Hoje meu convidado é o Dr. Ricardo Nahas, médico do esporte e coordenador do Centro de Medicina do Exercício e do Esporte do Hospital 9 de Julho.

Olá. Foi bem de festas de fim de ano? Não vou nem perguntar se você

visitou a balança por esses dias. Com a permissão do Dr. Levites quero saber como você suportou o ano que passou. Foi difícil para todos, não é? Mas será que você poderia ter feito alguma coisa por você para que tudo fosse mais leve e suportável?

Claro que sim. E dependeu de atitudes pessoais e não da “macroeconomia” ou do deputado em quem você votou e não correspondeu à sua intenção quando ajudou a elegê-lo. É meu amigo, minha amiga, a culpa do fardo que arrastamos em 2018 não é só dos outros. É nossa também.

Então, deixemos assim: o que passou, passou. Mas, é sempre bom aprender e planejar um 2019 com uma qualidade de vida melhor, pelo menos naquilo que depende de cada um.

Comece indo ao seu médico e fazendo um checkup. Não só da sua saúde atual mas também como andam seus músculos, quantidade de gordura corporal e capacidade de executar trabalhos. Traduzindo: como está sua capacidade de captar oxigênio e levar, junto com nutrientes, aos músculos transformando em “trabalho”.

Pois é: “trabalho”. Aqui colocado como vida saudável, produtiva no dia a dia e no lazer. Lembre-se que saúde não é ausência de doença. Você saudável deve ter a capacidade para conviver com as tarefas e interagir com todos, ajudar os colegas e brincar com os filhos, com os netos. Capacidade até para contar aquelas histórias de antigamente com bom humor, com disposição na voz e no gestual, sem se cansar ou perder o fôlego após uma gargalhada. Capacidade para captar a atenção com o dinamismo daqueles descrentes que acham que você não tem muito a dizer ou ensinar.

Bem, aí qual o próximo passo? Ler nossas crônicas publicadas nesse blog ao longo de 2018 pode ser um bom começo. Depois conversar seriamente com seu médico que saberá orientá-lo. Já tivemos a oportunidade de sugerir um planejamento para 2019 em substituição às promessas de fim de ano que em janeiro já ficarão no ano passado.

Aí você vai me perguntar: fiz tudo isso? Como vou saber que 2019 tornou-se mais leve do que esse 2018 paquidérmico?

Meu caro leitor, vai saber sim e aqueles que convivem com você notarão a diferença. Ela vai começar pela calça novinha que ficou apertada e será usada novamente, economizando o dinheiro de um “número maior” que pode também ter como destino o cabide.

Mas o noticiário extremamente negativo de todos os dias vai mudar? Claro que não. Já disseram que o que vende é notícia ruim. Mas seu sono passará a ser reparador, sem aquela agitação e sono leve que mais cansa do que descansa.

E o salário? Vai mudar? Até pode ser. Você passará a produzir mais, as horas extras serão melhor trabalhadas e se um cargo com mais “dindim” surgir você será um natural candidato, reconhecido até pelos seus adversários possíveis.

Acho que você já percebeu que tudo podia ter sido diferente em 2018. Acho que apostar na mega sena da virada não é a única esperança para um 2019 melhor, muito melhor.

Esses são meus votos para esses 12 meses que virão e que assim seja pelos anos de muita felicidade que te aguardam. Viva mais e melhor em 2019.