Nos textos anteriores, falamos sobre as bases filosóficas do yoga. Agora vamos falar um pouco sobre yoga e sua prática. Para isso, existe uma escritura muito antiga que nos foi deixada pelo sábio PATANJALI denominada YOGASHASTRA ou YOGA SUTRA DE PATANJALI, como é mais conhecida. Este sutra ou aforismo foi relatado e comentado por este sábio, que o dividiu em quatro partes:
1. SAMADHI PADA
2. SADHANA PADA
3. VIBHUTI PADA
4. KALVALIA PADA

1. SAMADHI PADA: aqui o sábio reuniu 54 aforismos, retirados de escrituras mais antigas, que descrevem o estado de YOGA (citta-vritti-nirodhah) da seguinte forma: mente, modificação e inibição, ou seja, inibir e modificar os padrões mentais.
Além das descrições, os comentários de Patanjali sobre esses aforismos são importantes para dar uma direção neste desafio de inibir e modificar os padrões mentais.

2. SADHANA PADA: prática ou disciplina. São 55 aforismos que descrevem os oito passos do yoga que já comentei em textos anteriores (ASHTANGA): Yama, Nyama, Asana, Pranayama, Prathiahara, Dharana, Dhiana e Samadhi. Também descritos e comentados, nos apontam a maneira correta de nos comportarmos em sociedade, os cuidados adequados ao nosso corpo, o controle da respiração para podermos reter e utilizar a energia vital de maneira apropriada, o caminho para conhecermos a nossa mente ou os padrões de pensamento, para desenvolvermos uma mente focada e livre e, por último, para penetrarmos com leveza, sem julgamento ou crítica, nos vários níveis de percepção do ser.

3. VIBHUTI PADA: poder ou manifestação. São 56 aforismos que descrevem os grandes Sidhi (ou poderes) que a prática, como um todo, quando executada de maneira auspiciosa e persistente, pode desenvolver no Sádhaka (praticante) – grandes poderes supranormais. Principalmente, esses aforismos descrevem o objetivo de desenvolver estes Sidhi. Em seus comentários, Patanjali enfatiza os perigos que o Sadhaka corre ao desenvolver os poderes. O objetivo principal desses poderes é libertar o ego, mas corremos o risco de nos escravizarmos, tornando-nos dependentes deles.

4. KALVALYA PADA: isolação, emancipação ou liberação. São 34 aforismos que descrevem a importância de nos libertarmos de todas as aparências, nos emancipando, tirando toda e qualquer identificação com esta vida momentânea, Maya (ou ilusória), nos isolando na imensidão do universo. Usufruindo da liberdade de ser consciência pura com o entendimento do todo, o ser se torna a manifestação viva da consciência universal, podendo, assim, ajudar a humanidade a dar um salto evolutivo.

Esta escritura foi colocada em discussão de maneira mais séria a partir da idade média, tornando-se a escritura mais importante do Yoga hoje. O mestre VIVEKANANDA é o primeiro a comentar o Yoga Sutra de Patanjali, provocando assim que muitos outros mestres importantes comentassem o texto. Assim, traz-se à luz muitas discussões que iluminam a compreensão da escritura, pois quanto mais se discute, melhor é o entendimento da proposta de Patanjali.
Vale a pena ler para meditar a respeito.

OM SHIRI GANESHAYA NAMAHA.