Eu não sei não, mas talvez seja melhor começar a me despedir. Porque, sabe como é, a gente nunca sabe o dia de amanhã. Mas tem vezes em que o amanhã parece tão esquisito, que a gente começa a tentar projetar, imaginar, e conclui que o inverno que se aproxima pode ser mais frio do que o de Game of Thrones.

 

Vocês sabem, essa coisa de ser mulher e ao mesmo tempo ter voz ativa não funciona bem em qualquer cenário não. Então, cara, não sei, mas talvez seja melhor eu dizer que foi um imenso prazer ter conhecido vocês, foi legal enquanto durou e que, no fundo, talvez eu soubesse que essa vida louca de poder falar tinha prazo de validade curto.

 

Não sei o que vai acontecer nesse domingo- e torço para que haja um outro domingo, no qual também não sei bem o que vai rolar. Mas a probabilidade de dar problema é grande. Espero que não, grito pro cosmo, peço a Deus, faço dança da chuva, promessa, oferenda. Mas lido com a hipótese. Tenho lua em capricórnio, no fundo sou uma pessoa realista.

 

Andei pensando. Talvez eu pudesse me dedicar às receitas de bolo. Ou de panquecas low carb para ser mais contemporânea. Talvez eu o caminho seja focar nos tutoriais de maquiagem em vez de falar sobre feminismo. Também poderia sugerir séries de abdominais em vez de sugerir a luta pelos direitos das minorias. Mas realmente não sei se tenho competência para isso. Peço desculpas por não ser tão completa.

 

Se esse inverno chegar, não tenho certeza acerca de como virá o meu silêncio. Congelamento das cordas vocais, dedos necrosados ou amputação de membros superiores. Não sei. Mas vou gritando até o final, podem ter certeza. Não vão ser gritos de socorro não, vão ser incessantes e incômodos gritos de protesto. Geminiana, né, falo muito mesmo.

 

Como disse Antônio Prata outro dia, se seu candidato for aquele, talvez seja melhor mudar de cronista. Porque a gente não vai durar muito não. Sendo otimista, não duraremos porque vai acabar essa tal de liberdade de imprensa. Sendo pessimista, não duraremos porque, segundo esse candidato, a ditadura de 64 matou pouco.

 

Não sei não. Enquanto isso eu vou trabalhando, cumprindo meus contratos, escrevendo minhas coisinhas e rezando pra Deus, Jesus ou um santo qualquer porque eu sei que eles estão todos do nosso lado. Mas, sabe como é, o sol é em gêmeos, a lua é em capricórnio, mas o ascendente é em câncer. Sou emotiva. Me apeguei a vocês ao longo desses anos, seria incapaz de ir embora sem me despedir aos poucos. Espero que seja alarme falso. Mas, na dúvida, a gente vai se precavendo.

 

@unsplash/steinarengeland