Leon Martins e Nilce Moretto do “Coisa de Nerd”

O YouTube foi vetado lá em casa há algum tempo quando eu me dei conta que não tinha tempo para checar, de dez em dez minutos, qual era o vídeo que o tal algoritmo tinha oferecido ao meu filho de 8 anos. Como a imensa maioria das crianças dessa idade, ele não tem repertório para separar o tanto de joio misturado ao pouco trigo disponibilizado pela plataforma. Era cansativo e desgastante ter de mandar que ele mudasse de “canal” porque aquele tinha muitos palavrões, o seguinte era barulhento demais e o próximo incentivava o bullying, fazia piadas machistas, gordofóbicas e/ou homofóbicas.  O processo era insano, avaliei que proibir era o melhor a ser feito.

Mas ao contrário do que sugerem os episódios com o tal youtuber Júlio Cocielo, que teve parcerias com marcas canceladas após tuítes racistas, e a vida e a obra de Felipe Neto e seu irmão, que dispensam explicações adicionais, existem youtubers que produzem coisas legais para as crianças.  Sim, é isso mesmo o que você está lendo. Há produtores de conteúdo que se importam com nossos filhos e que influenciam os jovens de uma forma positiva – eu já tinha reparado em alguns deles mesmo antes de baixar o AI-5 lá em casa.

O “Coisa de Nerd”, do casal Leon Martins e a Nilce Moretto, foi o primeiro a me saltar aos olhos, ou melhor, aos ouvidos. Um dia meu marido comentou comigo: “Você já percebeu que eles jogam de igual para igual e ele não faz piadinhas depreciando a moça?” Redobrei a atenção e percebi que, sim, Leon era extremamente gentil com a Nilce, mas não de forma condescendente ou paternalista. Ele realmente a valoriza como parceira de vida e de jogo e a trata de um jeito que todas as mulheres merecem ser tratadas, aliás. (Estranho é a gente reparar e querer aplaudir quando um homem respeita uma mulher, não? Pois é. )  Mas o bom comportamento de Leon também é digno de nota porque até as pedras sabem o quanto o mundo nerd é machista e misógino mesmo tendo as mulheres como grandes consumidoras de quadrinhos, séries, filmes e games. (Esse texto da Ana Paula Freitas publicado pelo HuffPost Brasil vai a fundo nesse tema, leia e entenda o quanto a questão é bem mais pesada e complexa).

Mariana Fulfaro e Iberê Thenório do “Manual do Mundo”

O “Coisa de Nerd” tem uma audiência que não pode ser desprezada: são pouco mais de 8 milhões de inscritos. Mas é apenas uma gota no oceano, é verdade. O “Canal Canalha” (!!!) do tal Julio Concielo tem 16 milhões de assinantes, Lucas Neto outros 16 milhões e Felipe Neto assustadores 22 milhões.

Outro canal legal? Manual do Mundo, também apresentado por um casal, o jornalista Iberê Thenório e sua esposa, a terapeuta ocupacional Mariana Fulfaro. Em vez dos jogos de vídeo game que fizeram Leon e Nilce famosos entre as crianças e adolescentes, há espaço para experimentos, curiosidades científicas, desafios. Entre os vídeos mais assistidos estão o que a dupla ensina a transformar uma bola de papel alumínio em uma bola de metal (com mais de 5 milhões de visualizações), o passo a passo para se construir um caixão de madeira (com mais de 2,2 milhões de views) ou como fazer uma selfie 360 graus com o uso de um cabide (mais de 1 milhão de pessoas já assistiram ao vídeo, inclusive eu). Iberê e Mariana têm a disposição uma daquelas oficinas lotadas com chaves de fenda e cacarecos em geral, sonho de toda criança, vamos combinar. A audiência do canal também não é nada desprezível: 10.640.854 inscritos, incluindo essa que vos fala. E como toda regra tem sua exceção, Samuel sabe que pode assistir a qualquer vídeo das duplas quando quiser, é só pedir.

(PS: A publicidade direcionada às crianças é algo que ainda incomoda demais, inclusive nesses canais legais).

Leia mais: Por que eu não deixo mais meu filho assistir ao YouTube

Leia também: Não adianta nada a luta diária para educar os nossos filhos se eles assistirem ao Felipe Neto