Hoje minha convidada é a Dra. Sumire Sakabe, infectologista do Hospital 9 de Julho e responsável pela unidade terciária de atendimento a coinfectados por HIV e tuberculose do Centro de Referência e Treinamento em DST Aids do Estado de São Paulo.

Tem coisas que a gente só sabe quando sente na pele. A dor do herpes zoster é uma delas.

Quem teve catapora guarda por toda a vida, nas raízes dos nervos, o vírus da varicela zoster. Quando o sistema imunológico envelhece, ou se enfraquece por outro motivo, o vírus da varicela zoster pode migrar para a pele e causar herpes zoster.

Vacina está disponível na rede privada

É uma doença que cursa com bolhas de água em qualquer lugar do corpo, no trajeto do nervo que o vírus seguiu até chegar na pele. Estas lesões são, em geral, muito dolorosas. Nos olhos podem causar complicações graves, se não tratadas. A pele cheia de bolhas tem risco de infectar e formar bolhas de pus. E mesmo após a resolução das lesões de pele, algumas pessoas podem persistir com dor. Embora possa ocorrer em qualquer faixa etária, o herpes acomete com mais frequência as pessoas com mais de 50 anos.

No Brasil, a vacina contra o zoster de vírus vivos atenuados é disponível na rede privada, em dose única. Pode ser aplicada em pessoas com 60 anos ou mais e confere proteção contra o zoster mesmo nas pessoas que já tiveram zoster. Nestes casos, orienta-se aguardar um ano após o zoster para tomar a vacina.

Pessoas que estejam imunossuprimidas, por doença por por uso de medicamentos, não devem receber esta vacina.

Vacinar contra herpes zoster pode ser uma boa ideia para as pessoas acima de 60 anos. Converse com seu médico sobre isso. Viva mais e melhor.