O desafio que todas as famílias estão enfrentando em tempos de pandemia é algo sem precedentes e está afetando muitos relacionamentos. O isolamento necessário para diminuir a velocidade de propagação do coronavírus faz que muitos de nós tenha de conviver com filhos, esposas ou maridos 24 horas, sete dias por semana, sem ter para onde correr. E essa ‘superconvivência’ está causando danos a muitos casamentos, aponta o psicólogo Alexandre Coimbra Amaral, mestre em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Chile e um dos especialistas do Programa ‘Encontro com Fátima Bernardes’ da Rede Globo. “Tudo o que não tinha sido conversado está sendo foco de tensão e tudo o que já tinha sido conversado, mas não tinha sido resolvido também”, explica. E alguns relacionamentos que estavam na corda bamba desabam. “Alguns casais estão descobrindo que o casamento só sobrevivia porque eles tinham pouco tempo de contato, se mantinham juntos por um afastamento provocado pelo trabalho e pela hora tardia em que se chegava em casa”. Ele conversou com o blog sobre o assunto.

Blog: Quais os efeitos que esse isolamento, que já dura mais de 40 dias, tem sobre os relacionamentos?

Alexandre: A experiência da quarentena está se mostrando uma experiência com várias fases. Na primeira semana passamos por uma certa ‘lua de mel’, parecia férias, a gente ficou em casa em favor da humanidade. E aí não paramos de receber dicas de ‘como entreter as crianças’, ‘quais séries maratonar’, mas caímos na real já na segunda semana, tínhamos muito mais trabalho a ser feito porque perdemos todas as nossas redes de apoio. E o que está acontecendo na vida conjugal é que o casal está absorvendo todos os papéis da gestão da vida. O que a escola fazia os pais estão tendo de fazer, o que a avó fazia os pais estão tendo de fazer, se eles tinham babá agora também são babás, se tinham alguém para fazer a limpeza da casa também são eles que têm de fazer isso, fora todas as práticas de cuidado adicionais que estão relacionadas à nova pandemia, como esterilizar tudo, voltar do supermercado e ter de tirar a roupa e botar na máquina de lavar. Isso está causando uma pressão de desempenho e temos a impressão que perdemos a dignidade ou um pedaço dela quando ‘produzimos pouco’ – e essa percepção atinge os casais, que começam a ficar ansiosos porque pensam ‘eu não estou dando conta das coisas’ ou ‘a vida está me exigindo e eu não estou produzindo o que deveria’. E isso gera, obviamente, uma pressão maior sobre a mulher, porque a quarentena está colocando em evidência a velha história da carga mental. A mulher é quem cuida de toda a gestão da vida e quando o homem é ‘desconstruído’ ele, abre aspas, “ajuda”, mas só quando ela diz o que ele tem que fazer. Essa mulher também está fazendo trabalho remoto, também está sobrecarregada, também está se sentindo pressionada e aí começam os debates sobre gênero dentro de casa: tudo o que não tinha sido conversado sobre esse aspecto está sendo foco de tensão e tudo o que já tinha sido conversado, mas não tinha sido resolvido também.

O psicólogo Alexandre Coimbra Amaral. Foto: Lela Beltrão

Blog: E os casamentos que estavam na corda bamba desabam? O que você tem notado ao atender esses casais?

Alexandre: Muitos estão desabando, alguns casais estão descobrindo que o casamento só sobrevivia porque eles tinham pouco tempo de contato, se mantinham juntos por um afastamento provocado pelo trabalho e pela hora tardia em que se chegava em casa. Com esse ‘excesso de convivência’ durante a quarentena muitos casamentos já de dissolveram nesses primeiros quarenta dias, inúmeros. Mas também tem um fenômeno interessante que está acontecendo que é o de casais que já estavam separados e que estão se propondo a passar a quarentena juntos em benefício da convivência com os filhos, isso também tem acontecido e é algo maravilhoso que a gente precisa ressaltar.

Blog: São casais que passaram por cima de eventuais lembranças ruins e mágoas em nome dessas crianças?

Alexandre: Isso. Uma situação como uma pandemia ativa os nossos medos e nossas inseguranças e isso tem vários lados – o ruim é que a gente piora a nossa saúde mental e se sente muito mais vulnerável, como alguém que perde o chão e as certezas que tinha sobre a vida. Mas o lado bom disso é que a gente também escolhe as nossas causas, porque as coisas ganham outra proporção. A gente muitas vezes arrefece as mágoas, as raivas e isso constrói a possibilidade de uma convivência mais pacífica.

Blog: Quais os cuidados que esse casal tem de ter para preservar os filhos de possíveis rusgas entre eles que eventualmente aconteçam por conta desse excesso de convivência?

Alexandre: Aquelas tentativas que a gente tinha antes da quarentena de eximir a criança de todo e qualquer testemunho das brigas do casal às vezes não é possível, porque isso depende de um fator de privilégio que está sendo colocado muito claramente nessa quarentena que é o tamanho da casa. Tudo depende do tamanho da casa. Porque se não existe mais o ‘lá fora’, o lugar onde a criança pode ficar brincando enquanto eu fico aqui conversando com meu cônjuge até que a gente resolva o nosso embate, a criança vai escutar, perceber os ânimos, testemunhar as lágrimas, os humores alterados, as raivas, que podem recair às vezes sobre ela. Então, o que a gente pode pensar como uma possibilidade protetora é (ter essas discussões) quando a criança estiver dormindo ou num outro cômodo brincando. Se isso for possível ser feito para que ela não ouça e não veja, ótimo.  Mas eu sei que existem condições de vida em que isso não é possível.

Blog: E isso é negativo de todas as formas ou existe algum lado bom de a criança perceber que os pais também divergem – e isso, claro,  quando a gente considera uma discordância respeitosa, obviamente.

Alexandre: Se for uma discordância respeitosa não tem problema nenhum a criança assistir a isso. Basta os pais ficarem de olho na reação dela, porque se a criança se assustar, se impressionar e fizer uma questão sobre isso é importante se conversar sobre o assunto. Primeiro escutar o que seu filho está sentindo, deixar ele falar, não presumir que você sabe qual é a angústia dele, para depois conversar claramente sobre o que aconteceu, numa linguagem que ele possa compreender. E dizer ‘filho, é normal os adultos às vezes brigarem, lembra aquele dia que você brigou com fulaninho e depois vocês fizeram as pazes e voltaram a brincar juntos?’. É trazer um evento da vida dele para metaforizar o que está acontecendo ali com o casal. Agora, se for uma briga violenta, não tem lado bom nenhum porque a criança estaria testemunhando uma disputa de poder. E a violência conjugal, como qualquer tipo de violência,  é um abuso de poder e assim se coloca uma questão com a qual a criança não pode lidar.

Blog: Claro que a gente não pode idealizar o que está acontecendo porque esse é um momento de mortes, estamos vivendo uma tragédia sem precedentes para a nossa geração. Mas eu gostaria que você pontuasse quais são as oportunidades que um período tão difícil pode oferecer a essas famílias.

Alexandre: Paradoxalmente os períodos mais difíceis das nossas vidas são aqueles que nós construímos resiliência. E a resiliência é a capacidade humana de transmutar sofrimento em aprendizagem, de fazer da dor uma força, de aumentar a envergadura da alma. E depois que esses momentos passam a gente tem um olhar retrospecto de quem nós éramos e quem nós somos e percebe que cresceu. Durante o processo a gente não consegue perceber isso porque só consegue enxergar a dor, o medo, só consegue notar o desespero. E tudo bem. Mas é inevitável que a gente recolha desses caminhos um pedaço de força para que possamos levar adiante na vida. Eu tenho para mim que nenhuma pessoa desse planeta sairá desse processo da mesma forma que entrou.

Blog: Para o bem e para o mal?

Alexandre: Para o bem e para o mal. Algumas pessoas vão sucumbir, literalmente. E eu também acho que esse processo de construir resiliência possa ser mais demorado e isso não quer dizer que uma pessoa que se deprima ou tenha um transtorno de ansiedade durante a pandemia não esteja também passando pelo seu processo de construir força na vida. Basta que isso seja bem acompanhado. Só são resilientes aqueles que sofrem menos ou que estão sempre otimistas? Não é verdade. A gente às vezes constrói força de situações muito adversas e de sofrimentos, inclusive mentais, muito grandes.

Blog: Como lidar com esse assunto e como abordar o que está acontecendo com as crianças sem que elas se sintam ansiosas ou angustiadas?

Alexandre: Olha, eu acho que sem ansiedade e sem angústia ninguém vai ficar, é importante deixar isso claro. O mais importante é não idealizar que a gente vai conseguir proteger integralmente as crianças do medo que nós estamos sentindo, da ansiedade que estamos vivendo. Elas vão viver isso porque também faz parte da vida delas, as crianças estão perdendo muitas coisas. Uma criança que perde interação social e a possibilidade de expandir seu corpo no mundo está perdendo uma parte gigante do seu desenvolvimento. Então ela está privada de muitas coisas importantes para ela, inclusive, da oportunidade de se equilibrar emocionalmente. Quando a gente era criança, quantas vezes ouviu da nossa mãe quando estávamos agoniados um ‘menino, vai lá pra fora, vai brincar!’ Essa era uma percepção muito intuitiva das nossas mães de que a gente precisava expandir o nosso corpo para equilibrar nossas emoções. Aí a gente subia em árvore, pulava corda, andava de bicicleta, ia fazer qualquer coisa lá fora e hoje todos estão privados disso e existe um nível de ansiedade só por conta dessa privação. Mas testemunhar os adultos preocupados, o que também é inevitável na pandemia, vai fazer com que a criança nutra um certo tipo de angústia. Então temos que explicar para ela e deixar que fale de suas emoções, temos de brincar com essa criança, deixar que ela elabore tudo do jeito que quiser. Aqui em casa outro dia meus filhos estavam brincando de pega-pega e a frase que eu ouvi de um deles foi ‘eu sou o coronavírus e eu vou te pegar!’ (risos).

Blog: Como planejar a volta a essa suposta normalidade sendo que ainda não dá para enxergar uma luz no fim do túnel e a gente nem sabe qual vai ser esse ‘novo normal’?

Alexandre: Antes de a gente saber qual vai ser a nova normalidade depois que a pandemia passar, e como esse processo promete ser minimamente longo, temos de viver o luto da vida que a gente tinha antes, e isso já gera um grande trabalho emocional. O que significa isso? Admitir, por exemplo, que vamos passar um tempo considerável precisando guardar distância de segurança das outras pessoas, precisando usar máscara e entender que a vida social vai ser transformada – e isso é uma perda sobretudo para nós, latinos, que somos muito sinestésicos e táteis e que sentimos muito a falta do abraço.  Temos que realizar esse luto, um processo difícil, que demanda praticamente criar uma nova cultura de convivência social. Se conseguirmos fazer isso a gente já avança muito como sociedade durante o processo da pandemia. Todas as pessoas que estão negando essa experiência, vivendo a vida como se ela estivesse normal, estão em um processo de negação desse luto. Temos que elaborar isso porque ele é que nos vai preparar para o momento de entender qual novo o mundo será esse, quais serão suas regras e quem serei eu depois de tudo isso, quem seremos nós como sociedade brasileira. Adaptarmos a essa sistemática da pandemia deixa a gente mais flexível para as outras fases que virão nessa nossa nova vida.

Leia mais: As crianças escutam gritos que não são relacionados a elas

Leia também: ‘Estar sempre com os filhos não é o melhor para os filhos’, garante psicanalista