Hoje minha convidada é Tony Bernstein, coordenadora geral do Portal da Terceira Idade, pedagoga e jornalista.

Conheci, há algum tempo, uma senhora de 88 anos, que chamo carinhosamente de Tia Benedita. Comecei a frequentar mais sua casa e pude observar melhor a sua maneira de lidar com a vida.

Para minha surpresa, percebi, em pequenas e simples conversas sobre suas flores e seus biscoitos, os problemas de saúde que foram surgindo com sua família e com ela mesma.foto2729_tia_benedita

Tia Benedita tem vários filhos. Infelizmente, já perdeu uma filha de 60 anos devido a um câncer e, agora, outra está passando pela mesma situação.

Mais uma vez, me surpreendi com sua maneira sábia de lidar com a questão. “A gente tem que ter fé e segurar a onda da família, estou pronta para o que der e vier! A vida é só uma passagem, não vamos levar nada daqui a não ser os momentos de amor e carinho aos nossos semelhantes. Eu não sei por que as pessoas complicam tanto esta breve viagem”, disse Benedita.

Tenho tantas coisas para falar sobre ela que não caberiam nesta coluna. Em um passeio recente que fizemos juntas, tomamos sorvete, conversamos sobre o calor e a alteração do clima. A tia ficou empolgada com os vários sabores, levou mais de 10 picolés para casa – e saiu feliz como uma criança!

Voltando ao mundo que chamamos de real. As guerras continuam matando e destruindo pessoas e países, a fome e o desemprego não param de crescer, o individualismo e a cegueira da humanidade aumentam cada vez mais, famílias brigam entre si por uma herança, uma casa, enfim bens materiais que vão ficar.

Enquanto isso, governos gastam bilhões para descobrir se é possível viver em Marte. Para quê? Não conseguimos viver em paz aqui em nossa casa, nossa linda Terra! Que possamos nos inspirar em histórias como da tia Benedita. Viva mais e melhor.