Causa Magra não é só malhação e a adoção de rigorosas dietas. Comer é celebrar a vida. A prova disso é a gastronomia funcional, que vem ganhando força e sofisticação no Brasil. Restaurantes e chefs têm investido em pratos funcionais em seus cardápios. Isso sem falar nos estabelecimentos totalmente funcionais onde, além da comida, todo o conceito do lugar é diferenciado.

Os restaurantes funcionais, com comidas orgânicas com saúde e sabor, já são uma realidade nas principais capitais do País como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Mas, afinal, o que é comida funcional?

Segundo nutricionistas, são considerados alimentos funcionais aqueles ingredientes que, além de nutrir e atender às necessidades básicas de alimentação, produzem também efeitos metabólicos e fisiológicos em prol da saúde. Exemplos: cereais integrais, soja e seus derivados, linhaça, hortaliças com talo, tomate, uva, brócolis e tantos outros.

Primeiro chef de gastronomia funcional do País, Renato Caleffi é proprietário de um conceituado restaurante funcional de São Paulo. Com a nutricionista funcional Gisela Savioli, é autor do livro “Escolhas e Impactos: gastronomia funcional”.

Além de dicas importantes em relação à equação alimentação e saúde, Caleffi apresenta receitas saborosas e ingredientes que não podem faltar nos chamados pratos funcionais. Entre eles, destaque para abacate, abacaxi, açúcar demerara, água de coco, alecrim, amaranto, arroz negro, arroz integral, atum, banana verde, biomassa de banana verde, cará e muitos outros.

Formado em direito, Renato sempre soube que seu destino seria a gastronomia. Foi o primeiro brasileiro a trabalhar no restaurante  Martin Berasategui, categoria três estrelas no Guia Michelin, e de lá, na cidade de San Sebastian, na Espanha, é que teve contato com os primeiros alimentos orgânicos de sua vida. Foi justamente na Europa que ele aprendeu a teoria e a prática do termo funcional. Ao retornar para o Brasil, decidiu aplicar aqui o conhecimento conquistado tendo como objetivo um único fim: prevenção de doenças.

No livro, Renato conta que ele próprio passou por um processo de reeducação alimentar. Ele já conhecia a doutora Gisela. Mas resolveu aceitar o desafio de um novo plano alimentar na vida dele. Mudou hábitos, perdeu peso. Ganhou saúde.

No livro, há receitas para todos os gostos. De sucos a sobremesas, passando por saladas, carnes e sopas. Muitas são fáceis de fazer e opções interessantes para quem quer fugir das comidas tradicionais do dia-a-dia.

Eu separei duas receitas do livro para compartilhar com vocês!

Até semana que vem!

 

QUINUA COZIDA AO LEITE DE COCO COM BANANA E CANELA

Rendimento: 1 porção

Ingredientes: 25 g de quinua em grão

1 banana madura

pitadas de canela em pó

Preparo: Lave os grãos em água corrente em temperatura ambiente e deixe escorrer numa peneira. Aqueça a panela e adicione os grãos de quinua, mexa até que sequem bem. Adicione duas xícaras e meia de água em temperatura ambiente e cozinhe em fogo médio e alto, até que a água seja toda absorvida. Amasse a banana ou corte em pedacinhos. Adicione a quinua ao leite de coco e deixe ferver em fogo baixo. Adicione a banana à quinua, ainda no fogo, e misture. Polvilhe pitadas de canela em pó. Sirva quente.

Dica: Você acrescentar sementes de girassol levemente tostadas

 

ESPAGUETE DE LEGUMES À MEDITERRÂNEA COM COULIS DE TOMATE

 

Rendimento: 4 porções

Ingredientes: 1 cenoura crua

1 pedaço do talo de coração de palmito pupunha cru

1 abobrinha de pescoço ou italiana

fios de azeita

ervas frescas de sua preferência

Preparo:

Rale os legumes no ralador grosso para que se pareçam com espaguete. Misture tudo com as mãos. Refogue rapidamente em azeite e alho amassado, com pitadas de sal e ervas. Os legumes precisam ficar durinhos. Sirva com coulis de tomate ou com molho de tomate ou ainda com azeite de ervas de sua preferência.

Dica: Pode ser servido com nhoque de ricota de castanhas