adultos

arte: loro verz

Quando perguntei à minha filha o que significava ser adulto, ela sorriu. Pareceu curtir o desafio: uma brincadeira. Parou por um segundo, em plena avenida Paulista, deixando o picolé derreter silenciosamente sobre as mãos pequenas.

No sol está quente, mormente, quente demais.

– Ser adulto é ter mais liberdade. Você pode sair e tomar uma cerveja com os seus amigos, e eu, não. Mas é também ter mais responsabilidades. Como você está comigo, não pode tomar cerveja com os seus amigos. É estranho, ser adulto.

Satisfez-se com a própria argumentação. Depois, ao picolé.

Ao vencedor, os sorvetes.

A vida é cheia de estranhezas e contradições. Antes regra do que exceção, estão por toda a parte, em todas as idades. Na vida adulta, talvez a contradição maior seja essa adivinhada por uma criança de 11 anos: a liberdade de tudo versus compromissos concretos ou abstratos. Honra? Responsabilidades.

Mas há mais contradições. E ironias.

Fazer o melhor nem sempre é fazer o que desejamos. Aliás, para a maioria dos mortais, nunca o é. Todos os manuais imprimem em letra dourada “trabalhe com o que gosta e nunca mais terá de trabalhar”, mas, no fim do mês, ser adulto é pagar as contas,  o que raramente pode ser feito com cachorros, mojitos, jazz e literatura.

Fazer o que gostamos de fazer é um luxo bem-vindo, mas no mais das vezes uma utopia; vencer a loteria. É preciso fazer, contudo. Sempre. Imóveis estão os cadáveres, a vida exige movimento contínuo.

E não nos enganemos: a vida pode sorrir, mas não se dobra aos nossos caprichos. Ela simplesmente diz: é preciso seguir.

Aconteça o que acontecer, é preciso seguir. O sentido da vida é este: em frente.

No caminho, fazemos o melhor possível. O desejo vai ao lado, sussurrando delícias. Dizendo: você pode também isto. Atracar nesta ilha, embebedar-se, refestelar-se com os seus amigos. Mas a alma, sábia e ranzinza, sabe que é uma armadilha. Sabe o que é preciso.

Ser adulto é às vezes triunfar sobre sussurros, sibilos e ambições: fazer o melhor possível. Às vezes, fracassar. Em todo caso, responsabilizar-se. Porque o melhor possível do homem jamais é coisa alguma ante a vida – que, de ombros, lixando as unhas no infinito, segue sua marcha imperiosa.

Ser adulto é fazer o melhor possível, e toda sorte de sacrifícios, sabendo-os em vão. Aí a contradição se complica. Não basta sacrificar o desejo pelas necessidades da honra, é preciso fazê-lo sabendo-se errado. E depois repetir-se exaustivamente “fiz o melhor”, como o rei que repete “sou o rei”, o poeta que diz “sou o grande poeta” ou o aluno que retruca “sou o bom aluno”. Todos enganando-se sistematicamente, reiteradamente, como máquinas enferrujadas.

Ser adulto, adultecer, é preocupar-se demasiado com o melhor a fazer, levando em consideração todas as coisas ao redor. Concentrar-se em acertar.

Depois esperar a velhice chegar. Descobrir que o certo era errado, que o errado era certo, que não existem certezas nem de erros nem de acertos – e ninguém liga para a sua pontuação no grande jogo.

Descobrir que foi tudo em vão, menos aquele desejo descalço sussurrado à beira da estrada. 

Então, compreender.

______________________________________________

Siga Males Crônicos no Facebook.

(Clique em “obter notificações” na página)

Atualizações todas as segundas-feiras.

Twitter: http://twitter.com/essenfelder

Meu romance, Febre, você encontra aqui. 

Um conto fantástico: A guerra das torres.

______________________________________________