Na categoria dos mestres nacionais que fizeram nome lá fora está Roberto Burle Marx (morto em 1994). Não é exagero dizer que ele virou sinônimo de paisagismo brasileiro no exterior. Popularizou flores tipicamente daqui, como a bromélia, para o mundo.

Mas Burle Marx não se limitava às plantas, sua maior paixão. Começando a carreira como pintor (foi ao estudar pintura em Berlim que se deparou com um dos maiores jardins botânicos do mundo, passando a frequentá-lo), foi de escultor a tapeceiro, chegando até a cantor de ópera (!). Nessas indas e vindas, ele fez muito design de joias – que eram produzidas por seu irmão, gemólogo.

Em 2006, a gigante H.Stern adquiriu os direitos das criações de Burle Marx. Agora, o encargo de reinterpretar o mestre ficou por conta da equipe de designers da marca.São 26 peças em 5 linhas: Caminhos, Luz e Sombra, Grafismo, Jardim de Pedras e Pedra do Fogo. Todas têm os temas principais usados pelo paisagista em suas joias: geometria inteligente, elementos naturais (representados por formas e por pedras) e jogos de luz e sombra. Um exemplo é um anel da linha Jardim de Pedras, que representa os desníveis daqueles canteiros com pedras em substiuição às plantas. Um colar Pedra do Fogo, além da pedra em questão, a granada, tem formato de folhas estilizadas. Os vazados da pulseira Luz e Sombra mostram as diferentes incidências de luz, ao mesmo tempo que mesclam a cor do ouro com a cor da pele, outro tema recorrente em Burle Marx.

Vê-se a natureza como presença constante em sua obra – não a natureza selvagem, mas a linda e organizada forma de um jardim cuidadosamente cultivado.

A coleção inicialmente será vendida apenas nas lojas H.Stern do Rio de Janeiro e São Paulo. E os desenhos que inspiraram as joias estarão em exposição no conciérge do Shopping Iguatemi de 10 a 15 de maio e entre 17 e 31 de maio no Shopping Cidade Jardim.