Desenvolvido em vários países como Estados Unidos, Inglaterra e Alemanha, o “5 a day” não para de crescer também no Brasil. Preocupados com os altos índices de obesidade no País e a alarmante estimativa de que em seis anos 75% da população brasileira pode estar obesa, nutricionistas têm recomendado a ingestão de frutas e hortaliças nos moldes do programa: cinco porções ao dia.

Conceituado nutricionista no País, Julio Aquino, membro do American College of Sport Medicine (ACSM), está entre os profissionais que indica o “5 a day”, entre outras recomendações para uma vida saudável.

A pedido do blog, ele fala sobre os perigos das dietas seguidas pelas pessoas com base nas celebridades das redes sociais, onde o único foco é a estética.

 

Eis a entrevista:

 

 

Como você classifica a chamada geração fitness?
É uma geração atenta a todas as opções de vida ativa, atlética. Gente que está disposta a mudar seu estilo de vida para proporcionar um melhor visual ao corpo. Mudanças que vão desde a roupa que usam, tipo de academia ou exercício que preferem, até os mais rígidos padrões alimentares.

Como essa geração que se prega tão saudável acaba engordando quando fica mais velha?

Como os padrões alimentares são rígidos e não estão baseados nas mudanças de comportamento a longo prazo, mas sim no resultado final que é a estética corporal, a pessoa não consegue suportar a inflexibilidade alimentar ou então muda o foco. Algumas mulheres, por exemplo, deixam de lado o mundo fitness após terem filhos, já que a maternidade passa a ser a prioridade.

Algumas personalidades do mundo fitness muitas vezes recomendam atitudes ou dão dicas alimentares sem qualquer base científica. Quais as consequências?

A busca pelo que é fitness vem da internet ou das mídias sociais, onde a pessoa neonata no mundo fitness começa a seguir indivíduos que não são profissionais da área da saúde ou não tem informação correta sobre a melhor maneira de se conseguir um corpo esteticamente adequado para o padrão fitness mantendo-se a saúde. A princípio as pessoas seguem outras somente pela estética corporal adquirida com treino, muitas vezes com excesso de hormônio e uma dieta muito usada por fisiculturistas, como a dieta da batata e frango, onde o padrão alimentar fica restrito a carne de frango (peito) sem óleo, salada de folhas e batata doce cozida. Esse tipo de dieta ficou muito famosa nos anos 80 e até hoje repercute no meio fitness para aqueles que não têm um profissional como orientador. O problema é a deficiência nutricional que ela pode acarretar, além do risco de se adquirir alergia e outros problemas de saúde, como hipoglicemia e prisão de ventre.

A dieta deve ser individualizada?

Sim. A dieta deve seguir o princípio da individualidade metabólica. Ou seja: cada indivíduo tem um metabolismo diferente e uma forma diferente de metabolizar os nutrientes. Existem pessoas que devem comer mais carboidratos, outras que o corpo pede mais gordura e pouco carboidrato para emagrecer. Fora que as necessidades de kcal dependem da quantidade de músculo de cada um. Como exemplo podemos pegar uma mulher que quer emagrecer. Ela tem 70 kg, sendo 30 kg de músculo e 10 kg de gordura. Paralelamente, outra mulher com o mesmo peso pode ter 10 kg de músculo e 30 de gordura. A dieta será diferente para cada uma. Isso sem contar que existem dez variáveis mais que podem mudar, como altura, quantidade muscular, prática de atividade física etc. Toda dieta deve ser calculada por um nutricionista. Não existe dieta repassada.

Existe uma estimativa de, em 6 anos, 75% dos brasileiros estarem obesos. Por que? 
A obesidade é uma doença. Isso deve ser bem entendido. O padrão alimentar do brasileiro vem piorando. A quantidade de açúcar e frituras ingeridos e a baixa ingestão de legumes, frutas e produtos integrais favorecem o surgimento da obesidade. E com ela aparecem outras doenças, como diabetes, hipertensão, impotência e falta de libido nas mulheres. São pelo menos 30 problemas de saúde que têm como base a obesidade para desenvolvimento.

 

Quais hábitos comuns entre os brasileiros levam a obesidade? 
O brasileiro gosta de beber cerveja e comer carne vermelha. Este último não teria problema, se a quantidade e a qualidade da carne fossem adequadas. Nos finais de semana, principalmente, o consumo de álcool é demasiado, acompanhado de alimentos fritos e excesso de açúcar. O comportamento alimentar deve ser revisto. Para que uma pessoa possa perder peso deve-se ingerir no máximo 600 ml de cerveja por semana e diminuir a ingestão de carnes fritas e gordas, como paio, picanha, costela ou qualquer outra carne que contenha grande quantidade de gordura. Lembrar sempre de fazer refeições com intervalo não superior a 3 horas e beber de 2 a 3 litros de água por dia.

Se você tivesse que dar 3 conselhos para as pessoas evitarem a obesidade, quais seriam?
Primeiro: Procure um profissional nutricionista na rede pública ou privada para individualizar a dieta.
Segundo: Evite açúcar de qualquer forma.
Terceiro: Alimente-se a cada 3 horas, coma 5 frutas por dia e beba água.

 

 

Até a próxima semana!