Atenção, ciclistas: cuidado com a coluna!

Yury Ferrero - O Estado de S.Paulo

Prática de exercício de fortalecimento muscular, como Pilates e musculação, podem ajudar na manutenção da saúde do tronco

A preparação começa pelo alongamento do corpo, que deve focar especialmente o abdome, abdome lateral e a região lombar

A preparação começa pelo alongamento do corpo, que deve focar especialmente o abdome, abdome lateral e a região lombar Foto: Cascadian Farm/Creative Commons

Os números crescentes de bicicletas nas ruas de São Paulo devem ser proporcionais aos cuidados dos ciclistas com a coluna. Assim como toda atividade física, pedalar pode trazer benefícios à saúde, desde que feito de maneira certa e controlada. A coluna é a parte do corpo que mais sofre com o impacto durante a prática. É o que explica o convidado do programa Rota Saudável, da Rádio Estadão, o neurocirurgião e especialista em colunas Vinicius Benites, que pontuou as condições e detalhes importantes para se precaver, em tempos em que a prática do ciclismo cresce em São Paulo.

Existem diferentes categorias de ciclismo, do casual ao competidor, com necessidades em níveis variados e próprios de cada um dos estilos. A divisão poderia ser feita entre usuários frequentes e esporádicos, com ou sem predisposição a problemas musculares na região da coluna, e competidores. Apesar das variações, a necessidade é semelhante. Todos os ciclistas precisam de práticas de musculação ou Pilates para fortalecer os músculos. "Assim como outras atividades aeróbicas, o ciclismo exige fazer uma atividade paralela de fortificação para a sustentar e proteger a musculatura", atenta o médico.

 

A preparação começa pelo alongamento do corpo, que deve focar especialmente o abdome, abdome lateral e a região lombar. Não passar por essa etapa pode acarretar problemas na coluna cervical ou na musculatura das costas, e afetar o desempenho. 

Aos usuários esporádicos, é necessário que se faça o fortalecimento muscular ao menos duas vezes por semana. Menos do que isso, qualquer tipo de exercício se torna ineficaz e ainda por cima prejudicial. 

No caso da bicicleta, os danos podem ocorrer também às articulações de todo o corpo. Evitar maus-tratos ao condicionamento físico é essencial para o bem-estar.

Para aqueles que são acostumados a pedalar frequentemente, o cuidado com o corpo deve ser equivalente ou maior. Por conta da postura estática e de atritos durante trajetos esburacados, como os da cidade, o uso da bicicleta traz dores para o ciclista a longo prazo. Principalmente em pessoas predispostas a problemas na coluna, essas dores podem se tornar crônicas e comprometer a vitalidade. Procurar ajuda médica é o mais indicado a ser feito em situações assim, pois os diagnósticos variam. Segundo Benites, o grau de seriedade chega a ser tratado com o auxílio de medicamentos ou solucionado apenas com cirurgia.

A importância de treinos para fortificar os músculos é ainda maior quando se trata de atletas profissionais. Para um ciclista ganhar velocidade, é preciso ficar ainda mais curvado sobre a bicicleta. Isso leva a sérios problemas por causa da tensão sobre regiões como a coluna cervical que é sustentada pela musculatura do trapézio e pescoço.

Em relação à dieta apropriada para o esporte, o especialista avisa que existe uma diferença entre ganho de massa e fortalecimento dos músculos. A alimentação interfere no peso, e não na resistência muscular. "O processo de fortalecimento muscular é totalmente dependente de atividade física específica. A alimentação é importante e, se bem orientada, potencializa os ganhos. Porém ela de forma isolada não tem qualquer benefício na manutenção da massa muscular".

"A ideia é apropriar seu corpo à prática esportiva sem lesões", diz o médico. Por este motivo, nutrientes ingeridos pelo corpo não fazem a menor diferença sem a preparação adequada. Deste modo, caso queira se tornar um atleta, nada de pular as fazes de desenvolvimento.