Madonna atrasar não é novidade: quem já foi a algum show da cantora certamente esperou um bocado além do horário marcado no ingresso para vê-la subir ao palco. Mas, na estreia da turnê MDNA nos Estados Unidos, na terça-feira, a popstar recebeu vaias de muitos dos 20 mil fãs na Filadélfia ao fazê-los esperar por nada menos que 2h30 para começar a apresentação – segundo a revista Rolling Stone, o show estava marcado para as 20h e só começou depois das 22h25.

Como de praxe, Madonna justificou sendo Madonna: disse que busca “a perfeição” para os fãs com seu melhor espetáculo possível, e afirmou haver “muitas mudanças” envolvidas entre a turnê europeia e a norte-americana. Parece ter colado.

No repertório, a apresentação – que passará pelo Brasil em dezembro – seguiu à risca os moldes da turnê europeia, do começo com Girl Gone Wild ao final com Celebration.

Houve tempo para um novo apoio ao grupo punk Pussy Riot, após a cantora dizer o quanto estava feliz em voltar para seu país. “A América tem sua cota de problemas, mas nós temos liberdade de expressão. Nunca esqueça o quanto vocês são sortudos por viverem aqui”, afirmou. Com a sempre emblemática Express Yourself, o recado foi dado.