Na semana passada foi revelado ao mundo o resultado do Prêmio Nobel de Química 2019. Os ganhadores foram os cientistas Akira Yoshino, Michael Stanley Whittingham e John Bannister Goodenough. Eles ganharam pelo desenvolvimento das baterias de íons de lítio, usadas principalmente em smartphones, laptops e até carros elétricos.

Cientista é o mais velho ao ganhar o Nobel aos 97 anos

A princípio essa parecia uma notícia qualquer, no entanto, um fato chama bastante a atenção: Goodenough tem 97 anos e é o mais velho ganhador de um Prêmio Nobel. Os outros dois ganhadores também são mais velhos, com mais de 70 anos.

Em uma entrevista a uma emissora de TV, Goodenough disse que se sente feliz pelo prêmio, mas como no estado que ele reside não há limites de idade para a aposentadoria, ele surpreendeu o repórter dizendo que pretende trabalhar por mais – pelo menos – 33 anos.

Nesta mesma matéria, foi mostrado um cientista brasileiro de 91 anos, o Professor Sérgio Mascarenhas, que desenvolveu uma tecnologia incrível capaz de medir a pressão intracraniana sem nenhum procedimento invasivo, ou seja, sem que o crânio do paciente precise ser perfurado. Sem dúvida, um avanço no campo do diagnóstico de doenças.

São realmente exemplos de cientistas que, mesmo com a idade avançada, continuam atuando em suas áreas, procurando um mundo melhor.

Talvez você não ganhe um prêmio Nobel. Este feito realmente é para poucos. Mas você pode ser um Nobel em longevidade e saúde, sendo um exemplo para sua família, comunidade e entre seus amigos. Viva mais e melhor.