Como pessoas que têm diabete podem aproveitar as ceias de fim de ano?

Camila Tuchlinski - O Estado de S.Paulo

Investir em alimentos ricos em hortaliças, frutas e condimentos naturais são alternativas

Pessoas com diabete podem driblar as tentações da ceia de Natal.

Pessoas com diabete podem driblar as tentações da ceia de Natal. Foto: Pixabay

Imagine aquela mesa repleta de comidas típicas de fim de ano, como salada de macarrão, farofa, maionese, pernil, peru. Fora as guloseimas como panetone e toda a variedade de sobremesas como mousse e pavê.

Como pessoas que têm diabete podem aproveitar as ceias de fim de ano? Diante da fartura, os pacientes sempre ficam na dúvida do que é permitido ou não consumir.

A boa notícia é que é possível fazer refeições mais leves, com menos gordura e açúcares e ricas em hortaliças, frutas e condimentos naturais. 

“Uma boa alternativa para quem tem diabete é apostar no peito de peru, carnes e peixes assados, arroz integral, salada feita com vegetais e frutas não muito doces. É importante também evitar o consumo de álcool ou dar preferência para os destilados como vinhos secos, tintos, brancos ou champanhes, mas mantendo sempre a hidratação", alerta o endocrinologista Fadlo Fraige, da Beneficência Portuguesa de São Paulo. 

Diabete: tire suas dúvidas sobre a doença.

Uma outra recomendação para quem tem a diabete é evitar longos períodos de jejum. E como os jantares das festas de fim de ano costumam começar tarde da noite, é preciso ficar atento e fazer pequenas refeições ao longo do dia. 

“É importante que até o horário da ceia a pessoa coma frutas, castanhas ou amêndoas. Assim, não há o risco de desenvolver um episódio de hipoglicemia (baixos níveis de açúcar no sangue), o que pode provocar sintomas como confusão mental, palpitações, tremores e ansiedade”, esclarece o endocrinologista.

Dia Mundial da Diabete: conheça algumas complicações da doença.

Quem tem a diabete nessa época do ano pode ficar desanimado com a grande oferta de guloseimas e a impossibilidade de consumí-las. No entanto, é importante não deixar de aproveitar os festejos, que vão além da comida.

“O paciente, de forma alguma, deve se excluir das confraternizações com a família, amigos e colegas de trabalho por causa de sua condição. Ele deve apenas tomar cuidado com o que vai consumir e, preferencialmente, deve se alimentar antes de sair de casa para ir à festa”, conclui o endocrinologista Fadlo Fraige, da Beneficência Portuguesa de São Paulo.

VEJA TAMBÉM: Efeitos nocivos do consumo de açúcar por crianças

 

Unsplash/Pixabay
Ver Galeria 7

7 imagens