O jornal norte-americano The Wall Street Journal publicou na semana passada um artigo contando a história de seis idosos que mantém seus casamentos há mais de 50 anos. No texto, eles mostram como fizeram e fazem para manter um matrimônio por tantos anos.

O casal mais longevo – há 63 anos juntos – acredita que para conseguir ficar tanto tempo com outra pessoa a receita é não tentar mudar o outro, ser independente e não manter segredos. “Estar junto, ajudando um ao outro e sendo bom um para o outro”, diz a esposa. “Nunca ir dormir com raiva”, completa o marido.

São histórias simples, mas com conteúdo significativo do quanto é importante olhar para o outro para viver uma vida feliz. Apesar de estarem acima dos 70 anos, os três casais mostram boa saúde e demonstram viverem felizes.

Esta realidade é constatada em pesquisas. Um levantamento da Escola de Medicina da Universidade de Cardiff, no País de Gales, revela que pessoas casadas têm mais saúde do que os solteiros. O estudo avaliou mais de 1 milhão em sete países europeus. Os casados, segundo os pesquisadores, vivem cerca de 10% a 15% a mais do que os que vivem sozinhos.

Nos Estados Unidos, um estudo feito pelo Centro de Controle de Doenças mostrou que o casamento aumenta a expectativa de vida em até cinco anos. Pesquisadores da Universidade da Califórnia fizeram um levantamento dosando os níveis de cortisol, o hormônio do estresse, e verificaram que as mulheres felizes no casamento, ao voltarem para casa, tinham redução do nível de cortisol maior, comparadas às mulheres menos satisfeitas e solteiras.

Este blog não pretende fazer uma apologia ao casamento, mas ressaltar a importância de convivermos com o outro. Seja cônjuge, amigo, um familiar, enfim. O convívio social e com outras pessoas é tão importante quanto um remédio para a hipertensão, quando os níveis de pressão arterial estão alterados. Por isso, conviva mais para viver mais. Viva mais e melhor.