Sarau, luau e o escambau

Sarau, luau e o escambau

Produção artística que vive à margem da indústria cultural

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Tem o Festival Satyrianas, o show do Chêro da Poesia, a homenagem a Edvaldo Santana e a vinda de Patti Smith ao Brasil

Por Arnaldo Afonso

   

Eu tenho tanto pra lhes falar e é com palavras que eu sei dizer. Por mim, escreveria todo dia toda hora sem parar. Sobre tantos talentos que me encantam e às vezes se desencantam mas não se cansam da labuta da luta artística. Tantos passando dificuldades financeiras e criando belezas imensas, mesmo sem grana mídia ou reconhecimento. Queria elogiar cada um deles. Enaltecer sua fibra sua vibe criativa sua postura digna independente alternativa. Abraçá-los ofertar meu verbo e sorriso como um sincero incentivo: prossigam persigam sigam não desistam. A gente precisa de música original de poesia marginal de teatro underground dança sarau de amizade festa e alegria de diversidade em nossa vida e na cidade. Escrevam componham pintem bordem e disponham deste blog. Sim, o tempo é escuro. Mas sigamos andando saltando muros sobrevivendo ao enduro até chegar ao lugar onde sonhamos chegar. E logo sair correndo de lá pra inventar novo rumo. É sempre já todo futuro. Quem anda encurta os caminhos do mundo. Borandá!

SEXTA – 15 de novembro – 22h … Chêro da Poesia canta Sá, Rodrix & Guarabyra … Além das releituras, a ótima banda formada por Helen Torres, Sidney Kitagawa e Luiz Giadas também apresenta seu rock rural autoral. No Eclipse: Espaço Cultural, Bar e Café, à rua Astorga, 621 (ao lado da estação Guilhermina do metrô)

CHÊRO DA POESIA >>> O trio formado por Kita, Helen & Giadas iniciou carreira em fins dos anos 70 cantando rock rural. Pra eles, interpretar Sá, Rodrix & Guarabyra é quase repertório autoral. Pelos saraus, eles têm apresentado tanto as lindas canções antigas (que a gente ama e sabe de cor) quanto as novas e surpreendentes composições (como ‘Foz’, por exemplo). O Chêro comprova a importância de se participar continuamente da cena de saraus da cidade. Eles estão cada vez melhores e mais profissionais, com belas canções e arranjos, som encorpado e vocais bem trabalhados. A banda já deu aquele salto de qualidade que levou vários artistas alternativos a se apresentarem em Sescs e grandes casas de shows de São Paulo. Talento eles sempre tiveram. Agora, com ensaios contínuos e muita dedicação, têm feito por merecer os muitos elogios recebidos. Acho que só falta gravar um ep para o sucesso vir. Virá, sim.

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 19h … Homenagem a Edvaldo Santana … Cantor e compositor de São Miguel, um dos fundadores do Movimento Popular de Arte, é homenageado pelos amigos e artistas no show ‘Quem é que não quer ser feliz’, com participação da Orquestra Oreste Sinatra, dos poetas Ademir Assunção e Akira Yamasaki e de diversos cantores (clique no cartaz). No auditório da Universidade Cruzeiro do Sul, câmpus São Miguel Paulista

EDVALDO SANTANA >>> Compositor, cantor, guitarrista, Edvaldo é parceiro de Tom Zé, Itamar Assumpção e Arnaldo Antunes. E também de grandes poetas como Paulo Leminski, Akira Yamasaki e Ademir Assunção. Esse coração solidário está sempre presente nos saraus da cidade e nos eventos culturais de São Miguel. O clipe mostrando o cotidiano do seu bairro é sensacional. Edvaldo rasga a voz pra cantar sua gente. Da estirpe dos ‘baitas’, como diz o Akira, é daqueles que jamais se vendem. Bom saber que ainda existe artista assim. Edvaldo é muito merecedor da homenagem e do reconhecimento que o bairro de São Miguel lhe confere. Parabéns aos envolvidos.

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 13h … Lançamento de livros com Patti Smith. A cantora e escritora conversa com a jornalista Fernanda Diamant. Evento marca o lançamento dos livros “O Ano do Macaco” e “Devoção”. No Sesc Pompeia, à rua Clélia, 93. Na semana passada, assisti ao coletivo de poetas ‘Trovadores do Miocárdio’ lendo textos dela. Alguns versos surpreendentes marejaram meus olhos por duas vezes. Patti não é fraca, não. Anos atrás, após ler seu livro ‘Só Garotos‘, lembro que troquei alguns e-mails poéticos com amigos escritores que já o tinham lido. Fui pesquisar e encontrei meus escritos de fevereiro de 2011. Eis um resumo do que escrevi (e senti) à época:

“Sinceramente? Nem sei o que dizer …. … … … Não sei mesmo. Estou sem palavras, vazio. Algo me dói na alma. Não sei ao certo o que é. E dói tanto, mas tanto, que chega a doer fisicamente também. Mesmo tendo decidido me policiar e não me emocionar demais com obras de arte, chorei no ônibus e no metrô lendo as palavras da Patti Smith. O livro está quase no fim… vou sentir uma saudade danada dela. Após o futebol de sábado, fiquei até quatro da manhã no Youtube, ouvindo suas músicas e lendo seus poemas. Mas, o que mais me chama a atenção, e me comove nela, é a sua imensa verdade. A verdade profunda que emana dela e encarna tudo o que ela fez e faz.”

“Relembrando os últimos livros que li, me impressiona o tanto que os artistas têm em comum. Sejam os do livro da Kiki de Montparnasse, ou daquele de fotos do Picasso na Paris dos anos 20. Ou o dos beats, nos anos 50. Ou o da turma de Andy Warhol nos anos 60. Ou esse da Patti Smith e seus amigos nos anos 70. Tanto os que ‘deram certo’, quanto os que ‘não deram em nada’. Cada um na sua viagem, em busca da sua verdade. Enfrentando a incompreensão geral, a falta de grana, as inseguranças. Muitas vezes sem ter onde dormir. Sem nenhuma razão pra acreditar e prosseguir. Sem futuro… mas tinham a arte. Aquela verdade óbvia e absurda batendo asas no peito. Aquele pássaro abrupto.”

“É… fiquei assim mesmo como você falou. Sem dormir, sem saber o que fazer de mim. Vazio, olhando o negrume, o nascer do sol e o breu interior. Eu sou só mais um que amou que sofreu que chorou. Mais um homem comum que sonhou. Achei curioso quando um personagem diz exatamente isso no livro da Patti: “é porque eu sei”… Era um poeta, claro. Destruído, acabado, com aquela dor se esparramando no peito. A insuportável dor, no mesmo campo seco onde o amor já brotou. Fiquei assim, sem dormir, relendo os versos que escrevi sobre o livro dela e tentando entender os mistérios daquele “é porque eu sei”… Ela sabia. Ela sabe muito.”

… … …

QUINTA A DOMINGO – 14 a 17 de novembro – 18h … Satyrianas 2019 – #Satyros30Anos … 20ª edição do festival reúne mais de 500 atrações (inclusive internacionais) em 96 horas ininterruptas de atividades na região central da cidade (aqui o endereço de cada espaço). Na programação, espetáculos de teatro, dança, circo, performances, shows, debates e exibição de filmes. A abertura oficial será às 19h, com integrantes d’Os Satyros realizando flashmob na praça Roosevelt. Saiba mais e confira a programação completa no site do evento

 

… … …

LANÇAMENTOS, CAMPANHAS & QUETAIS

… … …

SEXTA – 15 de novembro … Lucas Caram … O cantor, compositor e violonista lança primeiro disco solo, ‘Alguém Me Ouve’. Nas oito faixas do álbum  encontramos ritmos como toada, bolero, samba e canção. O cd tem produção musical do compositor Paulo Novaes e conta com Daniel Altman (violão de 7 cordas), Igor Pimenta (baixo) e Gabriel Altério (bateria), além de participações de Ga Setúbal (trompete), Ronen Altman e Fernando Caram (bandolim e cavaquinho). Duas das canções já foram divulgadas ao público: ‘O Fim’ e ‘Tarde Cai’. Ao lado de seu primo Paulo Novaes e da irmã Bruna Caram, Lucas é idealizador do Projeto ‘Primo’, tendo lançado um ep em 2018. É também fundador do Projeto Djagil (releituras de Djavan e Gilberto Gil) e se apresenta no Brasil e em Portugal

… … …

ATÉ SEXTA – 15 de novembro … Vaquinha Virtual para o Cemitério de Automóveis … Há tempos venho noticiando aqui as dificuldades que espaços culturais importantes têm encontrado para se manter. Na semana passada, fechou a livraria Trovoar (do poeta Ni Brisant). Já foi anunciado que, até o final do ano, vão fechar as portas a livraria Suburbano Convicto (de Alessandro Buzo) e o Bar do Alemão (de Eduardo Gudin). O Instituto Juca (do poeta Paulo Nunes) e o Videoclube Charada (de Gilberto Petruche) vêm se mantendo a duras penas graças ao apoio e dedicação dos grupos que os frequentam. O Cemitério de Automóveis, do dramaturgo Mario Bortolotto (foto acima), está na mesma situação. Fica cada vez mais difícil sobreviver da produção cultural num país em que o presidente e seus ministros incultos ofendem publicamente os maiores artistas (como aquele sujeito insignificante que teve o desplante de xingar Fernanda Montenegro e ganhou promoção no governo Bolsonaro).

O Cemitério de Automóveis (situado à rua Frei Caneca, 384) é um bar, uma livraria, um teatro, uma casa de shows, um abrigo contra a caretice, um refúgio humanista, um ponto de encontro, namoro e diversão. Um lugar onde artistas e amigos se reúnem e trocam ideias. Onde as conversas viram poemas, peças, livros, canções e declarações de amor. Como disse o Marcelo Rubens Paiva, em recente entrevista, ‘O Brasil trata muito mal a sua inteligência’. Não podemos deixar o Cemitério fechar. Quem puder, clique aqui e colabore

… … …

ÀS TERÇAS – 20h … Acompanhe o programa CasArte Marginal, apresentado e produzido pela dupla de artistas Alexandre Paulino e Aline Lopes. Na última terça, dia 12, foi ao ar a segunda edição, com participação de Vieira Pato, cantor, compositor e apresentador do Sarau da Vergueiro. Acompanhe também as reprises do programa: às sextas, às 13h, e aos domingos, às 17h. Na casileoca.com

… … …

TRILHAS >>> Foi num evento do Videoclube Charada, na ZL, que conheci o dj e produtor musical Felipe Zangrandi. Esse profundo conhecedor de nosso cancioneiro vem postando na net uma série de programas denominada Trilhas. No primeiro, ele dissecou o disco temático ‘O filho de José e Maria’, de Odair José (com o conjunto Azimuth), apresentando as faixas numa outra ordem que dá mais lógica à história. No segundo programa entrevistou Nichollas Mariano, colaborador direto de Roberto Carlos no auge de sua carreira. No terceiro, Zangrandi nos apresentou o AJA, grupo surgido no final dos anos 60 com o propósito de ‘levar alegria e apoio musical aos oprimidos’, algo impensável nestes bolsonários tempos de ódio e inversão de valores. Acompanhe os programas porque o Zangrandi sabe das coisas.

… … …

LÉO NOGUEIRA >>> Dose dupla do talentoso poeta e letrista radicado no Japão: Léo Nogueira vem ao Brasil esta semana para lançar seu novo livro (que tive o prazer de ler em primeira mão e prefaciar). A Confraria dos Mascarados será lançado no dia 22 de novembro, no restaurante Dona Carmen, à rua Dr. Bacellar, 649. Além disso, Léo também será homenageado por seus muitos parceiros no cd “Um Mundo em Nós“, disco que será produzido com recursos de campanha de financiamento (clique aqui para saber mais e colaborar). Serão gravadas 13 letras de Léo musicadas por craques como Zeca Baleiro, Adolar Marin, Kleber Albuquerque, Sonekka, Marcio Policastro, Gabriel de Almeida Prado, Leo Costa e Élio Camalle, entre outros, e interpretadas por Augusto Teixeira e artistas convidados.

UÍLSON PAIVA >>> Já está disponível nas plataformas digitais (Deezer, Spotify e iTunes) o álbum “Saber Dizer” do cantor e compositor Uílson Paiva.
O disco é marcado pelo ecletismo de ritmos: tem soul, pop rock, blues, milonga e samba-canção. Mais conhecido por seu trabalho no jornalismo, Uílson retoma a carreira musical iniciada nos anos 90, no Rio Grande do Sul, onde integrou bandas covers de rock na região de Pelotas, São Leopoldo e Porto Alegre. Além de ser lançado digitalmente, ‘Saber Dizer’ terá versões em cd e vinil.

ATÉ 30 DE NOVEMBRO – Prêmio Maraã de Poesia … Prêmio é uma iniciativa da Editora Reformatório (nesta edição, em parceria com a Patuá) que premia dois poetas brasileiros inéditos, dando a eles a oportunidade de publicação, a partir da leitura de crítica especializada (incluindo poetas experientes e membros da comunidade acadêmica). Poderão participar autores inéditos, sem livros publicados comercialmente. Os vencedores terão como prêmio suas obras publicadas e distribuídas comercialmente pelas editoras Reformatório e Patuá. Saiba mais e inscreva-se aqui

 

… … …

MINHAS ANDANÇAS POR AÍ

… … …

QUINTA – Sim, amigos: este blogueiro aniversariou, cantou Cartola, recebeu os amigos na Carauari e promoveu um sarauzinho bem legal. Ou melhor, um aniversarau (não é o caso de detalhar, mas agradeço aos artistas pelas performances incríveis!). No dia seguinte, postei no Face: “Ah, que delícia que foi… O melhor de tudo, como sempre, foi a gente ter estado lá, todos juntos, curtindo aqueles momentos únicos que jamais se repetirão. E que ficarão na minha lembrança, para sempre, como uma noite feliz. Agradeço a todos e a cada um por essa imensa alegria. Não sou de fazer festa pra mim. Mas vocês fizeram, né? E eu adorei. Abraçar os amigos é um negócio que lava a alma e varre as dores do peito. Parece até que melhora um pouco a cabeça da gente. E faz o coração bater mais contente… sei lá… Estou até meio bobo… deve ser felicidade o nome disso”. Um obrigado do fundo do coração à Andrea (minha ‘prima’ querida), por me tratar com tanto carinho e gentileza. E um outro agradecimento especial ao Roberto Candido, que fica lá trabalhando enquanto a gente bebe e canta (veja mais fotos aqui). Amo vocês!  

SEXTA – Fui à exposição ‘Do Eu ao Nós Profundo’, da artista plástica Angelita Cardoso, que fica até 8 de dezembro na Casa Clara (rua Alves Guimarães, 838). Admiro o trabalho da artista desde que vi sua exposição no sarau ‘O Feminino Infinito’ (no Teatro Garagem, em 2017). Não sou especialista, claro, mas, passeando os olhos pelas dezenas de trabalhos expostos, senti que ela realmente cria em estado de transe (como no vídeo em que a vi pintando com gestos tensos e intensos). E foi o que me tocou nos quadros: seu traço visceral, o negrume borrado dos rostos ganhando cores luminosas, o sexo exposto, desafiador. As figuras, frontais, sem medo de exibir as muitas faces da fome de ser. E vi densidade política nos movimentos sinuosos daqueles corpos, o feminino orgulhoso de si. As três esculturas também me impressionaram: são pequeninas mas parecem grandes, como se armazenassem forças muito poderosas,  concentradas e condensadas quase ao ponto de explodir. Que grande artista Angelita é. Me comoveu.

SEXTA – Ainda com flashs das telas de Angelita vagalumeando em minha mente, peguei o metrô (onde escrevi o texto acima) e fui até a estação Guilhermina. Lá, no supertransado e bem decorado Espaço Eclipse (rua Astorga, 621), pude curtir algumas interessantes releituras da obra de Caetano feitas pela cantora Miryan Lopez (acompanhada pela viola de Leandro de Abreu e pela percussão de Carolyne). Claro que, em se tratando de Caê, sempre tem alguém que vai pedir ‘mais um’ no final. E pediram. Mais um e mais um e mais um… Quando a gente ouve Caetano, parece que não quer parar.

SÁBADO – Foi uma alegria poder organizar e depois curtir o Show da Maria de sábado passado: rocks, blues e a presença de muitos amigos. A banda InRollando Stones, do vocalista Francisco Fanca, fez a festa com os clássicos de Mick & Keith. O trio Jecas Blues, com o guitarrista e vocalista Dari Luzio acompanhado pelo baterista Rod e o baixista Montagner tocou um afiado repertório autoral, além de alguns covers. Veja mais fotos tiradas pelo fotógrafo oficial dos saraus, Roberto Candido.

DOMINGO – Fui ao Teatro João Caetano (à rua Borges Lagoa, 650) assistir à impactante peça Barulho D’água, montagem da Companhia Nova de Teatro para o texto do dramaturgo italiano Marco Martinelli, sobre o drama de milhares de refugiados que tentam atravessar o mar Mediterrâneo em embarcações precárias. Os textos são longos, mas densos e tocantes. As imagens projetadas evidenciam a crueldade dos governos que se omitem e são cúmplices das mortes. Os atores (Alexandre Rodrigues, Fransérgio Araújo, Amaury Filho de Reis e Rosa Freitas) têm desempenhos de gestos contidos (proposta da Cia), o que potencializa a porrada que o texto nos dá. O espetáculo, em cartaz de sexta a domingo, é um alerta contra governantes fascistas e a desumanidade que marca suas ações.

DOMINGO –  Após ver a peça, saí correndo  e ainda cheguei na Nossa Casinha (à rua Mourato Coelho, 1044) a tempo de ouvir os dois últimos sets da grande cantora Lu Vitti interpretando canções das divas do jazz e do blues acompanhada pelo tecladista Adão Rosa Monteiro. Postei em minha página no Face alguns registros toscos, de celular, que fiz em meio ao barulho do bar. Mas já dá pra ter uma ideia da emoção que Lu transmite (leia mais). Após ouvi-la cantar ‘Georgia On My Mind‘, escrevi o texto abaixo:

Georgiaaaa… oh, Georgiaaaa…” … quem diria… uma canção assim tão linda… mas já tão conhecida… assimilada… tantas vezes deglutida ao longo dos anos… em meio às dores tantas de desamores tontos… de noites tortas, de coisas doidas e doídas, no estupor da fome que explodia sem fim… não era pra eu me emocionar assim… muito menos, chorar… não… não era pra eu me sentir menino sozinho de novo… não era pra eu, esse homem velho e à prova de balas, me arrepiar, me desmanchar, me sentir apenas e tão somente esse ser humano vulnerável que sou… não era pra eu sentir tudo isso… mas acontece, amigo, que era uma diva quem estava cantando… era Lu, toda blue, era ela… indo no agudo até o talo… no groove rouco… indo na contramão do conforto… indo lá, naquele lugar escondido, nos confins da ilusão… na zona proibida… onde o amor intima: ‘é aqui’, a casa eterna sem chegada nem partida… onde a gente desperta pra verdade da vida… nem que seja apenas enquanto dure a porrada metafórica de um blues… de um quatro por quatro manjado repetindo seu mantra… ou de um rock rasgado desengasgando algum nó da garganta… meio acalanto, meio pranto, meio grito… quando abri os olhos, chovia chovia chovia chovia… em volta de mim, havia um arco-íris bonito: era a voz luminosa de Lu Vitti ali comigo.

TERÇA – Convidado pelo grande violeiro Betto Ponciano, tive o prazer de cantar uma de minhas canções em seu show no belíssimo espaço Atelier Travessia (à rua Minas Gerais, 201). Betto me acompanhou tocando gaita, mostrou suas composições e ponteou solos de rock na moda de viola. O  evento contou ainda com os pocket-shows de John Mueller e de Arnoh e teve o lançamento do videoclipe da música ‘Os Dois Cardiologistas’, de Caio Bars. O projeto Travessia Musical é um encontro mensal organizado pelo multiartista Ca Cau, que também se apresentou. Foi prazeroso acompanhar a diversidade dos estilos e as qualidades de cada artista, cada um na sua praia. O Brasilzão de verdade tem muitos rostos, cores e culturas que não estão representados na mídia. Vamos mudar isso?

 

… … …

ARNALDO AFONSO FAZ SHOW
COM MÚSICAS DE CARTOLA

… … …

Nas minhas andanças por aí já tenho me apresentado com um visual que remete ao dos sambistas cariocas dos anos 50: calça larga, sapato de bico fino, camiseta de listras horizontais e chapéu claro. O figurino é para melhor ambientar as minhas interpretações das canções de Angenor de Oliveira, o popular Cartola, um dos maiores compositores brasileiros de todos os tempos (apesar da caracterização, não interpreto o músico: faço o papel de um cantor que o admira e narra sua história). Há alguns anos escrevi a peça “Mestre Cartola: Vida e Obra em Verde e Rosa“, que agora adaptei para um espetáculo musical de uma hora (com cenário simples e prático), onde canto dez canções e conto algumas curiosidades sobre ele. Em 2020, ano em que completamos quatro décadas sem o Mestre, pretendo levar suas melodias a todas as Casas de Cultura da cidade, bem como aos Ceus, Bibliotecas, Sescs, escolas e centros culturais. Para divulgar meu projeto e preparar o espírito dos interessados, estou postando aqui a série em capítulos com a íntegra do texto e todas as músicas citadas na minha peça. Acompanhe:

MESTRE CARTOLA: VIDA E OBRA EM VERDE E ROSA
(Um musical de Arnaldo Afonso – Capítulo 4)

CENÁRIO: Fundo branco, com tiras finas de pano verde e rosa, enroladas como serpentinas, caindo do teto ao chão, como cortina. Fila de músicos sentados, com seus instrumentos e microfones. À frente deles, um microfone central diante de uma mesa com duas cadeiras. Numa delas, um violão encostado. Sobre a mesa, um jornal, uma garrafa de bebida, dois copos. Um maço de cigarros, uma caixa de fósforos, um cinzeiro, um bloco de anotações e uma caneta. Ao lado da mesa, suspensa no teto por dois fios móveis, a moldura de uma janela com flores sobre o batente.

CENA 6 >>> Em 1935 participei de um concurso realizado por um jornal carioca. Os leitores deveriam votar no melhor compositor por meio de um cupom impresso no jornal. Sabe quantos votos eu recebí? Dois… Um foi o meu. O outro, eu soube depois, foi do meu amigo Noel Rosa. No entanto, dois anos depois, com as músicas “Sei Chorar” e “Partiu“, uma das preferidas do maestro Heitor Villa Lobos, ganhei a medalha de ouro num outro concurso. (cantarola um trecho de ‘Partiu‘, batucando na mesa…) …

“Partiu… E não me disse mais nada… Já ia distanciada… Quando ela parou… E acenou com a mão… Desapareceu… Estou certo que esse amor morreu”… (Ele para de cantar e volta a falar…)

Eu fui percebendo que as minhas letras em parceria com Carlos Cachaça era melhores que as que fazia sozinho… e que eu precisava aprimorar a letra das minhas músicas. Passei a ler poemas e romances: Castro Alves, Gonçalves Dias, Olavo Bilac e um pouco de Camões. A partir de 1941, passei por uma série de reveses na minha vida e na carreira. De 41 a 47 só a Portela ganhava os desfiles… Pra completar, em 1946, aos 38 anos, fui acometido de meningite. Deolinda cuidou de mim, mas quando eu me curei, ela sofreu um ataque cardíaco e morreu. Abalado com sua morte, eu compus um samba: (cantarola um trecho de “Sim“) … “Sim… deve haver o perdão… para mim… senão nem sei qual será… o meu fim… para ter uma companheira, até promessas fiz… consegui um grande amor, mas eu não fui feliz… (para de cantar e volta a falar)… Mas triste e derrotado, sem minha mulher, resolvi dar um tempo. E sumi.

(Ouve-se um sax tocando “Preciso me Encontrar” de Candeia. Cartola vai saindo do palco devagar, cantando baixinho.) “Deixe-me ir… Preciso andar… Vou por aí a procurar… Rir pra não chorar…”… (Quando ele sai, o sax para). Banda toca “O Mundo é um Moinho

CENA 7 >>> Nesse período triste, achei melhor me afastar do morro da Mangueira. Me envolvi com uma mulher chamada Donária e fui morar com ela em Nilópolis e Caxias. Eu sofri bastante, mas depois que o nosso relacionamento chegou ao fim, ainda lembrei dela na canção “Tive, Sim“, que fiz pra Zica…

(Cartola canta a música uma vez, sem repetir, acompanhado pelo violonista da banda…) … “Tive, sim… Outro grande amor antes do teu… Tive, sim… O que ela sonhava eram os meus sonhos e assim… Íamos vivendo em paz… Nosso lar, em nosso lar sempre houve alegria… Eu vivia tão contente… Como contente ao teu lado estou… Tive, sim… Mas comparar com o teu amor seria o fim… Eu vou calar… Pois não pretendo amor te magoar”…. (Cartola faz um ar de lamento e volta a falar.) … Durante a época do sumiço, teve gente que pensou que eu tinha morrido. Fizeram até samba que dizia “No tempo do saudoso Cartola”… rsrsrs…. Enquanto isso, eu trabalhava de vigia de edifícios… e lavava onze carros por noite… E foi assim, lavando um carro, com o macacão molhado, que fui reconhecido pelo jornalista Sergio Porto, o Stanislaw Ponte Preta, que me ajudou, me arrumou um empreguinho melhor e tratou de divulgar no meio musical que eu estava vivo. Isso rendeu apresentações em rádios e casas noturnas, e matérias em revistas e jornais. Assim, eu estava de volta ao mundo do samba.

Banda toca “Sala de Recepção“: “Habitada por gente simples e tão pobre / Que só tem o sol que a todos cobre / Como podes, Mangueira, cantar? … ”

(Na semana que vem, posto o quinto capítulo da peça)

 

… … …

MARIELLE PRESENTE!

… … …

No dia 14 de março de 2018 a vereadora, de 37 anos, foi assassinada no bairro da Lapa, no Rio. Ela era relatora da Comissão dos Direitos Humanos que acompanhava a intervenção militar no RJ. Havia feito denúncia contra abusos policiais e após voltar de um evento com jovens negras, foi baleada. Anderson Gomes, motorista do carro em que ela estava, também foi executado. Desde então, protestos contra o bárbaro crime se repetem em várias cidades brasileiras. Marielle lutava por justiça, inclusão e igualdade de direitos. Defendia as causas que todos nós, artistas e coletivos dos saraus, também defendemos. Este blog continua aguardando o esclarecimento do caso e a punição dos assassinos e mandantes. As balas que a mataram atingem a todos nós. Não podemos nos calar. Até quando vou ficar semanalmente repetindo esse texto aqui? Será que vai ficar assim? Por que a resposta não vem? Quem matou (e quem mandou matar) Marielle?

Já faz mais de um ano e meio que eu repito esse texto. E vou continuar repetindo enquanto este blog existir. É meu compromisso em defesa da democracia e da liberdade, ambas ameaçadas pela impunidade de assassinos ou pela omissão das autoridades. Durante todo esse tempo, repito esse texto que eu já sabia que ia repetir. Se temos dois suspeitos presos (a quem ninguém entrevistou, confrontou, nem perguntou os motivos) ainda falta saber quem mandou matar Marielle. Um ano e meio depois, Marielle continua sendo baleada, morrendo todas as noites e renascendo a cada manhã. Porque pessoas íntegras como ela não morrem jamais. Se eternizam e viram exemplo de luta. Nós, brasileiros democratas, estamos aqui, de braços dados com Marielle, esperando que a justiça seja feita. Os assassinos talvez tenham a proteção momentânea de organizações ou de eventuais autoridades fascistas. E podem ameaçar Freixo, Marcia Tiburi e Jean Wyllis, ou mirar e atirar em nossas altivas cabeças. E até nos matar, um a um (‘matar uns 30 mil’, como disse o atual presidente durante sua campanha, sem ser punido nem ter sua candidatura impugnada). Só não poderão evitar que Marielle renasça mais forte, todos os dias, no corpo e na mente de cada menina guerreira da cidade do Rio de Janeiro. Marielle presente.

 

… … …

AGENDÃO

… … …

Aqui as sugestões de programação para esta semana. Acompanhe também as opções contidas na página da Agenda da Periferia. Informe-se, inconforme-se, atue e divirta-se!

… … …

RÁDIO BRASIL ATUAL >>> A rádio que dá a notícia que as outras não dão e toca as músicas que as outras não tocam está em campanha de financiamento.Para saber mais e colaborar, acesse o link. Neste momento de retrocessos políticos, sindicais e culturais, sabemos bem o quanto é imprescindível ter uma emissora que faça frente ao discurso fascista do governo e das poderosas redes que o apoiam

… … …

I PRÊMIO “SUBURBANO CONVICTO” >>> Suburbano Convicto é sarau, livraria e editora administrados pelo produtor cultural e poeta Alessandro Buzo. Este guerreiro das artes periféricas criou agora (com apoio do coletivoPoetas do Tietê) um prêmio para valorizar os artistas e coletivos que fazem a vida cultural das quebradas da cidade. Desde 1 de setembro estão abertas as votações para o ‘I Prêmio Suburbano Convicto‘, com 15 indicados em cada uma de suas dez categorias. A votação é dividida em três fases e vai até novembro. A entrega do Prêmio será no dia 11 de dezembro, no Centro Cultural Olido. Para conhecer os indicados e votar, clique aqui.

… … …

TODOS OS DIAS DE NOVEMBRO … À mesa negra III … Inspirada no dia da Consciência Negra, em Carolina Maria de Jesus e no pouco que se conhece de autoria literária negra, a terceira edição do evento organizado por Catia Luciana Pereira oferece um banquete virtual diário: todos os dias de novembro, ao meio dia, um texto de um autor negro, nacional ou internacional, da poesia, prosa ou teatro. Acesse a página ‘Letras Catitas’, no Facebook

… … …

QUINTA A DOMINGO – 14 a 17 de novembro – das 10h às 20h … Revelando SP 2019 … No Parque da Água Branca. Evento anual de arte, artesanato e gastronomia celebra a cultura popular e tradicional do estado de São Paulo. Veja a programação e saiba mais aqui

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 14h … Slam Interescolar SP 2019. Projeto do Slam da Guilhermina ministra oficina nas escolas e promove competição poética entre elas. No CCJ – Centro Cultural da Juventude, à avenida Deputado Emílio Carlos, 3641, na Vila Nova Cachoeirinha

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 18h … Lançamento do disco Avisos Luminosos, da Associação Livre Invisível. Na Casa de Cultura Chico Science, à rua Abagiba, 20

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 19h … Experimentos de autopublicação: tentativa, erro e poesia. Leituras, lançamento de publicações e bate-papo com os autores do coletivo O Ateliê, integrado por Ana Rüsche (velho amigo, quando chegar a hora), Álvaro Vieira (Descaminho), Andrea Moraes (Olhos de Gato Pardo), Andrea B. Azevedo (Seios n’água), Anna Clara de Vitto (Meada), Katia Marchese (Por favor, diga meu nome) e Mariana Correia Santos (Espaços Íntimos). Na Casa das Rosas

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 19h30 … Dog, Guedes e Luiz Cláudio de Santos no Quintal da Véia. Na rua Júlio Conceição, 263, em Santos

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 19h30 … Trem Doido … Banda formada por Victor Polo (guitarra), Eddy Andrade (baixo fretless) e Fernando Junqueira (bateria) lança cd e convida cantores da cena campineira. No Pavão Cultural, à rua Maria Tereza Dias da Silva, 708, em Campinas

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 19h30 … Radiocaos – Os Doze Trabalhos de Hércules. Transmissão do programa tem entrada franca. Com lançamento dos livros ‘Amplo Espectro’ (de Roberto Prado), ‘Poemas de Amor Ainda’ (de Thadeu Wojciechowski), ‘A Caverna dos Destinos Cruzados’ (de Monica Berger e Sergio Viralobos), Reynaldo (de Renato Quege) e ‘O Livro das Coisas Menores’ (de Antonio Cescatto). No Ave Lola Espaço de Criação, à rua Marechal Deodoro, 1227, em Curitiba

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 20h … Sarau Encontro de Expressões, no Manjericanto. Apresentado pelo músico Cale Narman, sarau tem palco aberto e o lançamento do livro ‘Açougues da Civilização’, de Arnaldo Antonio Marques Filho, e do cd de Chris Gomes. No Manjericanto, à rua Voluntários da Pátria, 3558

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 20h … Sobrenome Liberdade #99 – Sarau com palco aberto e convidados: Maria Vilani lança o livro, “Abcesso”, e MMoneis faz pocket-show com músicas do ep “AM:PM”. No Relicário Rock Bar, à rua Manoel de Lima, 178

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 20h … Muvarú, novo trio de música instrumental do saxofonista Dharma Samu se apresenta no Estúdio Toca do Disco, à rua Grecco, 629, na ZL

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 20h … João Perreka e os Alambiques … Participação de Samuel Samuca. No Sesc Guarulhos

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 20h … Giba Ribeiro toca o melhor da mpb no Carauari Bar e Mercearia, à praça Carauari, 8, na Vila Maria

… … …

QUINTA A SÁBADO – Até 30 de novembro – 20h (sábado às 18h) … O Livro das Maravilhas – Espetáculo de dança da Cozinha Performática. Com Isabelle Delmondes, José Artur Campos, Marcos Moraes, Natalia Barros, Renato Vasconcellos e Biba Rigo. Na Oficina Cultural Oswald de Andrade

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 20h30 … Memórias do Brasil Pela Sanfona – Com Edu Guimarães. No Sesc Campinas

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 21h … Show e festa com Chico de Vital (que aniversaria). Participação de Hélio Braz, Ciro Pinheiro e amigos. No Espaço Bossa Zen, à rua José Antonio Coelho, 583, na Vila Mariana

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 21h … Buarque-se … Roberto Biela (voz e percussão) e Rogério Silva (voz e violão) cantam clássicos de Chico. No Al Janiah, à rua Rui Barbosa, 269, no Bixiga

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 21h … Bailão do Santo … Rafael Schwantes apresenta o single “Sonho ruim”. Depois, bailão com sons dançantes e autorais de artistas da região, além do rap de Ice Dee & DJ Cuco. No O Quinto, à av. Pinheiro Machado, 51, em Santos

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 22h … Baile Espacial … Com Teco Martins, Sala Espacial e Abacaxepa. No Jai Club, à rua Vergueiro, 2676, na Vila Mariana

… … …

QUINTA – 14 de novembro – 22h … Quintal do Mau … Músico Mau Sant’anna toca repertório mpb toda quinta-feira no Bar do Julinho, à rua Mourato Coelho, 585

… … …

SEXTA – 15 de novembro – 16h às 23h … Samba da Luz – Brasil a República do Samba: batuques da Portela, refrões do Fundo de Quintal, de letras de Martinho da Vila, Jovelina Pérola Negra e Beth Carvalho. Na rua Mauá, 512

… … …

SEXTA – 15 de novembro – 21h … Max Gonzaga … Cantor e compositor do Clube Caiubi se apresenta no Ecla e Toca do Saci, à rua Abolição, 244

… … …

SEXTA A DOMINGO – 15 a 17 de novembro – sexta e sábado, às 21h – domingo, às 19h … Barulho D’água … Montagem da Companhia Nova de Teatro para o texto do dramaturgo italiano Marco Martinelli. Peça narra o drama de milhares de refugiados que tentam atravessar o mar Mediterrâneo em embarcações precárias. Com Alexandre Rodrigues (o Buscapé, do filme ‘Cidade de Deus’), Fransérgio Araújo, Amaury Filho de Reis e Rosa Freitas. Direção de Carina Casuscelli. No Teatro João Caetano, à rua Borges Lagoa, 650

… … …

SEXTA – 15 de novembro – 23h … Saco de Ratos no The Wall Café … Banda do cantor (e dramaturgo) Mario Bortolotto tem Fabio Brum nas guitarras, Fabio Pagotto no baixo e Rick Ricardo Vecchione na bateria. Na rua Treze de Maio, 152, no Bixiga

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 14h … Thi Barbosa apresenta mpb, rock e reggae no Carauaribar, à praça Carauari, 8, na Vila Maria

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 16h … CAPSArtes: Roda de Poesia recebe a poeta Jessica Angelin Doula, fundadora do Sarau das Mina e a Coletiva Sarau das Mina. No Centro de Arte e Promoção Social, à rua Jeriquituba

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 17h … Conversa de Mulher. Encontro convida mulheres para debaterem o dia a dia feminino. Editora FiloCzar, à rua Durval Guerra de Azevêdo, 511

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 17h30 … Matuto Moderno … Com seis álbuns lançados, banda pioneira em fundir música de viola com outros gêneros se apresenta no Revelando SP, no Parque da Água Branca

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 18h … Carol Panesi e Grupo – Lançamento do cd “Em Expansão”. Com Carol Panesi (violino, fluguel e piano), Guegué Medeiros (bateria), Jackson Silva (contrabaixo) e Fábio Leal (guitarra). No Sesc Guarulhos, à rua Guilherme Lino dos Santos, 1200

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 18h … CAPSArtes: Roda Cantante sobre ‘História e Música Brasileira na década de 2000 até o Contemporâneo’, com mediação de Maria Vilani e Rafael Freitas. Interpretando as canções, Érika Malavazzi e Marcos Manoel. No Centro Cultural Grajaú, à rua Professor Oscar Barreto Filho, 252

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 19h … Wander B. – Multiartista comemora 18 anos de carreira no Presidenta Bar, à rua Augusta, 335

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 19h … Santo Veneno … Banda apresenta músicas de seus quatro cds. No Rock and Blues Bar e Adega, à av. Marari, 466

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 19h … A Mulher na Canção – Pesquisa conta a história de 19 compositoras brasileiras. Com a cantora e violonista Denise Mello e o violonista Victor Mendes. Na rua Padre Marchetti, 237, no Ipiranga

… … …

SÁBADO E DOMINGO – 16 e 17 de novembro – 19h … Bailei na Curva – Retrato do Brasil dos anos 60 , 70 e 80, a peça conduz à reflexão de como tempos de repressão são capazes de mudar planos, sonhos e amores. Com a Oficina de Atores, no Teatro Maria Della Costa, à rua Paim, 72

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 20h … Experiência Dylan … Música, literatura e teatro juntos, em uma imersão na obra do compositor que influenciou gerações. Na Fundação Cultural Cassiano Ricardo, à Avenida Olivo Gomes, 100 em São José dos Campos

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 21h … Os Filhos da Noite. Com texto de Ernesto Hypólito e Jeson Dotti, a peça é baseada em conto sobre vampiro, de Lord Byron. No elenco, Anette Naiman, Jeson Dotti e Leandro Rossini. No Teatro da Garagem, à rua Silveira Rodrigues, 331a

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 21h30 … Samuca e a Selva. Lançamento em vinil de “Tudo que Move é Sagrado”, que celebra a poesia de Ronaldo Bastos. Participações de Criolo, Luedji Luna, Liniker, Siba, Filipe Catto e Lenna Bahule, entre outros. No Sesc Pompeia, à rua Clélia, 93

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 22h … Yma … Cantora apresenta seu primeiro disco, ‘Par de Olhos’. Participação de Laura Lavieri e Matheus Who. Na Audio Rebel, à rua Visconde de Silva, 55, em Botafogo, no Rio de Janeiro

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 22h … Mirianês Zabot canta Gonzaguinha acompanhada por Oswaldo Bosbah. Participação de Márcio Celli. No Cabaret da Cecília, à rua Fortunato, 35

… … …

SÁBADO – 16 de novembro – 23h … Issoo, duo formado por Tin Oliveira e Tatiana Lucky, se apresenta no Presidenta – Bar e Espaço Cultural, à rua Augusta, 335

… … …

DOMINGO – 17 de novembro – 9h às 19h … X Feira Anarquista de São Paulo … Debates e troca de publicações editoriais, jornais, revistas, fanzines e outros materiais, com atividades culturais ao longo do dia. No Centro Cultural Tendal da Lapa, à rua Guaicurus, 1100. Acesse e saiba mais (https://feiranarquistasp.wordpress.com)

… … …

DOMINGO – 17 de novembro – 12h às 20h … IV Negralizando a Vila Guilherme. Homenagem a Zumbi, Dandara e aos que lutam contra o preconeceito racial e pela igualdade de direitos. Com apresentações da Cia de Dança do Projeto Negralizando, Samba Negras em Marcha e Gumboot Dance Brasil, entre outros grupos. Na Casa de Cultura Vila Guilherme – Casarão, à praça Oscar Silva

… … …

DOMINGO – 17 de novembro – 14h às 22h … Jardim das Delícias – Festa à beira da piscina com os djs Fred Lima, Odara Kadiegi e Mauricio Bade. Na Casa Híbrida, à avenida Doutor Arnaldo, 1620

… … …

DOMINGO – 17 de novembro – 14h … Ato em solidariedade ao povo boliviano. Coletivo de artistas latinoamericanos radicados no Brasil) participa de evento que ‘condena ação golpista e antidemocrática’. Em frente ao Masp, na av. Paulista

… … …

DOMINGO – 17 de novembro – 16h às 23h … Roda de Choro e Samba com o Grupo Espalha Rama. Na Casa Matahari Mariposa, à rua Silva Bueno, 729

… … …

DOMINGO – 17 de novembro – 17h … As lutas da Palestina à América Latina – cinema, musica e debate … Exibição do filme “Jordão” (17h), Debate com Baha Hilo e Gian Spina (18h) e apresentação musical de Mayombe Afro Latino (20h). Entrada: 1 Kg de alimento não perecível. No Al Janiah, à rua Rui Barbosa, 269

… … …

DOMINGO – 17 de novembro – 17h … Alceu Valença faz show acompanhado por 20 músicos da Orquestra Ouro Preto. No Parque Ibirapuera Conservação, à av. República do Líbano, 331

… … …

DOMINGO – 17 de novembro – 18h … Roda de Samba do Gê de Lima – Lançamento do videoclipe ‘Samba Dos Outros’. Com djs e vários artistas convidados. No Centro Cultural Rio Verde, à rua Belmiro Braga, 119

… … …

SEGUNDA – 18 de novembro – 19h … Café Teatral – Lançamento da publicação Buraco D’Oráculo 20 Anos: da (r)existência na rua à poesia em cena: um relato cenopoetico. Na Ocupação Cultural Mateus Santos, à Avenida Paranaguá, 1633

… … …

SEGUNDA – 18 de novembro – 20h … Cine Cuba exibe ‘O nome das coisas’, sobre a vida e a obra de Sophia de Mello Breyner Andresen, poeta portuguesa que enfrentou a ditadura de Salazar. Na Associação Cultural José Marti da Baixada Santista, à rua Joaquim Távora, 217, em Santos

… … …

TERÇA – 19 de novembro – 17h30 … Arte, Cultura e Brasil: Entre desmontes e resistências … Debate sobre produção cultural em tempos de censura, racismo, discriminação de gênero. No Salão Nobre da sede da EAESP-FGV, à rua Itapeva, 432, 4º andar. Na mesa, Tom Zé, Zé Celso, Alexandre Youssef, Érika Bodstein (diretora de teatro, cineasta e professora da USP) e Anna Butler (produtora cultural)

… … …

TERÇA – 19 de novembro – 18h … Happy Hour com dj Simoníssima, no Festival Mix Brasil. No Mirante 9 de Julho

… … …

TERÇA – 19 de novembro – 18h30 … Show com as Bandas A Casa e Na Moral (pop rock). No Santa Sede Rock Bar, à Avenida Luís Dumont Villares, 2104

… … …

TERÇA – 19 de novembro – 19h … Lançamento do livro de crônicas Vida a Granel (histórias de supermercado), de César Magalhães Borges. Bate-papo com o autor e mediação de Fabiano Fernandes Garcez. Na Tapera Taperá, à av. São Luis, 187, 2º andar, loja 29, na Galeria Metrópole

… … …

TERÇA – 19 de novembro – 19h30 … Cinecubo IAB … Toda terceira terça-feira do mês com exibição de filmes e debates. Nesta edição, ‘Para’í’, de Vinicius Toro. Na rua Bento Freitas, 306, 1º andar

… … …

TERÇA – 19 de novembro – 20h … Double Boss Blues se apresenta no Bar do Frango à av. São Lucas, 479

… … …

TERÇA – 19 de novembro – 20h … As Mina Tudo – 19a Edição. Sarau de música e poesia feito por mulheres. No JazzB, à rua General Jardim, 43

.. … …

TERÇA E QUARTA – 19 e 20 de novembro – 20h … Expressões Sonoras da Zona Sul … Dois dias de apresentação de artistas de saraus e coletivos que circulam pelos bares, praças e quebradas da região. Entrada franca. No Teatro Leopoldo Fróes, à av. João Dias, 822, em Santo Amaro. Na programação:
Terça >>> Banda Nada Definitivo, Rock Máxima Culpa, Dan Silva (com Alemão), Maga Lieri e Salloma Salomão & Banda Al-Andaluz.
Quarta >>> Grupo BerimBando, Grupo Fé, K-Roço – Nono – Daniel Fagundes, Vidal França (com Luiz Carlos Bahia) e Grupo Macaia

… … …

TERÇA – 19 de novembro – 20h30 … Show e Sarau de Aniversário – com o músico Ricardo de Deus (parabéns!). Microfone aberto. Na rua Nove de Julho, 585, em Suzano

… … …

TERÇA – 19 de novembro – 21h … Festa de lançamento do videoclipe Sentinelas, da banda Xaxado Novo. No Boteco Casa da Sogra, à rua Mourato Coelho, 1329

… … …

TERÇA – 19 de novembro – 22h … Happy Hour com Cale Narman tocando rock, blues e folk no aniversário do Márcio Codepê (parabéns!). No Carauari Bar e Mercearia, à praça Carauari, 8, na Vila Maria

… … …

QUARTA – 20 de novembro – das 10h às 21h … Soul Brasil PQ Sou Afro … Shows com Fagner Karú, Sempalla, Baque Livre e outros grupos. Com debates, exposições e sorteio de tatuagens, camisetas e piercings. No Bar da Rua, à rua Iquiririm, 399

… … …

QUARTA – 20 de novembro – 17h … Conversa na Merça – Expressão de Liberdade … Bate-papo com os escritores Xico Sá (Big Jato), Paulo Scott (Marrom e Amarelo), da escritora Ana Maria Gonçalves (Um defeito de cor) e do ator Silvero Pereira (BR Trans e Bacurau). Mediação de Marcelino Freire. Na rua Rodésia, 34

… … …

QUARTA – 20 de novembro – 17h … Dandaras … Selo da editora Feminas voltado para as autoras negras, comemora o Dia da Consciência Negra com roda de conversa com Ingrid Morandian, que acaba de lançar “Se você me amasse, teria fechado os olhos” (pela Patuá), Catita, que lançou “Morada” (pela Feminas) e a poeta Zainne Lima. Depois, sarau com a participação do coletivo Flores de Baobá. Na Patuscada, à rua Luís Murat, 40

… … …

QUARTA – 20 de novembro – 18h … Encontro de Batalhas – Edição Especial – Dia da Consciência Negra … com os convidados Batalha Da Atlântica, Batalha da Matrix, Batalha da Aldeia e Grajaú Rap City. No Sesc Santo André, à rua Tamarutaca, 302

… … …

QUARTA – 20 de novembro – 19h … Saco De Ratos – no Cemitério de Automóveis … Show da banda de rock e blues formada por Mario Bortolotto (vocal), Fábio Brum (guitarra), Fábio Pagotto (baixo) e Rick Vecchione (bateria). Contribuição voluntária. Na rua Frei Caneca, 384

… … …

QUARTA – 20 de novembro – 19h … Virada Livre ao vivo (na Ação Educativa e no Facebook). Sarau e entrevista. Com o poeta Cláudio Laureatti, o músico Zé Lima e o entrevistado Glauco Mattoso lendo seus poemas. Na rua General Jardim, 660

… … …

QUARTA – 20 de novembro – 19h … Quartas Autorais – Evento realizado pelo Movimento Santo de Casa na Tekoá Cervejaria, na av. Almirante Cochrane, 88, em Santos

… … …

QUARTA – 20 de novembro – 20h … Quarteto Estúrdio, formado por Élida Marques (voz), Wagner Dias (violão), Fernando Machado (violão) e Eduardo Contrera (percussão) apresenta repertório autoral inspirado na obra de Guimarães Rosa. No Quin to Pecado, à rua Coronel Artur de Godoi, 12, na Vila Mariana

… … …
QUARTA – 20 de novembro – 21h30 … Batucada Tamarindo convida Ana Cacimba e Lenna Bahule. Com Aimê Uehara (contrabaixo, viola e voz) e Mauricio Bade, Abuhl Júnior, Alysson Bruno, Mestre Nico e Ilker Ezaki (percussão e voz). Na Casa de Francisca, à rua Quintino Bocaiúva, 22

… … …

ATÉ 23 DE NOVEMBRO … Exposição Botânica de Ju Violeta. Na A7MA Galeria, à rua Harmonia, 95

… … …

ATÉ 31 DE NOVEMBRO … Exposição Bruno Maron – “Máquinas de guerra”. Vernissage com a presença do artista. Na 9 Arte Galeria, à rua Augusta, 1371. De terça a sábado

… … …

ATÉ 8 DE DEZEMBRO … Exposição – Do Eu ao Nós Profundo … A artista plástica Angelita Cardoso expõe 45 obras, entre desenhos, aquarelas e monotipias. De segunda a sábado, das 17h30 às 21h30, na Casa Clara, à rua Alves Guimarães, 838

… … …

ATÉ 11 DE JANEIRO – de terça a domingo – das 10h às 18h … Exposição ‘Tempero da Carne’, do artista visual Julio Leão, no Museu da Diversidade Sexual, na Estação República do Metrô. Entrada franca

… … …

ATÉ 19 DE JANEIRO … Exposição William Blake: Portas da Imaginação – Com material raro (e inédito no Brasil) sobre o poeta, ilustrador, tipógrafo e gravador inglês que influenciou os surrealistas e os beats, entre outros artistas. Na Casa das Rosas, à av. Paulista, 37. De terça a sábado, das 10 às 22h, domingos e feriados, das 10h às 18h

.. … …

SÁBADO – 23 de novembro – a partir das 20h … Shows de Chêro da Poesia e Arnaldo Afonso (participação de Betto Ponciano) … No Rock and Blues Bar, fica na av. Marari, 466. No post da semana que vem dou mais detalhes

… … …

AGENDÃO >>> Fique ligado, pois o agendão é diariamente atualizado. E toda quinta-feira tem post novo. Até lá!

… … …