Essa semana uma família perdeu um ente querido. Após saber que os médicos haviam perdido a esperança sobre sua recuperação, uma das sobrinhas visitou o tio um dia antes da notícia do falecimento. Após a visita na Terapia Intensiva, achou por bem lavar as mãos. Tirou os anéis, fez todas as manobras de lavagem, secou as palmas com cuidado, ajeitou os cabelos e saiu. Quando deu por conta, tinha esquecido os anéis em cima da pia.

Os anéis e a vida

Frustrada por ter perdido joias de valor sentimental, foi inevitável pensar na situação de morte do tio. Naquele ditado vão-se os anéis ficam os dedos, neste caso, foram-se os dois: os anéis e a vida.

Mas o que vale mais? A vida ou os anéis? Enquanto não fazemos a passagem para o outro lado, os anéis (aqui representados como os bens materiais) têm certa importância sim, mas a reflexão sobre o que é fundamental se faz necessária.

Sei que tenho sido repetitivo aqui no blog sobre a nossa tríade da longevidade, mas vale acrescentar um item aqui: o valor que a vida deve ter. Ela é um presente que recebemos todos os dias e, por isso, devemos honra-la da melhor forma possível. Coma coisas mais saudáveis, tome água, faça exercícios físicos regulares, faça e mantenha os amigos e, principalmente, faça o bem sem olhar a quem.

Tenho certeza que quando tiver no final do presente, você terá apenas gratidão e não vai ficar lamentando pelos anéis perdidos na pia. Viva mais e melhor.