Fotos: Pixabay

Em um evento desses super comuns no mês das mães eu conheci a Milena*, mãe do Pedro*, uma criança que tem a mesma idade do meu filho, 8 anos. Embora ele ainda seja pequeno e nem tenha bem saído da primeira infância, todos sabem que Pedro* não se identifica com o gênero no qual nasceu – inclusive ele.  O garoto gosta de usar vestido, “daqueles que rodam bastante”, nos contou Milena*, lágrimas nos olhos em um misto de orgulho por ter construído uma uma relação de confiança com o menino – a ponto dele não ter medo de contar aos seus pais como se sente – mas também por pavor ao saber que a intolerância e a violência contra os LGBT´s, como Pedro*, vêm crescendo de forma galopante e orgulhosa. (Dúvidas de que isso realmente está aumentando? Assista a esse vídeo da torcida do Palmeiras e seu assustador grito de guerra homofóbico entoado em plena linha vermelha do metrô de São Paulo.) Você já pensou se essa turba um dia, por acaso, cruza com Pedro*, esse inocente garoto transgênero? Milena* tem pensado nessa possibilidade todos os dias de sua vida. A gente não, porque nossos filhos “não são como ele”, então “melhor deixar para lá”.

Mas não é preciso nem ter filhos para ter medo do que vemos por aí. Basta ter uma família ou pessoas com as quais a gente se preocupa e ama. Ontem um taxista me contou que tinha muito receio de que o estatuto do desarmamento fosse relaxado porque ele vê as pessoas cada vez mais estressadas no trânsito. Já pensou se todo mundo for autorizado a ter um revólver? A cada ‘fechada’ pode acontecer uma tragédia”, disse, e depois acrescentou que tem um filho que está na faculdade e que “ainda” depende dele. Logo pensei no meu marido, pais de três filhos, sempre tão estressado ao volante, e tive uma crise de ansiedade. “As pessoas ficam ‘possuídas’ quando dirigem”, me explica, como se eu não soubesse.

Um dos motivos pelos quais eu decidi trocar o carro pelo transporte público foi exatamente esse – eu não queria mais fazer parte daquela histeria coletiva. Muito menos agora, com a possibilidade cada vez mais real dessas pessoas terem acesso a um revólver de forma legal (esse é um dos pontos do plano de governo do candidato Jair Bolsonaro e que é amplamente aprovado por parte de seus eleitores). “Eu sou calmo no trânsito, jamais me descontrolo”, garantem muitos, que também não se assustam com a possibilidade cada vez mais real de que um amiguinho da escola do filho possa a levar a arma do pai na mochila e atirar nos colegas. “Isso nunca aconteceria por aqui, somos pacíficos”. Meu querido, sinto informar que já aconteceu e o caso mais recente não faz nem um mês e foi em uma escola do interior do pacato Paraná. Sim, aquele estado simpático que fica no sul do Brasil.

A verdade verdadeira é que nem precisa mais de um revólver para matar hoje em dia e sim de ódio, e ele está no ar, que anda tão pesado que quase dá para pegá-lo com a mão. Ao chegar em casa depois do bate-papo com o taxista li que um capoeirista, Romualdo Rosário da Costa, de 63 anos, conhecido como “Moa do Katendê”, foi assassinado em Salvador. De acordo com o Boletim de Ocorrência, Romualdo estava em um bar e teria discutido com seu agressor por conta do resultado da votação: declarou voto em Fernando Haddad e fez críticas ao candidato à Presidência Jair Bolsonaro. Levou 12 facadas. Não consegui descobrir nada de sua família, mas vi que “Moa” que tinha uma legião de pessoas que o queriam bem e que, claro, estão chocadas com tamanha brutalidade. Discordar sempre foi, segundo o dicionário Houaiss, “ter opinião contrária à de (alguém); divergir”. Mas hoje em dia discordar pode ser sua sentença de morte. “Eu nunca que discutiria por causa de política em um bar, as pessoas colhem o que plantam, oras”.

Quem ainda não está em pânico não entendeu o que está acontecendo. Hoje cedo fiquei sabendo, também pela imprensa, que foi lançado um jogo de videogame – já disponível pela plataforma Steam por módicos R$ 8,91 – onde você, personificado como Jair Bolsonaro, pode  “enfrentar os mais diferentes tipos de inimigos que pretendem instaurar uma ditadura ideológica criminosa no país”. Sabe quem são eles, os tais inimigos? Mulheres (eu), negros (parte da família do meu marido), militantes de movimentos sociais (como Guilherme Boulos, aquele homem respeitado e coerente e que foi candidato à Presidência pelo PSOL), nordestinos (uma das minhas melhores amigas) e LGBT´s (o Pedro*, lembra dele?). “Nossa, mas é só não deixar seu filho jogar esse joguinho, oras”. Mas o meu vizinho vai jogar. O amiguinho dele da escola, que ainda é pequeno e não sabe separar ficção de realidade também. E ao ver o pai gritando palavras de ódio na varanda vai aprender que as coisas se resolvem assim agora. No grito e dedo na cara. Na facada. No tiro. No atropelamento porque, segundo o tutorial do jogo, em uma das fases “você pode usar um caminhão para passar em cima deles” (aqueles que discordam de você). Será mesmo que a gente não tem com o quê se preocupar?

(*Pedro e Milena são nomes fictícios. Os nomes reais foram trocados para preservar a família. Tempos difíceis, não é mesmo?)

Leia mais: Homens vão à terapia em busca de uma masculinidade mais saudável 

Leia também: A mãe narcisista é habilidosa em se fazer de vítima e dizer que a filha é ingrata, afirma psicanalista