Crianças e idosos têm mais chance de desenvolver pneumonia

Maria Eduarda Chagas - O Estado de S.Paulo

Doença pode ser prevenida com hábitos simples como lavar as mãos, não fumar e evitar aglomerações

A pneumonia é a doença infecciosa que mais mata crianças de até cinco anos no mundo, segundo relatório da universidade norte-americana Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, divulgado nesta quinta-feira, 12, Dia Mundial de Combate à Pneumonia. Apenas este ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 922 mil crianças devem morrer por causa da doença, responsável por 15% de todas as mortes de crianças nesta faixa etária. 

Infecção nos pulmões, a pneumonia é causada normalmente pela presença de microrganismos, como bactérias, vírus e fungos. A doença inspira cuidados principalmente para crianças de até 5 anos e idosos. De acordo com Alexandre Kawassaki, pneumologista do Hospital 9 de Julho, pessoas nessas faixas etárias estão mais suscetíveis a desenvolverem a doença por terem o sistema imunológico enfraquecido. "Além de ser mais comum em crianças e idosos, a doença é mais letal nessas fases da vida", afirma.

Vacinas contra influenza e pneumocócica reduzem os riscos de pneumonia

Vacinas contra influenza e pneumocócica reduzem os riscos de pneumonia Foto: Divulgação/Governo do Espírito Santo

No Brasil, entre janeiro e setembro de 2015, foram registradas mais de 480 mil internações, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), decorrentes de pneumonia, de acordo com o Ministério da Saúde. A maior parte ocorreu justamente em pacientes com idades entre 1 e 4 anos e com mais de 80 anos.

Para pessoas com mais de 65 anos, a resistência desenvolvida contra antibióticos ao longo da vida é mais um desafio para tratar a doença, segundo o diretor médico da Pfizer, Eurico Correia. Além disso, doenças crônicas típicas do envelhecimento, como diabetes e hipertensão, podem aumentar os riscos de pneumonia. “Por isso, é preciso prevenir as doenças pneumocócicas, que representam um grande risco à saúde”, diz.

Prevenção. Alguns hábitos simples podem ajudar a prevenir a doença, como lavar as mãos, não fumar e evitar aglomerações, de acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Quem está resfriado deve cobrir a boca sempre que tossir para evitar a contaminação de outras pessoas.

Kawassaki recomenda também a vacinação contra a gripe e a vacina pneumocócica como formas de prevenção. Segundo o Ministério da Saúde, é necessário se vacinar contra a gripe anualmente. Crianças de 6 meses a 5 anos, pessoas com mais de 60 anos e gestantes estão entre os grupos prioritários a serem vacinados e têm acesso à vacinação gratuitamente nos postos de saúde. Já a pneumocócica, também oferecida em postos de saúde, é indicada a crianças que tem de 2 meses a 2 anos, a idosos e a gestantes.