A SPFW terminou ontem, e já dá para mapear as correntes que moveram as marcas nessa temporada.

Estampas tropicais – Coleções internacionais de verão 2011 de marcas como a Prada e Stella McCartney deram o aval fashion para se explorar o que já temos como inspiração diária. Estampas com aves, bichos e plantas apareceram, e até Pedro Lourenço (1) se aventurou com coqueiros, araras e tucanos, ainda que de cores esmaecidas.

Paetê – Nem se tem mais aquela velha discussão se ele é para o dia ou deve ficar confinado aos eventos noturnos. Está em praticamente todos os desfiles, muitas vezes forrando peças inteiras. A Huis Clos (2), por exemplo, prova que de exagero maximalista o paetê não tem mais nada.

Braços cobertos – Mangas longas, arregaçadas ou 3/4 mesmo estiveram em camisas, blusas, jaquetas. Mais no Rio, um pouco menos em São Paulo, os casacos compridos se destacaram – tecidos fresquinhos tornam essa tendência possível, assim como as cores, no caso do cítrico da Cori (3).

Branco total – O branco é o novo preto. Há uma tentativa constante de tirar o peso do réveillon do look inteiro dessa não-cor na Iódice (4), quase metade da coleção é total white. Tem cor mais fresca para os dias de calor?

Camisas – A forma da camisa foi bastante explorada, aparecendo tanto mais clássica quanto com modelagem diferente, sem mangas, de tecidos variados, transparentes… Nota: assim como aparece aqui na Colcci (5), ela é mais bacana se fechada até o último botão.

Calças molengas – Calças chiques, de tecidos finos, cintura alta e silhueta quase sempre meio pantalona. E estampadas, transparentes, drapeadas, com aplicações… como as cheias de graça de Ronaldo Fraga (6). Seguem a mesma máxima dos casacos para se manterem usáveis no verão.

Fotos: site FFW.