as icterícias prolongadas por 2, 3 semanas ou mais devem ser sempre investigadas.

A icterícia neonatal pode acarretar algum problema futuro?

A icterícia por elevação de bilirrubina indireta, quando muito elevada e sem tratamento pode causar a grave encefalopatia bilirrubínica (Kernicterus). A icterícia por bilirrubina direta pode significar a presença de atresia de vias biliares (doença do fígado e ductos biliares que ocorre em recém-nascidos) que precisa ser diagnosticada e tratada rapidamente.