Não tem jeito: se você for mulher e disser que gosta de futebol, provavelmente pensarão:

“Bonitinha. Deve saber quem é o Neymar, o Ronaldo e o Rogério Ceni. Talvez já tenha ouvido falar no Valdívia. Deve saber a diferença entre pênalti e falta. Talvez saiba que o Boca Juniors é argentino. E pode até ter ido uma ou duas vezes ao estádio, acompanhando o pai ou namorado, claro”.

Pronto. Isso é o máximo de credibilidade que vão te dar.

Mas a gente não se deixa intimidar. Finge que não sabe que vai chocar a audiência e comenta na boa “até que o Criciúma segurou bem aquele 1 a 0 no primeiro tempo, mas não tem jeito, o time é fraco mesmo, tava na cara que o Cruzeiro ia virar até o final. E 3 a 1 acabou até saindo barato.”.

É nessas horas que as pessoas olham para a gente completamente pasmas. Como se tivéssemos discorrido de forma aleatória sobre física quântica ou epistemologia. Qualquer coisa que a gente diga que não seja do tipo “ai, mas o Pato é mesmo uma gracinha”, vai chocar quem ouve.

Experimente dizer que não quer ir ao cinema na sessão de domingo às 17hs porque tem jogo.

Experimente falar, numa quinta-feira, que vai ao estádio só com uma amiga, como eu fiz semana passada.

Experimente deixar a TV no VT de Flamengo e Chapecoense, enquanto pinta a unha do pé, e alguém entrar no seu quarto.

Experimente deixar alguém entrar no seu carro no fim da tarde e te flagrar ouvindo Papo de Craque, segunda edição.

Experimente, ao ver um gol bonito, brincar que esse aí devia ser lance Lukscolor.

Experimente mencionar, com alguma naturalidade, nomes como Dínamo de Kiev, Borussia Dortmund ou Gamba Osaka.

Experimente mencionar um jogo qualquer da Champions que aconteceu há uns 3 anos.

Experimente dizer que você ainda não se conforma que o Barcelona tenha comprado o Douglas por 4 milhões de euros.

Enfim. Experimente dizer o que qualquer Zé Mané pode dizer numa roda de amigos, mas, se for você, moça, só pode ser armação, decoreba ou golpe de sorte. Ninguém vai se conformar que você saiba quem está na final da Copa do Brasil, nas semi-finais da Sul-Americana e nas pontas da tabela do Brasileirão.

Ninguém está pronto para te ouvir falar de técnicos que superem o circuito Felipão-Dunga-Muricy-Mano Menezes. E nem precisa ousar muito. É só mencionar Ney Franco, Oswaldo de Oliveira, Cuca, Vagner Mancini, Abel Braga. Pronto, já é o caos, você é um alienígena.

E, para o senso comum, você tem direito a saber um- APENAS UM, e olhe lá- time por país estrangeiro. Basicamente: Barcelona, Benfica, PSG, Milan, Manchester (escolha um dos dois), Bayern de Munique e, como já mencionei, Boca Juniors.

Getafe? Rio Ave? Monaco? Fiorentina? Newcastle? Schalke 04? Estudiantes? Nananinanão. (e nem pense em ir além desse rol de países. Cerro Porteño, Colo Colo, Ajax, Olympiakos, Once Caldas, Pachuca. Neeeeeem pensar.)

E não esqueça que todos esperam que você só conheça jogadores de futebol que foram da seleção brasileira ou tenham namorado alguma famosa.  Basicamente, você deve evitar nomes como: Fernando Prass, Léo Moura, Réver, Guiñazu, Nei Paraíba, Keirrison, Edson Silva, Edu Dracena, Auro, Cléber Santana, Leandro Amaro, Negueba, Barcos, Aranha, Lincoln, Durval, Ferrugem.

Mas quando você já tiver comprovado saber o elenco do seu time de trás para frente, os campeões das últimas 3 libertadores, o nome do estádio do Guarani (esse é fofo e toda mulher teeeem que saber) e o currículo básico do Guardiola, SEMPRE vai ter um infeliz para dizer “ah, mas então explica o que é um impedimento!”.

Cara.

Isso é mais agressivo do que nos perguntar se sabemos se rímel é para passar nos cílios ou na sola do pé.

Sugiro a todas as mulheres que ouçam essa pergunta, que demonstrem fisicamente como acontece um impedimento para esse senhor, de preferência na beira da varanda ou da plataforma do metrô, sendo você um zagueiro e ele o jogador impedido. Pode ser?

E, claaaaaaro, essas mesmas pessoas dirão “essa mulher deve ter pesquisado horrores para escrever esse texto”. (assim como disseram com meu texto de estreia do blog (http://emais.estadao.com.br/blogs/ruth-manus/iniesta-copa-sneijder-der-certo/). Não vou negar: abri o google 3 vezes. Uma para saber se Oswaldo de Oliveira era com W ou com V, outra pra saber se o Bayern de Munique era Bayer ou Bayern, outra para pegar o link do texto acima.

Enfim. A mulher que gosta- e entende- de futebol sofre. Provavelmente as que entendem de carros também. Assim como os homens que cozinham ou entendem de moda. Tá na hora de tudo isso mudar, né galera?

*

*

*

Curta nossa página no facebook: https://www.facebook.com/blogruthmanus

Siga nosso perfil no instagram: @blogruthmanus