O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) determinou na semana passada, por meio de um instrumento legal, que o custeio do acompanhante ao paciente idoso seja de responsabilidade dos planos de saúde. Não quero e não vou discutir aqui o mérito do ponto de vista jurídico, mas quero demonstrar a importância do acompanhante do ponto de vista médico.

O estatuto do idoso já traz desde sua promulgação que ter um acompanhante durante uma internação hospitalar é e deve ser um direito de todos os idosos.

É sabido que a internação hospitalar por si só já se configura em estresse, tanto para idoso quanto para qualquer pessoa. A pessoa internada se sente fragilidade e insegura, especialmente por estar em um ambiente diferente de sua residência.

Quem já esteve internado por qualquer motivo sabe que, durante uma estadia no Hospital, muitas pessoas entram e saem do quarto para avaliação dos sinais vitais, emprego de medicações, fisioterapia, fonoaudiologia, nutrição, além, claro, do médico e da enfermagem.

Acompanhante de idoso é mais que companhia. É parte do tratamento

Todo esse quadro de mudança de rotina fragiliza ainda mais a saúde emocional e psicológica do idoso. E, os estudos científicos mostram que quando estão acompanhados de algum familiar ou pessoa próxima se sentem mais tranquilos e a resposta clínica é muito melhor.

Ter um acompanhante pode proporcionar:

  • Uma companhia para conversar;
  • Dividir algum medo ou mesmo uma queixa de saúde com alguém da confiança;
  • Redução no tempo de internação;
  • Proporciona uma melhor recuperação e desfecho clínico, já que o emocional interfere na resposta imunológica dos pacientes;
  • Acalma os idosos;
  • Traz mais segurança e autoconfiança;
  • Dá a sensação de que eles não estão sendo abandonados.

Se você é uma pessoa que já passou dos 60 anos e precisa ficar internado, saiba que ter um acompanhante pode lhe proporcionar uma melhor resposta clínica. E, caso você precise acompanhar alguém, fique contente. Você é mais que uma companhia. Você também é parte do tratamento. É o que chamamos de paciente oculto. Viva mais e melhor.