Campanha #EscrevaParaLutar usa caligrafia de paciente com Parkinson para conscientização

Anita Efraim - O Estado de S.Paulo

Projeto foi lançado para lembrar o dia mundial da doença, mas fonte ficará disponível o ano todo

Objetivo do #EscrevaParaLutar é acabar com o preconceito da sociedade com pessoas diagnosticadas com a Doença de Parkinson

Objetivo do #EscrevaParaLutar é acabar com o preconceito da sociedade com pessoas diagnosticadas com a Doença de Parkinson Foto: Divulgação

Quando alguém é diagnosticado com Parkinson, as pessoas ao seu redor assumem que, por causa dos sintomas, a vida dela mudará. Assim, além dos tremores, rigidez dos músculos e lentidão do movimento, quem tem a doença também tem de lidar com o preconceito, dada a falta de informação da população. 

Para gerar uma conscientização em relação ao assunto, a farmacêutica Roche lançou a campanha #EscrevaParaLutar, que conta a história de Sonia Regina Darin Cascino, que foi professora por 36 anos e foi diagnosticada com Parkinson há oito anos. Apesar de levar uma vida normal mesmo com a doença, ela foi afastada de seu emprego e da dança russa, sua paixão. 

Sonia foi professora durante 36 anos e foi afastada do trabalho quando foi diagnosticada com a doença

Sonia foi professora durante 36 anos e foi afastada do trabalho quando foi diagnosticada com a doença Foto: Divulgação

“As pessoas na escola começavam a me ver como inapta para minhas funções. Eu frequentava as aulas de dança russa e após saberem da doença, acabavam me deixando de lado”, explica ex-professora. 

O projeto se baseia na caligrafia de Sonia, transformada em uma fonte de computador pelo designer Niveo e o programador Ivan Hods, a Sonia Script. O que o site da campanha pede é para que se “use a fonte Sonia Script, escreva uma mensagem de apoio e compartilhe nas redes sociais para combater o preconceito contra quem tem a Doença de Parkinson”. 

De acordo com Roberta Saba, neurologista da Unifesp, é importante para os pacientes terem o apoio da família e o respeito da sociedade. “Desde que adequadamente tratadas, estas pessoas estão aptas a realizar as atividades do dia-a-dia, como trabalhar, estudar, dançar, se divertir e conviver normalmente em sociedade”, explica a médica. 

No site do projeto, as pessoas podem mandar mensagens de apoio a pessoas quem tem Parkinson, baixar a fonte e compartilhar mensagens de conscientização sobre a doença. 

A doença. O Parkinson é uma condição neurológica. Há, aproximadamente, 200 mil pessoas com a doença no Brasil, além dos casos ainda não diagnosticados. A maior parte dos atingidos são idoso e estudos da OMS (Organização Mundial da Saúde) apontam que pelo menos 1% da população mundial acima dos 60 anos tem Parkinson. Os principais sintomas são os tremores, a lentidão dos movimentos, a rigidez e a instabilidade muscular. 

Dado o envelhecimento da população brasileira, é provável que o número de diagnósticos de Parkinson aumente nos próximos anos. As causas da doença ainda não são estudadas.

Reprodução
Ver Galeria 12

12 imagens