thick-373064_640

 

 

Você com certeza já deve ter ouvido que o estresse pode provocar ganho de peso. Mas será verdade ou mito? Consultamos a médica ginecologista e obstetra, pós-graduada em Nutrologia e membro do The Institute for Functional Medicine (IFM), Bruna Pitaluga Peret Ottani. Na entrevista a seguir, ela esclarece o assunto. Boa leitura!

 

É verdade ou mito que o estresse pode causar aumento de peso?

Bruna – Verdade. O estresse pode ser considerado um dos maiores vilões na epidemia de obesidade que vivemos no mundo atualmente. Entende-se por estresse qualquer evento que altere o estado de tranquilidade de um indivíduo: acordar com desspertador, enfrentar o trânsito nas grandes cidades, trabalho, uso de aparelhos eletrônicos que geram sensação de ansiedade, etc. Até assistir ao jornal na televisão pode ser considerado estresse para algumas pessoas. Diante disso, podemos imaginar que estamos estressados o dia todo!

 

Do ponto de vista científico, como isso acontece?

Bruna – Quando uma pessoa se estressa gera uma resposta metabólica primitiva de defesa e proteção, como no tempo das cavernas, quando o homo sapiens estava sob ameaça de ataque ou com a vida em risco. A mesma resposta primitiva usamos até hoje. No entanto, as razões para defesa são as mais variadas possíveis hoje. Bioquimicamente, quando uma pessoa se sente ameaçada, o corpo libera um hormônio chamado cortisol, que é o regente da orquestra. Ao ser liberado, o cortisol faz com que o corpo libere adrenalina e insulina. A adrenalina libera açúcar na corrente sanguínea rapidamente porque o corpo precisa de energia para contrair músculos e correr ou para entrar numa batalha (lembrem-se que estamos utilizando a mesma cadeia metabólica dos nossos antepassados). A insulina faz que a glicose entre mais rápido na célula para termos mais energia, otimizando o trabalho da adrenalina. Quando isso acontece, várias vezes ao dia, uma pessoa começa a sentir mais vontade de comer doces e carboidratos simples, como pães, porque a insulina está circulando no sangue e o sistema nervoso central entende que o corpo precisa de mais energia atuando em áreas da fome no cérebro. Imagine isso dia após dia durante anos. O excesso de comida acumula e a barriga começa a crescer , e, de repente, a sua calça começa a ficar apertada na cintura. Por isso, muitas pessoas quando estressadas tendem a comer mais e compulsivamente, principalmente doces, como chocolates, por exemplo. É fácil lembrar de uma situação de estresse e da vontade de comer depois. Esse é um ciclo vicioso que o corpo não entende que deve parar: quanto mais estresse, mais cortisol, maior a vontade de comer doce e maior a circunferência abdominal.

 

O estresse também pode provocar perda de peso?

Bruna – No começo do quadro de estresse, algumas pessoas perdem peso, principalmente pelo domínio da adrenalina, mas, com o passar do tempo, a fome aparece.

 

De que maneira podemos evitar o estresse e seus desdobramentos nocivos para o corpo?

Bruna – Primeiramente, temos que mudar nosso estilo de vida. Repensar sobre o nosso dia e as coisas que são nocivas para o corpo e para mente. O que puder ser feito para reduzir o estresse deve ser feito. Negociar o horário de entrada e de saída do trabalho para evitar horário de maior trânsito pode ser uma medida muito eficaz, por exemplo. Além disso, praticar técnicas de respiração pode ser uma forma de comunicar para o seu corpo que está tudo bem. Uma pessoa estressada tende a respirar rápido e curto, como se estivesse numa corrida. Respirar de forma calma, enchendo o peito de ar segurando um pouco e soltando o ar lentamente é uma excelente forma de tranquilizar o corpo e reduzir a liberação de cortisol. Dormir bem, um sono tranquilo e contínuo, é outra estratégia de sucesso para reduzir o estresse e durante o dia tentar ficar o máximo possível em contato com o sol. Deve-se evitar café ou outras substâncias que excitam, porque o uso crônico pode alterar a produção de cortisol.

 

Uma boa alimentação pode minimizar o impacto do estresse? Se sim, até que ponto?

Bruna – Comer também pode ser um fator estressante. Refeições pesadas e ricas em carboidratos simples são nocivas ao corpo, ao contrário de refeições leves e ricas em nutrientes, como saladas, que ajudam o corpo a reduzir o estresse. E, ainda mais importante, evite comer doces quando estiver estressado!

 

Até a próxima semana!