Comer somente dentro de um período de 12 horas no dia pode fazer uma grande diferença em termos de dieta

Gretchen Reynolds - O Estado de S.Paulo

O tempo em que o alimento é ingerido tem influência sobre o relógio interno do corpo, observam os pesquisadores

Os cientistas, como as mães, sempre suspeitaram que comer no meio da noite não é aconselhável. Mas até há poucos anos havia poucos documentos científicos corroborando tais suspeitas. Agora, segundo um novo estudo, quando os pesquisadores impediram as cobaias de comerem todas as horas, elas não engordaram nem foram registrados problemas de metabolismo - mesmo que a dieta às vezes não tenha sido saudável.

O tempo em que o alimento é ingerido tem influência sobre o relógio interno do corpo, acreditam os pesquisadores

O tempo em que o alimento é ingerido tem influência sobre o relógio interno do corpo, acreditam os pesquisadores Foto: Cassio Vogel Dorneles

Num estudo anterior, pesquisadores do Salt Institute for Biological Studies em San Diego, nos Estados Unidos, realizaram experimentos sobre hábitos alimentares com cobaias. Algumas cobaias consumiam alimentos muito gordurosos todas as vezes que queriam; outras receberam a mesma dieta, mas só podiam comer durante um espaço de tempo de oito horas.

Nenhuma das cobaias foi submetida a exercícios. Aquelas que se alimentavam todas as horas em breve ficaram gordas e indispostas, com sintomas de diabetes. Mas as que se alimentaram dentro do espaço de tempo de oito horas ganharam pouco peso e não registraram problemas metabólicos. Os resultados do estudo foram publicados em 2012.

No novo estudo, publicado na revista Cell Metabolism de dezembro, os cientistas do Salk Institute alimentaram grupos de cobaias com uma das quatro dietas seguintes: com alto teor de gordura, com grande quantidade de frutose, muita gordura e muita frutose, a última constituída de ração normal. Alguns dos ratinhos de cada grupo podiam consumir a quantidade que desejassem durante as horas em que estavam acordados; outros só recebiam alimento em períodos de nove, 12 ou 15 horas. A quantidade de calorias ingeridas era a mesma para todos.

Durante a experiência que durou 38 semanas, a alimentação de algumas das cobaias cujos horários eram restritos foi liberada nos fins de semana e elas podiam comer o que desejassem. E algumas que podiam comer a qualquer hora passaram a ter seus horários restritos no meio do estudo.

No final, as que comiam todas as horas no geral estavam obesas e com problemas de metabolismo, reproduzindo os resultados do estudo anterior. Mas as que se alimentavam dentro de um período de nove ou 12 horas continuaram esbeltas e saudáveis, mesmo comendo à vontade nos fins de semana. Além disto, as que tiveram os horários trocados perderam algum peso que haviam ganho antes. "A limitação de tempo não só previne, mas reverte a obesidade", disse Satchidananda Panda, professor do Salk Institute que supervisionou os estudos.

As cobaias que consumiram ração normal em períodos de tempo determinados também adquiriram menos gordura corporal do que as que se alimentaram quando bem desejavam. Não se sabe exatamente como hábitos alimentares baseados em período de tempo impediram o ganho de peso e doenças mas, para o professor Panda e seus colegas, o tempo em que o alimento é ingerido tem influência sobre o relógio interno do corpo.

"Os horários das refeições têm mais efeito sobre o ritmo circadiano do que os ciclos de claridade e escuridão", disse Panda. Por outro lado, o ritmo circadiano afeta as funções de muitos genes do corpo que envolvem o metabolismo.

Até agora os estudos de Panda foram realizados com cobaias, mas ele afirma que os resultados podem ser aplicados a humanos. Conclusão: limite sua alimentação a um período de 12 horas por dia ou menos. E preste atenção quando começar. O relógio começa a contar "a partir da primeira xícara de café com creme e açúcar de manhã".