Na semana passada estive no programa de TV, do jornalista Celso Zucatelli, para falar do papel do cuidador familiar de idosos.  E, gostaria de aproveitar este assunto, e dizer sobre a importância de pensarmos que nós mesmos podemos precisar de um cuidador e, também, podemos ser um cuidador dos nossos pais ou parentes próximos.

Um dia nós podemos precisar de um cuidador ou sermos o cuidador de um parente próximo

Cuidar de um idoso doente não é das tarefas mais fáceis que existe. No entanto, as pessoas que cuidam dos pacientes precisam saber que elas próprias precisam de suporte.

Sempre digo que, na família, é preciso ter um líder, aquele que vai assumir o cargo de cuidar de quem está doente. Isso é bom para a família, para quem cuida e também para quem está sendo cuidado, pois o idoso doente precisa ter uma referência.

O mundo ideal é ter este suporte de algum profissional, mas muitas vezes a questão financeira impede as famílias de contar com esta ajuda.

Mas o suporte não é somente logístico, físico e financeiro. Ele também deve ser emocional. Quem está cuidando de alguém doente precisa receber atenção também. Separe um momento para uma boa conversa, vá ao cinema com os amigos, separe um dia da semana para cuidar de você mesmo. Isso trará tranquilidade para quem cuida e para quem está sendo cuidado.

 

 

Diante deste cenário, veja algumas dicas:

  • Suporte do carinho familiar é indispensável. Mesmo que você conte com um cuidador profissional, não deixe de visitar o doente. O amor da família não é substituível. Ele é único.
  • Se você foi eleito um cuidador familiar, tire um tempo para você. Combine com seus familiares, uma vez por mês vá ao cinema, vá ao cabeleireiro, vá visitar seus amigos etc.
  • Quando alguém está doente na família, o mais comum é se retrair. Esse é o primeiro problema. Por isso sempre recomendo: peça ajuda. Essa realidade que existe hoje vai aumentar com o envelhecimento da população, estamos vivendo mais e precisamos viver melhor.
  • Quem está cuidando de um doente deve saber das oscilações de humor, principalmente daqueles idosos com demências. Eles podem ser agressivos, mas o cuidador não deve levar isso para o pessoal. Não pode ficar magoado, isso faz parte da doença.
  • Mesmo você não sendo um profissional aja como um no cuidado. Este é um grande desafio. Ter frieza no cuidado, na hora de dar medicações, de trocar etc.
  • Dormir é muito importante. Você pode cuidar de alguém doente, mas você precisa ao menos de 6 horas de sono para voltar a cuidar.
  • O mesmo vale para a alimentação e o exercício físico. Não negligencie sua saúde.
  • Se a sua casa é inadequada para um idoso, mude os móveis, o banheiro, a sala. Adapte-a para atende à necessidade do idoso doente.

Sabemos que quem cuida de um idoso doente tem pela frente uma corrida de longa distância. É preciso estar preparado para essa corrida, que pode durar anos. Por isso, busque informações. No Centro de Longevidade temos mensalmente o Grupo de Apoio aos Cuidadores de Alzheimer, evento que ajuda aqueles que cuidam de pessoas doentes. Viva mais e melhor .