livros

arte: loro verz

» De todas as coisas nefastas que me deprimem pessoalmente, no microuniverso do meu umbigo, poucas superam as listas de livros mais vendidos.

Havia, eu ainda lembro, a esperança de que a geração criada no seio da revolução digital, acostumada a passar o dia lendo infinitas postagens em redes sociais e em seus celulares, habituada a dizer mais com a palavra escrita do que com a palavra falada, torneasse os músculos da literatura. Enfim, todos se tornariam leitores habilidosos. Machado de Assis levantaria da tumba, Guimarães Rosa caminharia entre nós. Atrás dos mestres viria uma legião de escritores contemporâneos, vivos, muito vivos, prontos para pensar o país e o mundo hoje.

As antenas do nosso tempo funcionariam em plena amperagem, sintonizadas à novíssima sociedade do conhecimento, que é uma sociedade de leitores.

Havia a esperança de que os músculos literários se desenvolvessem de simples postagens a algo mais complexo, como o atleta que já não se satisfaz com as margens estreitas da piscina e lentamente, obstinadamente, prepara a travessia do Atlântico. Havia ainda a expectativa de que dentre os milhões de produtores de postagens emergissem escritores de real talento.

A lista dos mais vendidos semanalmente escangalha minhas ilusões – e, hoje, quase tenho saudades do tempo em que era dominada por best sellers internacionais. Logo vieram os livros de colorir, e, agora, enfim a onda digital se traveste de literária. Os youtubers estão chegando.

Assim como o conteúdo na internet tomou a direção dos vídeos, as ambições literárias – ou dos literatos – mudaram também de curso, em parte, desmanchando-se no ar.

As listas de mais vendidos ilustram isso. Assim como os convites para lançamentos de livros em que escritores muito jovens e muito descolados, com cabelos cuidadosamente desalinhados, fazem caras e bocas. Na capa, invariavelmente, uma tarja anuncia: o sucesso da internet; XX milhões de visualizações no YouTube; Y milhões de fãs no Facebook.

É o novo “o livro que deu origem ao filme”. Mas pior. O “modelo-manequim-atriz” ganha a companhia do “ator-youtuber-escritor”. A arte vai se aviltando, pé ante pé. Não que deva cheirar a naftalina, não que queiramos prestar tributo aos mortos – é o oposto disso. Queremos mostrar que, apesar dos tentáculos suaves do marketing invadirem todos os espaços de nossas vidas, ela segue viva.

É preciso encarar a questão de frente, sem o relativismo confortável do tudo é permitido, do gosto não se discute.

As celebridades escrevem – em muitos casos, contratam redatores que escrevam por elas – para ganhar um pouco mais de dinheiro, e ponto. Talvez, pelo status que o título ainda detém, pelo glamour de lançar um livro. Não há um projeto literário, uma ambição estética, nem mesmo há, ali, uma dor.

Nada contra escritores ganharem dinheiro, acharia isso ótimo, se ainda possível no Brasil do século 21. Mas, francamente: enquanto as estantes são tomadas por personalidades da mídia, pelo último livro da Andressa Urach ou da Kéfera, pela última obra de colorir ou por biografias de adolescentes famosos, a literatura brasileira agoniza, entre uma e outra caipirinha no festival-literário-sem-leitores da vez. Perde o que lhe resta, se é que algo resta, de relevância.

E é disso que se trata, ao cabo: cultivar a relevância do livro.

Os amigos otimistas dizem que ler alguma coisa é melhor do que nada, e que o leitor de youtuber de hoje é o leitor de Borges de amanhã. Não é, desconfio.

E tremo. «

______________________________________________

Siga Males Crônicos no Facebook.

(Clique em “obter notificações” na página)

Atualizações todas as segundas-feiras.

Twitter: http://twitter.com/essenfelder

______________________________________________