Hoje meu convidado é o Dr. Ricardo Nahas, médico do esporte e coordenador do Centro de Medicina do Exercício e do Esporte do Hospital 9 de Julho.

Em nossas mais recentes publicações, descrevemos como o exercício pode tornar o envelhecimento mais saudável. Pode ser saudável e livre de dores e complicações. Vimos que a prática de exercício regular faz o coração, pulmão, circulação, glândulas e o cérebro funcionarem de uma forma muito melhor.

dornascostasvivamaisemelhor

Nesta crônica, que agora inicio, quero abordar o aparelho locomotor, responsável pelos nossos deslocamentos, pelos diversos movimentos necessários no trabalho e no lazer. O conjunto ossos, tendões, músculos e articulações, que formam o aparelho locomotor, também se beneficiam com exercícios e esportes regularmente praticados.

Lembro que antes de iniciar os exercícios e depois periodicamente, você deve consultar seu médico assistente (se médico do esporte, melhor ainda) para verificar suas condições de saúde. Os exames também servirão para acompanhar o progresso e benefícios obtidos com esse novo hábito que fará parte da sua vida: exercícios regulares.

Podemos dividir o esqueleto e o aparelho locomotor, em dois: o axial (CORE para alguns), representando o esqueleto central, que mantém a posição que assumimos, a postura tão desejada por todos e, o outro, o esqueleto apendicular sobre o qual falaremos oportunamente.

Esse “eixo”, esqueleto axial, é representado pela cabeça, os segmentos cervical, dorsal, lombar e sacro da coluna, o tronco e abdômen e as cinturas escapular e pélvica.

Aí você me pergunta: E o que eu tenho a ver com esse amontoado de ossos? Saiba que 90% das dores que você sente no dia a dia e que você relaciona com o seu DNA (data de nascimento antiga), com o jogo (pega tudo e joga fora), entre tantas “etiologias”, se relaciona com o conjunto de ossos que mantém sua posição para que os braços e as pernas efetuem as tarefas que você determina.

A evolução da espécie cobrou um preço ao nos passar de quatro apoios (braços e pernas apoiados como um quadrúpede), para dois apoios (bípedes). Os músculos do chamado “core”,  centro ou axiais passaram a fazer um trabalho anti gravitacional, ou seja, para nos colocar em pé ou, garantir nossa posição sentado, os músculos estão constantemente trabalhando, gastando energia e se cansando. Sim, cansando. E só repousam quando estamos deitados. Em sono tranqüilo, de preferência.

Já sentiu o drama? Essas dores que sente frequentemente, que acompanham você desde que “se entende por gente” e que o médico não descobre de onde vem é de causa mecânica. Está relacionada ao fato de que os seus músculos não estão dando sustentação para as tarefas que você sempre fez e que agora não mais consegue.

A dor que sente é a maneira que os músculos e as articulações têm para reclamar, de avisar que algo deve ser feito (você precisa de trabalho específico e não de remédio) para vencer a fadiga que se instala cada vez mais rapidamente.

E aí? Já achou a dor que virou sua companheira de tantos anos? Já passou na farmácia e comprou o remédio habitual para “relaxar” no sofá depois de um dia exaustivo? Notou que ele não faz mais o efeito de antigamente? (sempre tem um vizinho com uma novidade).

E, se eu te contar que existe uma saída que não só te fará ficar livre das dores como evitar que elas voltem e de quebra te faça dormir melhor, trabalhar melhor, passear melhor?

Claro que vou te contar como e isso vai ficar para o nosso próximo encontro. Enquanto ele não chega, vá ao seu médico e, tomara, que ouça: “você não tem nada”. O resto, resolvemos com exercícios. Viva mais e melhor.