Sarau, luau e o escambau

Sarau, luau e o escambau

Produção artística que vive à margem da indústria cultural

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Tem Cartola no meu niver, Stones no Show da Maria, expo de Angelita Cardoso e livro de Marcia Barbieri

Por Arnaldo Afonso

   

Nesta semana cheia de eventos legais, destaquei: na quinta, o sarau do meu niver, claro (na Carauari); na sexta, a expo da Angelita Cardoso e a peça Barulho D’água; no sábado, o Show da Maria (com InRollando Stones e Jecas Blues), a Festa du Gainsbarre (no Estúdio Lâmina) e o lançamento de ‘A Casa das Aranhas’ (livro de Marcia Barbieri); no domingo, o sarau em memória do cantor e compositor Raberuan (na Casa Amarela); na terça, os pocket-shows de Betto Ponciano e John Mueller (no Atelier Travessia) e na quarta o show do Toca do Autor (no Bar Brahma). Confira também a programação do agendão. Lá ainda tem muito mais…

QUINTA – 7 de novembro – 20h … Sarau e aniversário do Arnaldo Afonso. Sim, amigos: este blogueiro velho aniversaria e convida a todos para uma noite de música, poesia, abraços e tin-tins! Claro que eu vou cantar umas duas ou três canções do meu espetáculo sobre o Cartola. E vai ter palco aberto: é só chegar e participar. Veeeenhaaaa! No Carauaribar e Mercearia, à praça Carauari, 8, na Vila Maria

Arnaldo Afonso >>> Escritor e jornalista, publica semanalmente no portal do Estadão o blog ‘Sarau, Luau e o Escambau‘, abordando os movimentos artísticos que (sobre)vivem à margem da indústria cultural. É cantor, compositor e poeta. Paralelamente à sua carreira solo, em que apresenta pops e rocks autorais, mantém uma dupla com a cantora Helen Torres (foto acima), interpretando músicas passionais em meio a performances teatrais. Sempre morou na Vila Maria onde atua em grupos de arte e política desde os anos 80. Atualmente é um dos organizadores do ‘Sarau da Maria‘ e do ‘Show da Maria“, eventos mensais que abrem espaço para os artistas da região. Siga no Facebook ‘Arnaldo Afonso Poeta e Músico‘ e acompanhe também a página do Sarau da Maria. Em 2020, o artista vai apresentar o show ‘Mestre Cartola: Vida e Obra em Verde e Rosa

 

… … …

ARNALDO AFONSO E SEU SHOW
COM MÚSICAS DE CARTOLA

… … …

Nas minhas andanças por aí já tenho me apresentado com um visual que remete ao dos sambistas cariocas dos anos 50: calça larga, sapato de bico fino, camiseta de listras horizontais e chapéu claro. O figurino é para melhor ambientar as minhas interpretações das canções de Angenor de Oliveira, o popular Cartola, um dos maiores compositores brasileiros de todos os tempos (apesar da caracterização, não interpreto o músico: faço o papel de um cantor que o admira e narra sua história). Há alguns anos escrevi a peça “Mestre Cartola: Vida e Obra em Verde e Rosa“, que agora adaptei para um espetáculo musical de uma hora (com cenário simples e prático), onde canto dez canções e conto algumas curiosidades sobre ele. Em 2020, ano em que completamos quatro décadas sem o Mestre, pretendo levar suas melodias a todas as Casas de Cultura da cidade, bem como aos Ceus, Bibliotecas, Sescs, escolas e centros culturais. Para divulgar meu projeto e preparar o espírito dos interessados, continuo postando aqui a série em capítulos com a íntegra do texto e todas as músicas citadas na minha peça. Acompanhe:

MESTRE CARTOLA: VIDA E OBRA EM VERDE E ROSA
(Um musical de Arnaldo Afonso – Capítulo 3)

CENÁRIO: Fundo branco, com tiras finas de pano verde e rosa, enroladas como serpentinas, caindo do teto ao chão, como cortina. Fila de músicos sentados, com seus instrumentos e microfones. À frente deles, um microfone central diante de uma mesa com duas cadeiras. Numa delas, um violão encostado. Sobre a mesa, um jornal, uma garrafa de bebida, dois copos. Um maço de cigarros, uma caixa de fósforos, um cinzeiro, um bloco de anotações e uma caneta. Ao lado da mesa, suspensa no teto por dois fios móveis, a moldura de uma janela com flores sobre o batente.

CENA 4 >>> (Cartola batuca na mesa e canta, meio displiscentemente um trecho do samba “Não faz, amor“, dele e de Noel Rosa … “Não faz, amor, deixa-me dormir… Oh, minha flor, tenha dó de mim.. Sonhei, acordei assustado… Receoso que tivesses me enganado… Eu não durmo sossegado…”)

Esse samba é do Noel Rosa… mas eu dei uns pitacos… a gente fazia muito isso… um sempre colaborava no samba do outro… Nossa amizade, que no começo, era só líquida… (faz gesto de quem tá bebendo) … acabou virando também sonora (faz gesto de quem tá tocando violão…) …. A Deolinda cansou de ir nos bares buscar eu e o Noel totalmente embriagados… A gente bebia demais… esquecia a hora de voltar pra casa… e esquecia os sambas que fazia também… Muito samba meu se perdeu… Um dia, na minha casa, o meu grande amigo Nelson Sargento cantou um samba lindo… quando eu elogiei e perguntei se era dele, ele abriu aquele sorriso quase sem dentes e falou: “esse samba é teu, Cartola!… e eu sei mais uns dez que você fez nas noitadas de samba e já nem se lembra mais… se me der parceria, eu te canto agora mesmo todos eles…”… Rsrsrsrs…. (Cartola ri…)… No começo, o samba de morro tinha uma parte só… Foi com o Noel, que trouxe umas informações do samba da cidade, que eu comecei a fazer segunda parte… Certa vez, o Nelson Cavaquinho me mostrou um samba dele… bonito… e me pediu: “Cartola, você coloca a segunda parte pra mim?” …. “Tá bom, coloco”… e eu coloquei… fizemos o samba chamado “Devias ser condenada“…

(Cartola cantarola um trecho… ) … “Devias ser condenada ou crucificada… Pois juraste falso… Beijaste a cruz do Senhor… E disseste que me tinha amor…. Quando eu ouço as badaladas… Do sino daquela igrejinha… Julgo-me ainda feliz e que és toda minha”
Um mês depois, me aparece um sujeito num bar, cantando esse samba e dizendo que era dele… Eu falei que não, que esse samba eu tinha feito há algumas semanas atrás, com o Nelson Cavaquinho… Aí o cara me diz: “Ah, mas agora é meu… eu comprei do Nelson!”… (Cartola dá um tempo… leva as mãos ao ar… faz ar de estupefação e lamento…)… Eu fiquei fulo da vida e procurei o Nelson… “Rapaz, como é que vc vende o nosso samba?”… e o Nelson respondeu tranquilamente: “Cartola… sabe como é… eu tava duro… mas eu vendi só a minha parte… agora tu vai lá e defende a tua!” … (Cartola ri… rsrsrs…)

Banda toca “Minha

CENA 5 >>> Quando fiz 18 anos, já era considerado o melhor pedreiro do morro. Mas eu não era muito chegado ao trabalho. Ficava nas esquinas, bebendo… tocando violão… fazendo samba… até que eu fiquei tão bom de samba que fiz até uma ‘escola de samba’… Porque, em 1928, eu que já tinha meu bloco, fui um dos sete fundadores da Estação Primeira de Mangueira. Resolvi chamar assim, porque era a primeira estação de trem, a partir da Central do Brasil, onde havia samba. E o primeiro samba que eu compus foi “Chega de demanda“, uma espécie de proposta para que os blocos do morro da Mangueira se unissem em uma agremiação maior. (cantarola o refrão, acompanhado só pela percussão…) …

“Chega de demanda… Chega!… Com este time temos que ganhar… Somos da Estação Primeira… Salve o Morro de Mangueira…”… (Cartola volta a falar…)

Sabe que quando eu comecei, o samba era visto como coisa de malandro… marginal… Mas, em 1931, muito branco rico subiu o morro pra comprar samba meu… Mário Reis, Francisco Alves… A música “Infeliz sorte” foi a primeira que eu vendi: 300 mil réis… Mas eu não era bobo: vendia só os direitos, não a autoria… Meu nome sempre tava lá: “Divina dama”, compositor: Cartola. (Ele se apruma como quem está num baile, tirando a moça pra dançar, e cantarola um trecho de ‘Divina dama‘ acompanhado apenas pelo cavaquinho…)

“Tudo acabado… E o baile encerrado… Atordoado fiquei… Eu dancei com você… Divina dama… Com o coração… Queimando em chama… Quando eu vi… Que a festa estava encerrada… E não restava mais nada… De felicidade… Vinguei-me nas cordas… Da lira de um trovador… Condenando o teu amor… Divina Dama…”
(Cartola para de cantar, acende um cigarro e se senta pra tomar uma pinga.)

Banda toca “Acontece

(Na semana que vem, posto o quarto capítulo da peça. Nesta quinta-feira, dia 7, cantarei algumas canções de Cartola no sarau na Carauari, onde também comemoro meu niver. Você está convidado. Veeenhaaa!)

 

… … …

DESTAQUES DA SEMANA

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 20h … XXI Show da Maria … A banda InRollando Stones, do vocalista Francisco Fanca, faz a festa cantando os clássicos de Mick & Keith, além de sucessos de outras bandas dos anos 60 e 70. Na abertura, show do trio Jecas Blues, com o guitarrista e vocalista Dari Luzio acompanhado por Rod e Montagner. No Clube Vila Maria. Sobre Fanca e Dari, escrevi:

Fanca >>> Era 1980 e eu estava no festival do Colégio Paulo Egydio, na Vila Maria. Alguns amigos que hoje fazem o Sarau da Maria acontecer, também estavam por lá (cheios de espinhas no rosto). Eu, Oswaldo e Marici participávamos da banda do cantor baiano Edigar Mão Branca (de quem já falei aqui). Nós ganhamos o festival, ficamos felizes, bebemos pra chuchu e fizemos muitos amigos. Mas eu soube, décadas depois, que nesse mesmo dia, já poderia ter conhecido uma grande figura, de altíssimo astral e coração imenso, que só vim a conhecer em 1996, quando fui trabalhar no Estadão. Seu nome é Francisco Fanca e nossa velha e grande amizade poderia ter começado em 1980. Ele estava lá, nesse mesmo festival. Tocava num grupo chamado Sombra do Vento, cujo poético nome nunca esqueci. Hoje ele é o Mick Jagger do Limão, carinhoso apelido que ganhou, desde que realizou o sonho juvenil de montar uma banda e tocar os grandes rocks dos Stones. Não sei se é do rock, se é da alegria de cantar e fazer amigos ou se é da pureza da alma que ele tem. Mas o Fanca está cada vez mais jovem. Tenho a impressão de que, qualquer dia desses, vou encontrar com ele, ainda adolescente, num certo festival dos anos 80. Aí nós vamos ficar amigos antes do tempo, sorrir, fumar um, falar dos Stones e contar nossos planos de virar superstar. É amigo, véio… Acho que você já chegou lá. Neste findi, o Fanca vai comandar a festa e arrepiar a galera do Show da Maria. É o nosso Mick, vestindo sua fantasia e sendo quem ele quiser. E Fanque-se quem puder!

Dari Luzio >>> Valmir Piccinato era um garoto da periferia do Jardim Brasil. Mais um que, como eu, amava os Beatles, os Rolling Stones e o Pessoal do Ceará. De família interiorana, também era fã de modas de viola e duplas sertanejas (aquelas, da antiga). Não por acaso, participou do ‘Chero da Poesia’, lendária banda da Vila Maria, que faz um bem vocalizado rock rural. Quando dosou cada porção de seus múltiplos gostos, transformou-se em Dari Luzio, um personagem nascido de seu talento inventivo. Dari era um trovador solitário em meio ao caos das buzinas paulistanas, cuspindo versos na paisagem cinza. Inquieto, fez disco independente, shows, batalhou e depois caiu fora. Após duas décadas morando em Londres, eis que nosso heroi à casa torna. E retorna cheio de dedos, como naquele chorinho, mas com a alma calejada de riffs de blues. E é com sua guitarra áspera lustrando as panelas da cozinha luxuosa do batera Rod Munhoz e do baixista Wagner Montagner, que se forma o Jeca’s Blues. Esse som maneiro que eles fazem hoje é composto de ousadas misturas apreendidas e aprendidas nos palcos da vida. Há um histórico de muitas lutas e viagens nessas levadas que lavam a alma. Vai lá ver o Jecas debulhando o blues.

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – das 23h às 5h … Festa du Gainsbarre … Evento que celebra a obra do cantor e compositor Serge Gainsbourg (na foto acima, com Jane Birkin) comemora dois anos e recria a atmosfera sedutora da boemia parisiense. Festa organizada pelo produtor e músico MariÔ Onofre (na foto abaixo) acontece em dois andares e se espalha por três ambientes de um dos prédios mais charmosos da cidade (em frente ao Edifício Martinelli e ana esquina do prédio dos Correios). Nesta edição, com Martha Galdos (Peru), BlastFemme (Rio), Jacksons 2 e Alline Resende, além das performances de Alice da Ligth e das peças da Urania Loja. O Estúdio Lâmina fica na av. São João, 108. Estive numa edição da festa, em agosto, e escrevi:

Estúdio Lâmina >>> Finalmente fui ao local que promove periodicamente saraus, lançamento de livros e eventos variados, como essa divertida festa La Nuit du Gainsbarre, que celebra a obra do cantor e compositor francês Serge Gainsbourg. Num ambiente agradável (janelas abertas para a bela arquitetura do centro velho) e decorado com obras de arte, rolaram shows, expo, djs e performances com artistas nacionais e internacionais. Quer saber? Dancei, cantei e saí de lá felizão da vida: foi muito gostoso estar ali, no centrão de éssepê, bem ao lado de onde o escritor Oswald de Andrade promovia saraus literários e recebia suas namoradas (uma das razões dos organizadores escolherem o local). Para afastar a caretice e o fascismo da era bolsonária, o Brasil precisa muito dessa gente louca e sonhadora que frequenta o Estúdio Lâmina. Alegria é a prova dos 9. Viva Gainsbourg, viva Oswald!

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 20h … Exposição – Do Eu ao Nós Profundo … A artista plástica Angelita Cardoso expõe 45 obras, entre desenhos, aquarelas e monotipias. Até 8 de dezembro na Casa Clara, à rua Alves Guimarães, 838. Admiro o trabalho da artista desde que vi sua exposição ‘O Feminino Infinito’, no Teatro Garagem, em 2017. Assim ela se define: “é no ato do fazer que eu Sou, e por isso produzo em um estado de transe, convulsão, histeria. O resultado é quase sempre um milagre, transmutação, desdobramento. As imagens São. Vivas! E, num infinito devir, falam por si”

… … …

SEXTA A DOMINGO – 8 a 10 de novembro – sexta e sábado, às 21h – domingo, às 19h … Barulho D’água … Montagem da Companhia Nova de Teatro para o texto do dramaturgo italiano Marco Martinelli. Peça narra o drama de milhares de refugiados que tentam atravessar o mar Mediterrâneo em embarcações precárias. Com Alexandre Rodrigues (o Buscapé, do filme ‘Cidade de Deus’), Fransérgio Araújo, Amaury Filho de Reis e Rosa Freitas. Direção de Carina Casuscelli. No Teatro João Caetano, à rua Borges Lagoa, 650. Também nos dias 15, 16 e 17 de novembro. Após assistir ao espetáculo em agosto, comentei:

Barulho D’Água >>> Assisti emocionado à montagem da Cia Nova de Teatro sobre o drama dos refugiados. Quase um monólogo, os textos são longos, mas densos e tocantes. As imagens projetadas evidenciam a crueldade dos governos que se omitem e são cúmplices das mortes. Os atores têm desempenhos sóbrios e contidos (proposta da Cia), o que, por si só, potencializa a porrada que o texto nos dá. O espetáculo é um alerta contra governantes fascistas e a desumanidade que marca suas ações (ou, o que é às vezes pior, a ausência delas). Da Cia, também assisti ao ótimo espetáculo ‘A Cripta de Poe’. Vai lá que essa tchurma é da pesada.

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 19h … Lançamento de “A Casa das Aranhas”, romance de Márcia Barbieri, que encerra a trilogia do corpo, iniciada com ‘A Puta’ e continuada por ‘O Enterro do Lobo Branco’. No evento, exposição das ilustrações feitas para o livro pelo artista plástico Ivan Sitta. No Eugênia Café Bar, à rua Cônego Eugênio Leite, 953, em Pinheiros. Sobre a autora, escrevi:

Márcia Barbieri >>> Enquanto lia ‘A Puta’ fiquei totalmente envolvido pelo estilo visceral e arrebatador de Márcia. Sua prosa repleta de intensos versos certeiros ou deliberadamente controversos, de achados poéticos sujos e sublimes, de segredos ancestrais boiando explícitos, purulentos, carcomidos, na corrente sanguínea de suas palavras carnívoras. Suas imagens nascem a fórceps: vêm das entranhas raivosas do primeiro desejo humano, de seu gemido, do balbucio do último bicho, do delírio quase consciente do artista pioneiro. Da intersecção dos muitos mundos vividos, sentidos, pensados. Na linha torta da existência, ela crava seu verbo forte e fundo. A escrita da Márcia morde. Marca. Minha alma ainda está em carne viva. Ela nos tira da ilusão confortável que inventamos pra sofrer pouco. Nossas dorezinhas lights, refrigeradas, a falsa paz nossa de cada dia. Aguça nossos mal dissimulados conflitos e faz balançar as paredes das certezas aparentes, de nossas casas frágeis. Nos confronta com inseguranças várias e embutidas. Cria mundos em erosão (ou evidencia o que não queríamos admitir?) e nos abandona lá (ou de há muito somos sós?). Suas criaturas são carentes e nem sabem exatamente de quê. E são autossuficientes por dever. Porque não há válvula de escape, paraíso pra onde ir. Vivem porque têm fome. Corpos em decomposição agonizam de prazer e putrefação. Fazem sexo por fazer, por lazer e distração, por poder e obrigação. Há movimentos contínuos e repetitivos. Não há possibilidade de fuga. Há vício e luta pelo pão do espírito. Há o inferno cotidiano que nos acompanha, carrasco íntimo, que se não nos mata, obriga a reagir.

… … …

DOMINGO – 10 de novembro – das 15h às 21h … 81º Sarau da Casa Amarela / Raberuan vive, viva Raberuan … Organizado por Akira Yamasaki (auxiliado por Luka Magalhães e Escobar Franelas), o sarau, todo mês de novembro, homenageia o cantor e compositor Raberuan (falecido precocemente). Nesta edição, além do palco aberto, tem a presença de seis poetas maranhenses (clique no cartaz) e do moçambicano Pedro Pereira Lopes. A Casa Amarela fica na rua Julião Pereira Machado, 7, em São Miguel Paulista

… … …

TERÇA – 12 de novembro – 19h30 … Travessia Musical … Encontro mensal organizado pelo multiartista Ca Cau (que também faz pocket-show) traz o som do violeiro Betto Ponciano, do cantor e compositor catarinense John Mueller e da banda Arnoh. Lançamento do videoclipe da música ‘Os Dois Cardiologistas’, de Caio Bars. Na rua Minas Gerais, 201

… … …

QUARTA – 13 de novembro – 21h … Show do Toca do Autor: 3 anos … Trincheira de resistência da música autoral paulistana, o sarau organizado e apresentado pelo músico e produtor cultural Alexandre Tarica comemora seu terceiro aniversário com show de Cristina Pini, Rei Salles, Wellington de Faria e do próprio Tarica. No Bar Brahma, à av. São João, 677 (reservas antecipadas pelo zap: 9.7970-2118)

 

… … …

O SARAU DO CRB, O CLIPE DO
MALHARO E O CD DO JOHN 

… … …

SÁBADO – Foi com muito prazer que aceitei o convite para ir a Guarulhos cantar no sarau do Curso de Realidade Brasileira, atividade de formação de quadros políticos promovida pela Consulta Popular, MST e ENFF (Escola Nacional Florestan Fernandes) com apoio do Sindicato dos Bancários (que sediou o encontro), da Frente Brasil Popular e de movimentos sociais. No evento, após a cerimônia de formatura e os discursos, rolaram as apresentações dos artistas: Eder Lima & Ligia Regina, Mad Rodrigues & banda, Zulu de Arrebatá, Gilberto Braz, Sidney Kitagawa e Arnaldo Afonso (este blogueiro que vos fala). Claro que no final tudo acabou em festa, com o pessoal do curso cantando sambas de resistência junto com a gente. Afinal, o fascismo esta aí e a gente tem que resistir, né? Parabéns aos formandos. E vamos à luta!

… … …

CLIPE NOVO >>> De vez em quando o cantor e compositor carioca Douglas Malharo aparece pelos saraus paulistanos. Já se apresentou no Bodega do Brasil, no Sopa de Letrinhas, no Clube Caiubi (onde o conheci) e no  Sarau da Maria, claro. O artista já lançou os cds ‘Um pulo sonoro… além do anonimato’, ‘Se eu fosse você… prestava mais atenção em mim’ e ‘Os maiores sucessos… do famoso Quem“. Nesta semana ele lançou um videoclipe superlegal da música ‘Blue’ (produção da ZemMusic). Curte aí…

… … …

O CD DO JOHN MUELLER >>> Na semana passada, no sarau do Tato Fischer, conheci o talentoso cantor e compositor catarinense John Mueller. Seu belo cd ‘Na Linha Torta’ (disponível nas plataformas digitais) tem direção musical de Jorge Helder e participações muito especiais do compositor e violonista, Guinga; do pianista, Cristovão Bastos; das cantoras Ana Paula da Silva e Fabi Félix e do acordeonista Bruno Moritz.
Show >>> O músico se apresenta em São Paulo neste sábado, dia 9 de novembro, às 19h30, na Casa Fuerte, à rua Tito, 1469, na Lapa.

 

… … …

ARTISTAS VÃO AO STF
DEFENDER A LIBERDADE

… … …

Vários artistas foram à audiência pública promovida pelo Supremo Tribunal Federal ‘para ouvir a sociedade’ a respeito do decreto do governo que alterou a estrutura do Conselho Superior do Cinema. O STF analisa a ‘Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 614’ (da Rede), que vê tentativa de esvaziamento e censura no Decreto 9.919, de 18 de julho, que transferiu o Conselho do Ministério da Cidadania para a Secretaria da Casa Civil e reduziu o número de membros do colegiado.

Sim, Cármen Lúcia falou o óbvio, mas falou: “Há uma Constituição democrática em vigor, e é responsabilidade de todos impedir que a liberdade seja de novo restringida, cerceada ou cassada. Censura não se debate, censura se combate”, disse ela. Numa democracia, era de se supor que isso estivesse garantido e que os infratores fossem imediatamente punidos, né ministra? Talvez a liberdade não estivesse em xeque hoje se o deputado Bolsonaro tivesse sido sumariamente cassado por defender um torturador no plenário da Câmara. Pra dizer o mínimo, falta indignação e atitude ao STF e aos articulistas da grande mídia, tão intransigentes na execração pública e na condenação dos dois presidentes anteriores (não por coincidência, ambos do PT – ou ‘da esquerda’, a quem prefere vestir camisa nesse Fla x Flu). Já que tanto os jornalistas quanto os nobres ministros relutam, eu, este humilde blogueiro desimportante, vou chamar pelo nome esse patrulhamento ideológico antiminorias que o atual (des)governo desenvolve: é fascismo o nome disso. Repito: fascismo. Sob as balelas de combater o fantasma de um suposto ‘marxismo cultural’ os retrógrados de plantão vão censurando as reinvindicações dos movimentos da sociedade organizada: negros, mulheres, gays, artistas, ambientalistas e todo o tipo de militantes das causas humanistas e da luta por igualdade de direitos são tachados de ‘comunistas’ e afastados de seus cargos ou censurados. Seja vestindo toga ou escrevendo em colunas de jornais, esse é o Brasil fascista que vários ‘formadores de opinião’ ajudaram a construir (ou melhor, ‘destruir’) nos últimos anos. Não sinto neles, hoje, a mesma voracidade condenatória de 3 ou 4 anos atrás. Sim, eles também têm muita culpa e responsabilidade pelo fascismo que sofremos sob a égide idiotizante desse (des)governo Bolsonaro. Pelo que leio na net e nos jornais, pelo que ouço na tevê e no rádio, não existe vontade política nem senso crítico suficiente para chamar pelo verdadeiro nome essas perseguições fascistas que têm acontecido no Brasil. Lamentavelmente, se não as criticam, se tornam todos cúmplices delas.

Palmas para Caetano Veloso, Caio Blat, Dira Paes, Gregório Duvivier e todos os artistas que se deram ao trabalho de ir à Brasília defender o óbvio: a liberdade e a democracia, ameaçadas por esse (des)governo que chegou ao poder através delas e as ataca. O secretário do Audiovisual da Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania (nome pomposo, né?), Ricardo Fadel Rihan, negou que haja ‘cerceamento da liberdade de expressão’. Qua, qua, qua, qua, qua… Aquele pato fascista da avenida Paulista tá sumido, né? Onde quer que esteja escondido, deve estar rindo muito. Da nossa cara de democratas otários, claro.

 

… … …

MARIELLE PRESENTE!

… … …

No dia 14 de março de 2018 a vereadora, de 37 anos, foi assassinada no bairro da Lapa, no Rio. Ela era relatora da Comissão dos Direitos Humanos que acompanhava a intervenção militar no RJ. Havia feito denúncia contra abusos policiais e após voltar de um evento com jovens negras, foi baleada. Anderson Gomes, motorista do carro em que ela estava, também foi executado. Desde então, protestos contra o bárbaro crime se repetem em várias cidades brasileiras. Marielle lutava por justiça, inclusão e igualdade de direitos. Defendia as causas que todos nós, artistas e coletivos dos saraus, também defendemos. Este blog continua aguardando o esclarecimento do caso e a punição dos assassinos e mandantes. As balas que a mataram atingem a todos nós. Não podemos nos calar. Até quando vou ficar semanalmente repetindo esse texto aqui? Será que vai ficar assim? Por que a resposta não vem? Quem matou (e quem mandou matar) Marielle?

Já faz mais de um ano e meio que eu repito esse texto. E vou continuar repetindo enquanto este blog existir. É meu compromisso em defesa da democracia e da liberdade, ambas ameaçadas pela impunidade de assassinos ou pela omissão das autoridades. Durante todo esse tempo, repito esse texto que eu já sabia que ia repetir. Se temos dois suspeitos presos (a quem ninguém entrevistou, confrontou, nem perguntou os motivos) ainda falta saber quem mandou matar Marielle. Um ano e meio depois, Marielle continua sendo baleada, morrendo todas as noites e renascendo a cada manhã. Porque pessoas íntegras como ela não morrem jamais. Se eternizam e viram exemplo de luta. Nós, brasileiros democratas, estamos aqui, de braços dados com Marielle, esperando que a justiça seja feita. Os assassinos talvez tenham a proteção momentânea de organizações ou de eventuais autoridades fascistas. E podem ameaçar Freixo, Marcia Tiburi e Jean Wyllis, ou mirar e atirar em nossas altivas cabeças. E até nos matar, um a um (‘matar uns 30 mil’, como disse o atual presidente durante sua campanha, sem ser punido nem ter sua candidatura impugnada). Só não poderão evitar que Marielle renasça mais forte, todos os dias, no corpo e na mente de cada menina guerreira da cidade do Rio de Janeiro. Marielle presente.

 

… … …

AGENDÃO

… … …

Aqui as sugestões de programação para esta semana. Acompanhe também as opções contidas na página da Agenda da Periferia. Informe-se, inconforme-se, atue e divirta-se!

… … …

RÁDIO BRASIL ATUAL >>> A rádio que dá a notícia que as outras não dão e toca as músicas que as outras não tocam está em campanha de financiamento.Para saber mais e colaborar, acesse o link. Neste momento de retrocessos políticos, sindicais e culturais, sabemos bem o quanto é imprescindível ter uma emissora que faça frente ao discurso fascista do governo e das poderosas redes que o apoiam

… … …

I PRÊMIO “SUBURBANO CONVICTO” >>> Suburbano Convicto é sarau, livraria e editora administrados pelo produtor cultural e poeta Alessandro Buzo. Este guerreiro das artes periféricas criou agora (com apoio do coletivoPoetas do Tietê) um prêmio para valorizar os artistas e coletivos que fazem a vida cultural das quebradas da cidade. Desde 1 de setembro estão abertas as votações para o ‘I Prêmio Suburbano Convicto‘, com 15 indicados em cada uma de suas dez categorias. A votação é dividida em três fases e vai até novembro. A entrega do Prêmio será no dia 11 de dezembro, no Centro Cultural Olido. Para conhecer os indicados e votar, clique aqui.

… … …

TODOS OS DIAS DE NOVEMBRO … À mesa negra III … Inspirada no dia da Consciência Negra, em Carolina Maria de Jesus e no pouco que se conhece de autoria literária negra, a terceira edição do evento organizado por Catia Luciana Pereira oferece um banquete virtual diário: todos os dias de novembro, ao meio dia, um texto de um autor negro, nacional ou internacional, da poesia, prosa ou teatro. Acesse a página ‘Letras Catitas’, no Facebook

QUINTA E SEXTA – 7 e 8 de novembro … Festival do Livro e da Literatura de São Miguel. Sob o tema “Identidade, Territórios e Expressão dos Povos”, com rodas de conversas, apresentações teatrais e musicais, saraus, conversas com autores consagrados e promissores. Clique aqui e saiba mais.  Na Fundação Tide Setubal, à rua Jeronimo da Veiga,164, 13º andar (horários variados a cada dia – consulte antes de ir)

… … …

QUINTA E SEXTA – 7 e 8 de novembro – das 11h às 16h … Martha Zimbarg – Exposição “Olhares em Traços e Telas”. No Cama e Café, à rua Roberto Simonsen, 79

… … …

QUINTA A SÁBADO – 7 a 9 de novembro … As Várias Faces de Darcy Ribeiro. Exposição homenageia o antropólogo, sociólogo, educador, escritor e político brasileiro que se destacou por suas ideias humanistas e pela defesa da causa indígena. No Memorial da América Latina

… … …

QUINTA – 7 de novembro – 18h … Exposição Bruno Maron – “Máquinas de guerra”. Vernissage com a presença do artista. Na 9 Arte Galeria, à rua Augusta, 1371. De terça a sábado, até 31 de novembro

… … …

QUINTA A SÁBADO – 7 a 9 de novembro – 19h … XXI FestCampos de Poesia Falada. No Liceu de Humanidades de Campos. Festival criado em 1999 pelo poeta, ator e produtor cultural Artur Gomes, é realizado pela Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima

… … …

QUINTA – 7 de novembro – 19h … Curta Suzano na Tela. Exibição de 3 filmes (Clausura, Singulto e Os Outros) e batepapo com Douglas Cordeiro (diretor de ‘Os Outros’) e Rodrigo Campos (produtor de ‘Clausura’). No Cine Teatro Wilma Bentivegna, à rua Paraná, 217, em Suzano

… … …

QUINTA E SEXTA – 7 e 8 de novembro – 19h … Show ‘Aprender a Morrer’ com Victor Rodrigues e Bratislava. Lançamento do ep e do quinto livro do poeta e performer. Com roda de conversa entre os artistas envolvidos. Mediação de Daniel Minchoni. No Sesc Guarulhos, à rua Guilherme Lino dos Santos, 1200

… … …

QUINTA – 7 de novembro – 20h … Blues Acústico com Leone da Gaita. Na rua do Hipódromo 1330, na Moóca

… … …

QUINTA A SÁBADO – Até 2 de novembro – 20h (sábado às 18h) … O Livro das Maravilhas – Espetáculo de dança da Cozinha Performática. Com Isabelle Delmondes, José Artur Campos, Marcos Moraes, Natalia Barros, Renato Vasconcellos e Biba Rigo. Na Oficina Cultural Oswald de Andrade

… … …

QUINTA – 7 de novembro – 20h … Jací Sambô – participação de Marisol Corteletti. Sambajazz na Quinta dos Infernos, à rua Coronel José Eusébio, 109

… … …

QUINTA – 7 de novembro – 21h … Jair Naves apresenta as músicas de ‘Rente’, seu terceiro cd. Na abertura, a banda Acachapa. No Z Largo da Batata, à av. Brigadeiro Faria Lima, 724

… … …

QUINTA – 7 de novembro – 21h … Zé Manoel convida Alaíde Costa. No CCSP, à rua Vergueiro, 1000

… … …

QUINTA – 7 de novembro – 22h … Quintal do Mau … Músico Mau Sant’anna toca repertório mpb toda quinta-feira no Bar do Julinho, à rua Mourato Coelho, 585

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 14h … Slam Interescolar Nacional. Com participantes de escolas de cinco estados. Na praça do Morumbizinho, (praça Fortunato da Silveira), na Vila Jacuí

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 18h … 14° Encontro de fãs do Uriah Heep – com Bruno Sutter & Máquina 70 fazendo tributo à banda. No Santa Sede, à av. Luís Dumont Villares, 2104

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 18h … Palhaços Sem Fronteiras – ‘Entre Pontes e Muros’. No Sesc Guarulhos

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 19h … O trompetista Guizado convida os músicos Phillip Somervell (teclado), Lello Bezerra (guitarra) e Richard Ribeiro (bateria) para uma noite instrumental de muita improvisação. Na Tectonica, à rua Ministro Ferreira Alves, 686

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 19h … Cineclube no Pará – Parceria entre a Torta e o Acervo Formiga promove exibição de curtas em Campinas. Na rua Duque de Caxias, 537

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 20h … Show de Loop B (música eletrônica brasileira + percussão em sucata) e das turmas do programa Vocacional Música. No Teatro Cacilda Becker, à rua Tito, 295

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 20h … Tom Peixoto e Laila Pas … Duo de voz e violão apresenta composições autorais. No Quinto Pecado Bistrô, à rua Coronel Artur de Godoi, 12, na Vila Mariana

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 20h … Pedro Pastoriz apresenta “Esse show é um Teste”. No Teatro Bruta Flor, à rua Augusta, 912

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 20h … Happy Hour com Luiza Ciglione no Carauaribar Bar e Mercearia, na Vila Maria

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 20h … Celso e Pedro Viáfora. No Bona, à rua Álvaro Anes, 43

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 20h … Banda Carcaju. No Pura, à rua Mourato Coelho, 1404

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 20h … Sarau Clamarte … Com os convidados Maria Vilani (lançando seu livro ‘Abscesso’) e Kbça MC (pocket-show), além do palco aberto e da exposição residente Metal-Morfose. À rua Prof. Otávio Guimarães, 393

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 20h30 … Rogerio Santos – A Palavra e o Poeta. No Espaço91 (reservas inbox)

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 20h30 … Pocket Show “Jordana e Banda issoo!”. No Espaço Redimunho, à rua Álvaro de Carvalho, 75

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 21h … Clássicos do Rock com Black Box. Banda é formada por Eduardo Osmedio (guitarra), Mauricio Silva (baixo), Rogerio Skruzdeliauskas (vocal), Fábio Batista (bateria) e Bruno S. Buga (guitarra e vocal). No repertório, Zeppelin, Purple, Stones, Cream, Clapton, Creedence, Beatles, Doors, Raul e Mutantes, entre outros. No Komb Bar ZL, à praça Miguel Ramos de Moura, 175

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 21h … Péricles Cavalcanti faz show de lançamento de ‘Clássicos Daora’, cd que tem participações de Gal e Gil. No Sesc Belenzinho

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 21h … Lu Vitti com Marina Dagher. No Garrafão Estúdio Bar, em Ribeirão Preto

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 22h … Ted Marengos ao vivo no Clandestino Estúdio, à rua Augusta, 2366

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 22h … Criatura, Uma Autópsia. Espetáculo solo de Bruna Longo. No Espaço Cia. da Revista, à al. Nothmann, 1135. Também nos dias 15 e 22 de novembro

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 22h … Miryan Lopez canta Caetano. No Eclipse: Espaço Cultural, Bar e Café, à rua Astorga, 621

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 22h … Banda Bolero Freak apresenta o Kabuloso Baile do Al Janiah, à rua Rui Barbosa, 269

… … …

SEXTA – 8 de novembro – 23h … Chico César apresenta seu novo disco “O amor é um ato revolucionário”. No Mundo Pensante, à rua 13 de Maio, 830

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – das 12h às 20h … Nerd Party 4° Edição. Na Biblioteca Municipal Prof. Max Zendron, à rua Rio Grande Do Sul, 234

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – das 12h às 21h … Sarau + Feira Sarath. Com produtos orgânicos e veganos, artesanato, terapia integrativa, música e poesia. No Instituto Sarath, à rua Humberto I, 146

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 18h … Café Teatral – Projeto do coletivo Buraco D’Oráculo promove bate-papo entre os poetas e ativistas culturais Akira Yamasaki e Rafael Carnevalli. Na Casa Amarela, à rua Julião Pereira Machado, 7, em São Miguel

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 18h … Sarau Bodega do Brasil … 126º do sarau organizado pelo cordelista Costa Senna com Cacá Lopes, Jubilo Jacobino e Carlos Buono. Com palco aberto para músicos, poetas e performers. Na Ação Educativa, à rua General Jardim

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 18h … As Despejadas – Um manifesto preto. Banda formada por mulheres de Guarulhos canta músicas de resistência. Na Escotilha (reservas inbox)

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 18h … Rafael Cirilo & A Raiz. Lançamento do disco ‘Só’. No Boutique Vintage Brechó Bar

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 18h30 … Sarau do Tempo Livre. Com pocket-show de Rica Soares. Participação de Teju Franco, Max Gonzaga e José Carlos Guerreiro. Na Adega e Restaurante Dona Carmen, à rua Dr. Bacelar, 649

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 19h … Lançamento de livro duplo de Ivan Carlos Regina. Na Patuscada, à rua Luiz Murat, 40

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 19h … Cine SPIO Orquestra sonoriza o filme ‘El Topo’, de Alejandro Jodorowsky. No Projeto Alberto Seabra 1128, à rua Japuanga, 38

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 19h … Sarau na Galeria – Festa de fim de ano com confraternização e palco aberto. No Casarão das Artes, à rua 27 de Outubro, 271, centro de Suzano

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 19h … Dharma Samu … Show do quarteto de música instrumental experimental liderado pelo saxofonista, compositor e produtor Dharma Samu, que aniversaria (parabéns!). No Dali Daqui Bar, à rua Conselheiro Brotero, 71, na Barra Funda

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 20h … Show Aquarela de Batons. Marcos Munrimbau apresenta show com repertório dedicado às mulheres. No Centro Cultural da Penha, no Largo do Rosário, 20

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 20h … Mutzka – no show ‘Ataque Surpresa’: rock, blues e mpb em versões acústicas. No Lê Rock Bar, na rua Chico Pontes, 1791, na Vila Maria

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 21h … Bandas Santo Veneno e Verdades Não Ditas se apresentam no Caveiras Rock Bar, à avenida do Contorno, 448

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 21h … Show – Terra da Saudade. Com Daniela Alcarpe, Tiê Alves e Rodolfo Coutinho. Saudade é o tema que une as canções. Na Casa Gramo, à rua Bento de Abreu, 223

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 21h … Show de lançamento do cd da Banda Tokakela. Participação da Banda Kolapso. No Carauari Bar e Mercearia, à praça Carauari, 8, na Vila Maria

… … …

SÁBADO – 9 de novembro – 21h30 … Show de Sebah de Assis. No Bar do Frango, à av. São Lucas, 479

… … …

DOMINGO – 10 de novembro – das 15h às 23h … Especial Divas do Jazz e do Blues na NossaCasinha, à rua Mourato Coelho, 1044, na Vila Madalena. Com Lu Vitti (voz) & Adão Rosa Monteiro (piano)

… … …

DOMINGO – 10 de novembro – das 16h à meia-noite … Samba da Chinela na Casa Matahari Mariposa, à rua Silva Bueno, 729

… … …

DOMINGO – 10 de novembro – das 16h às 20h … Lançamento do livro “Desejo de terra”, de Luís Perdiz. No evento, apresentações musicais de Gustavo Araujo, Felipe de Paula e Gabriel Edé. A obra conta também com apresentação de Jorge Mautner e prefácio do poeta e ensaísta Claudio Willer. Na Patuscada, à rua Luiz Murat, 40.

… … …

DOMINGO – 10 de novembro – 17h … Dandô Sampa – Victor Batista e Ricardo Dutra. Na Unibes Cultural, ao lado do metrô Sumaré

… … …

DOMINGO – 10 de novembro – 18h … Dani Mattos trio. No repertório, clássicos da canção francesa e norte-americana (e também da brasileira). No Mr. Baker Jardins, à rua Augusta, 2440

… … …

TERÇA – 12 de novembro … Leo Middea lança cd … Após apresentar recentemente o single ‘Bairro da Graça’, o cantor e compositor carioca lança nas plataformas digitais seu terceiro álbum de estúdio, ‘Vicentina’ (com 12 faixas produzidas por Paulo Novaes)

… … …

TERÇA – 12 de novembro – 14h … Mulheres, negras e artistas: Retratos de Brasil e Moçambique … Continuando o intercâmbio cultural, o Sarau das Pretas recebe a artista moçambicana Eliana Nzualo. Com participação de Eliana Nzualo, Débora Garcia Poetisa, Jô Freitas Poesia e mediação de Elizandra Souza. Na Biblioteca Adelpha Figueiredo, à praça Ilo Ottani, 146

… … …

TERÇA – 12 de novembro – 19h30 … Lá na Laje … Com Scholastique Mukasonga no Sesc Pompeia, à rua Clélia, 93. Após perder quase toda família no genocídio de Ruanda em 1994, a escritora Scholastique Mukasonga escreveu os livros “Baratas”, “Nossa Senhora do Nilo” e “A Mulher dos Pés Descalços”, como forma de manter viva a memória dos seus e a própria. Aos 63 anos, fala sobre as obras, o processo de escrita e como resistiu às perdas. Mediação da jornalista Jéssica Balbino

… … …

TERÇA – 12 de novembro – 21h … Terça em Cena … Quatro peças curtas encenadas no Teatro Cemitério de Automóveis pela Cia La Plongèe. Na rua Frei Caneca, 384

… … …

QUARTA A DOMINGO – 13 a 17 de novembro – das 10h às 20h … Revelando SP 2019 … No Parque da Água Branca. Evento anual de arte, artesanato e gastronomia celebra a cultura popular e tradicional do estado de São Paulo. Veja a programação e saiba mais aqui

… … …

QUARTA – 13 de novembro – das 10h às 22h … William Blake: Portas da Imaginação – Abertura de exposição com material raro (e inédito no Brasil) sobre o poeta, ilustrador, tipógrafo e gravador inglês que influenciou os surrealistas e os beats, entre outros artistas. Na Casa das Rosas, à av. Paulista, 37. Até 19 de janeiro, de terça a sábado, das 10 às 22h, domingos e feriados, das 10h às 18h

… … …

QUARTA – 13 de novembro – 19h30 … Gente de Palavra Convida: Rubens Jardim “(R)evoluções Poéticas” … Sarau homenageia o poeta e lança edição artesanal limitada da obra. Rubens fez parte do grupo de poetas paulistas dos anos 60 que criou o movimento “Catequese Poética”, levando a poesia às ruas sob o lema “O lugar do poeta é onde possa inquietar. O lugar da poesia são todos os lugares”. Na CirKula Editora, Livraria & Café, à av. Osvaldo Aranha, 522, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul

… … …

QUARTA – 13 de novembro – 19h30 … Regional do Seu Fagundes faz roda de chorinho no Tabuleiro do Acarajé, à rua Jesuíno Pascoal, 30, perto da estação Santa Cecília do metrô

… … …

QUARTA E QUINTA – 13 e 14 de novembro – 19h30 … Radiocaos – Os Doze Trabalhos de Hércules. Transmissão do programa tem entrada franca. Com lançamento dos livros ‘Amplo Espectro’ (de Roberto Prado), ‘Poemas de Amor Ainda’ (de Thadeu Wojciechowski), ‘A Caverna dos Destinos Cruzados’ (de Monica Berger e Sergio Viralobos), Reynaldo (de Renato Quege) e ‘O Livro das Coisas Menores’ (de Antonio Cescatto). No Ave Lola Espaço de Criação, à rua Marechal Deodoro, 1227, em Curitiba

… … …

QUARTA – 13 de novembro – 20h … Albano & Canuto na Tekoá Cervejaria. O duo é a atração da “Quarta Autoral”, promovida pelo Movimento Santo de Casa para incentivar os talentos da Baixada Santista. Na avenida Almirante Cochrane, 88, em Santos

… … …

QUARTA – 13 de novembro – 20h … Reggae Session Especial – Vaughn Benjamin. Discotecagem de Marcos Robson. Na Kas Tattoo, à avenida Papa Pio XII, 432, em Guarulhos

… … …

QUARTA – 13 de novembro – 20h30 … Sarau Achados & Perdidos … Com organização do poeta Benedito Bergamo e apresentação das poetas Amandy Gonzalez e Shirlene Holanda. Inscrições inbox. No intervalo, exibição de vídeos. No Teatro Heleny Guariba, à praça Roosevelt, 184

… … …

QUARTA – 13 de novembro – 21h30 … Joana Reais e Múcio Sá. No Al Janiah, à rua Rui Barbosa, 269

… … …

ATÉ 23 DE NOVEMBRO … Exposição Botânica de Ju Violeta. Na A7MA Galeria, à rua Harmonia, 95

… … …

ATÉ 30 DE NOVEMBRO – Prêmio Maraã de Poesia … Prêmio é uma iniciativa da Editora Reformatório (nesta edição, em parceria com a Patuá) que premia dois poetas brasileiros inéditos, dando a eles a oportunidade de publicação, a partir da leitura de crítica especializada (incluindo poetas experientes e membros da comunidade acadêmica). Poderão participar autores inéditos, sem livros publicados comercialmente. Os vencedores terão como prêmio suas obras publicadas e distribuídas comercialmente pelas editoras Reformatório e Patuá. Saiba mais e inscreva-se aqui

… … …

ATÉ 11 DE JANEIRO – de terça a domingo – das 10h às 18h … Exposição ‘Tempero da Carne’, do artista visual Julio Leão, no Museu da Diversidade Sexual, na Estação República do Metrô. Entrada franca

… … …

AGENDÃO >>> Fique ligado, pois o agendão é diariamente atualizado. E toda quinta-feira tem post novo. Até lá!

… … …