O blog convidou quatro conceituados nutricionistas (Dania Sánchez, Felipe Nassau, André Santos e Talita Reis) para tirar dúvidas importantes, muitas delas enviadas pelos leitores, sobre dieta e a busca por um corpo enxuto com saúde.  Abaixo, eles dão dicas interessantes e falam sobre verdades e mentiras quando o assunto é a batalha pela causa magra.

 

 

O esforço de um ano todo de dieta pode ser posto a perder em um mês de férias?

Certamente. A velocidade com que o nosso corpo é capaz de piorar é muito maior do que a capacidade de voltar aos níveis adequados. Se a pessoa realmente se esforçou durante o ano, possivelmente ela cederá menos às tentações das férias. Um ano é tempo suficiente para se aprender a fazer melhores escolhas e criar hábitos mais saudáveis. Entretanto, se mesmo assim a dieta foi por água abaixo nas férias, certamente os resultados alcançados serão seriamente prejudicados. Procure ajuda de um bom profissional, e assim incorpore novos e melhores hábitos para que, mesmo diante de preparações inadequadas, a pessoa saiba fazer escolhas saudáveis.
Se aumentar a carga de exercícios nas férias e festas para compensar as jacadas continuo magrinha?

Não é bem assim. Exercício e nutrição exercem funções diferentes e complementares no nosso organismo. E assim, como remédio, existe dose adequada. Nosso organismo não é uma calculadora de calorias e os processos que levam ao ganho ou perda de gordura são complexos. Assim, aumentar a dose de exercício porque comeu mais pode piorar a situação, visto que o resultado aparece pela recuperação das sessões de treino e não pelo aumento de sessões de exercícios. Nosso gasto calórico total é dividido em: metabolismo de repouso (responsável por cerca de 60 a 75%), atividade física (de 15 a 30%) e efeito térmico do alimento (aproximadamente 10%). Sendo assim, aumentar a atividade física até pode aumentar o seu gasto energético, porém não de maneira significativa como um aumento por melhoras no metabolismo de repouso, através de dieta adequada, sono e recuperação e da própria resposta da atividade física.
Ser seca é uma questão de genética? Ou é possível virar uma Gabriela Pugliesi com alimentação correta, malhação e determinação?

Certamente a genética influencia muito, mas sabemos que nossos hábitos influenciam como nossos genes se expressam. Assim, pessoas que cultivam hábitos adequados desde a infância certamente terão maior facilidade em obter bons resultados. Mas o maior problema está aí. Foco demais no resultado e foco de menos na tarefa. E se você não conseguir virar a Gabriela Pugliesi? Vai se entupir de pizza com sorvete e chorar por causa disso? Cada um tem um potencial a ser alcançado e isso depende da adequação do comportamento. Quanto melhor o comportamento, mais perto do seu potencial máximo você chega. Então, não parece mais razoável fazer as coisas do jeito certo, simplesmente porque é certo? Desse modo, a ansiedade e estresse diminuem e a pessoa até consegue fazer melhor e, por isso, obter melhores resultados e tornar isso um hábito com maior facilidade.
Aumentar o consumo de alimentos termogênicos como a canela pode ajudar a emagrecer nas férias?

Cada um responde de modo diferente a cada substância. Mas sim, canela, gengibre, açafrão, podem ser peças integrantes de uma boa alimentação e potencializar efeitos de um bom conjunto de dieta adequada, exercícios adequados, controle do sono e estresse. Utilizar esses alimentos para manter a hidratação durante as férias seria uma boa ideia, na forma de sucos (por ex: o famoso suco verde), água saborizada (limão + hortelã + gengibre), utilizar nos lanches (fruta + cereal e castanhas + canela e gengibre ralado ), e utilizar o açafrão, pimenta, mostarda em grãos, nos temperos das carnes e saladas,  são algumas dicas de como podemos potencializar os benefícios desses alimentos.

 

Férias engordam. Ou é realmente possível perder ou manter peso nesse período?

Depende do que você vai fazer nas suas férias. O desequilíbrio hormonal causado pelo estresse pode facilmente levar ao ganho de gordura. Ao tirar férias, esse equilíbrio pode ser restabelecido. Mas isso vai depender de você se alimentar bem e praticar seus exercícios de modo adequado durante o período de férias. Converse com seu educador físico e peça um programa de treinamentos menos intenso para executar durante as férias. Corrida intervalada (HIIT) na areia, exercícios com o peso do corpo, movimentos na água, alongamentos, etc. Certamente a atividade física te ajudará também a realizar melhores escolhas alimentares, fazendo com que você mantenha os resultados alcançados ao longo do ano.

Se uma pessoa ralou o ano todo, perdeu muito peso, recuperou um pouco, continua na dieta, mas não emagrece mais. O que ela deve fazer para mudar o metabolismo?

Ela deve procurar profissionais adequados para avaliar o que está acontecendo. Sabemos que quando a pessoa passa a não se recuperar dos exercícios em longo prazo (overtraining) o resultado para de aparecer, necessitando de ajustes no treinamento para o corpo voltar a responder. Da mesma forma ocorre com os períodos longos de restrição calórica, que levam a uma redução do metabolismo, o que pode ser corrigido por nova modulação pela dieta feita por profissional adequado.
Correr na areia fofa da praia queima mais do que correr no asfalto?

Não fará diferença. O fator determinante para a perda de gordura é a alta intensidade. E isso pode ser conseguido em praticamente qualquer modalidade ou terreno, desde que haja boa orientação. Mas na corrida na areia, a movimentação é diferente. Se você não está acostumado a correr na areia, o esforço do arco plantar pode ser alto, gerando microlesões e dor tardia nos pés, o que pode te atrapalhar a caminhar por uns 2 dias. Isso pode atrapalhar suas férias. A intensidade é quem determinará o maior gasto energético. Uma pessoa que não tem tanto hábito de correr na areia terá um pouco mais de dificuldade, logo se manter uma mesma intensidade no asfalto e na areia fofa, essa segunda possivelmente levará a um maior gasto calórico. Também é importante tomar cuidado quando correr descalço na areia fofa, para não queimar, além de calorias, os pés.

Manter um peso perdido é mais difícil do que emagrecer?

Enquanto a cabeça da pessoa não começar a compreender que a boa alimentação é importante até o último dia de vida, pode ser que sim. Sabemos que vários alimentos podem levar ao vício como o trigo, leite e seus derivados, e o açúcar vicia mais que a cocaína. E assim como há trabalhos que mostram que a exclusão desses grupos de alimentos pode levar à ansiedade e depressão, por a pessoa sentir a dieta como uma prisão, outros trabalhos mostram que os mesmos sintomas podem ser chamados de síndrome de abstinência, semelhante ao que ocorre com drogas. Deste modo, reafirmamos a importância de compreender a boa alimentação e o bom exercício como hábitos importantes para a qualidade de vida. Se todo mundo pensasse assim, e deixasse o resultado estético ser mero efeito colateral de uma vida saudável, ninguém nem engordaria. Desse modo não teria que se preocupar em emagrecer ou manter peso.

 

Seu conselho para férias felizes?

Achamos que repensar o conceito de felicidade pode ser o ponto chave. Parar de atribuir a felicidade a comer porcaria, consumismo descontrolado e porres desenfreados e levar uma vida (e férias) com hábitos físicos, sociais, alimentares e mentais mais equilibrados e saudáveis. Não existe equilíbrio quando você coloca veneno na balança. Moderação é fazer as coisas com método. Mediocridade é fazer as coisas “mais ou menos”. As pessoas não querem melhorar, elas querem ser melhoradas. Enquanto você não tomar a frente das suas decisões, e enquanto seus pensamentos, palavras e atitudes não estiverem bem alinhados, dificilmente alcançará a plenitude. E acreditamos que a plenitude é um bom começo para a felicidade. Assim, não deixem de viajar, não deixem de conhecer a culinária local e não deixem de celebrar. Mas façam com consciência. E seu braço não vai cair se você se exercitar 20 minutos, 3 vezes na semana. Existte alimento saudável em qualquer lugar do planeta. Então, pare de mimimi e faça a coisa certa.  Se você não conseguiu alcançar seus objetivos até agora, não é faltando poucas semanas para sua viagem que o seu corpo irá mudar de maneira significativa, o que também não quer dizer que você está livre para “jacar” à vontade. A felicidade não está em um brigadeiro tampouco em um grelhado com salada!! Pratique alguma atividade física que você goste, coma alimentos mais saudáveis, esteja rodeado de pessoas positivas e deixe os problemas e preocupações de lado e seja feliz!!

  

Não se esqueça de alguns cuidados como:

 

  • Hidratação: Tome muita água, ainda mais que este é um período de temperaturas mais altas;

 

  • Carregar os lanches: Fazer pequenos lanches portáteis pode evitar que gaste tempo excessivo com refeições fora “apenas por ter que comer”. Castanhas, frutas, aveia, frutas desidratadas podem ser boas opções.

 

  • Alimente-se bem em relação aos nutrientes e qualidade higiênica

 

Episódios de infecção intestinal nas férias são comuns por alimentos com baixa higiene e isso compromete o lazer e o descanso e incomoda as companhias.

 

Baixa qualidade nutricional do alimento reduz a disposição, aumenta o ganho de gordura e perdas de massa muscular, além de piorar danos ocasionados por ingestão de álcool.

 

  • Aprecie a culinária local com bom senso. Frutos do mar, carnes, vegetais, raízes e cereais continuam bem vindos em novas formas de preparação e temperos.

 

  • Evite alimentos de qualidade duvidosa e alimentos não-saudáveis, como frituras, doces, refrigerantes e alimentos que causem alergia.

 

  • Atividade física: O descanso da mente é fundamental, mas nosso corpo continua precisando de doses frequentes de exercício e nutrientes, mesmo quando estamos de férias.