Compensar falta de sono aos fins de semana pode diminuir níveis de mortalidade, diz estudo

Redação - O Estado de S.Paulo

Para manter o corpo saudável, recomenda-se dormir cerca de sete horas por noite – mas quem dorme menos de segunda a sexta e compensa aos fins de semana pode alcançar resultados semelhantes

Dormir menos de 5 horas de segunda a sexta e compensar nos fins de semana pode ajudar a manter a saúde, diz estudo.

Dormir menos de 5 horas de segunda a sexta e compensar nos fins de semana pode ajudar a manter a saúde, diz estudo. Foto: Pixabay

Médicos recomendam que uma pessoa durma no mínimo sete horas por dia para manter-se saudável e disposta, mas o quanto as horas de sono realmente influenciam nos níveis de saúde e mortalidade? Spoiler: um novo estudo mostra que aqueles que não conseguem dormir tanto durante a semana, mas “compensam” aos fins de semana, estão no caminho certo.

Um estudo publicado no Journal of Sleep Research pesquisou, por 13 anos, 38.015 pessoas para entender quais os efeitos de dormir mais ou menos em todos os dias da semana na saúde e nos índices de mortalidade. A pesquisa foi conduzida por Torbjorn Akerstedt, diretor do Instituto de Pesquisa sobre o Estresse da Universidade de Estocolmo e outros cientistas.

Em 1997, milhares de suecos completaram uma pesquisa de 36 páginas como parte de uma coleta de dados da Sociedade Sueca de Câncer. Os pesquisadores analisaram os índices de mortalidade de 38.015 pessoas pelos 13 anos seguintes. Entre 1997 e 2010, 3.234 dos participantes morreram, a maioria decorrentes de doenças cardíacas ou câncer.

Os pesquisadores do estudo então agruparam os participantes de acordo com a duração de seu sono, segundo o que eles mesmo haviam respondido na pesquisa. O primeiro grupo foi composto por aqueles que dormiam menos de cinco horas por semana, o segundo por aqueles que dormiam sete e o terceiro por aqueles com nove ou mais horas de sono. Esses grupos então foram subdivididos, baseando-se na diferença de hábitos de sono de segunda a sexta-feira e sábado e domingo.

Um dos grupos, os pouco-pouco dormidores, foi composto por pessoas que dormem menos de cinco horas durante todos os sete dias. O outro, os muito-muito dormidores, dormem nove horas também na semana inteira. Ambos os grupos tiveram níveis de mortalidade altos.

Já aqueles que dormem pouco de segunda a sexta e “compensam” com uma ou duas horas a mais no sábado e domingo, tiveram um índice de mortalidade comparável àqueles que dormem sete horas por noite todas as noites.

"Os resultados mostram que dormir menos nos dias de semana não é um fator de risco de mortalidade se é combinado com um sono médio ou longo aos fins de semana", explicou o autor do estudo ao Washington Post. “Parece que a compensação aos fins de semana é algo bom”, disse Akerstedt.

Os pesquisadores tentaram também encontrar as razões que mais influenciam os hábitos de sono: consumo de álcool, de café, cochilos durante o dia, tabagismo, entre outros, e usaram métodos estatísticos para controlar seu efeito. A idade tem papel crucial nestas descobertas. Os participantes no início da fase adulta, entre 17 e 20 e poucos anos, dormem uma base de 7 horas durante a semana, mas cerca de 8,5 em dias livres. Aqueles com mais de 65 anos dormiram menos que sete horas todas as noites.

Vale ressaltar que se trata de uma pesquisa feita com base em dados em uma população sueca, e não um estudo empírico realizado em larga escala, portanto seus resultados são apenas iniciais para estudos mais aprofundados sobre o tema.