arte: loro verz

 

»Poderíamos ser vela, poderíamos ser porto. Vento; pedra. Mas não ambos ao mesmo tempo.

O mar transborda de peixes. Arrumamos as malas com pressa e desleixo – deixamos, sempre, para a última hora. Nenhum de nós gosta muito de fazer malas. Mas gostamos de estar na estrada, e eu lhe pedi que mantivesse uma pequena sacola de emergência sempre à mão, para que fugíssemos sem planos.

E assim, sem sensatez nem aviso, descemos até o litoral. 

As coisas acontecem de repente. Repito mais devagar, como um mantra: as; coisas; acontecem; de; repente. Veja, é a única forma de acontecerem, é a única maneira de se realizarem plenamente. O acontecimento previsto, planejado, é a espuma que enche a fronha. O que está além e aquém da planilha fica simplesmente invisível – o que não cabe no saco é retalho, rebarba, lixo. O acontecimento planeado, planificado, preenche a expectativa que lhe pôs no mundo e depois desaparece sem deixar vestígios. Murcha como uma velha almofada. Então é esquecido.

No litoral, com o cálice nas mãos, poderíamos ter aguardado a hora da chuva – a previsão do tempo falava em chuva, então bastava aguardar para encher a taça até a borda e apaziguar nossa sede sem fim. Seria, talvez, o mais sensato. (Na sua bolsa sempre havia: maquiagem, dinheiro amassado, documentos, lenços, óculos riscado, seda e caixas de remédio. Eu me alegrava ao encontrar no bolso o dinheiro esquecido.)

Mas não. Eu não não nasci com jeito de carregar taça e aguardar o encontro previsto das massas de ar. Queria que a tempestade me pegasse de surpresa, queria, de verdade, que chovessem rãs e sapos sobre nossas neuras e planos, que um cálice caísse do céu em minhas mãos, rubro e licoroso, e das mãos aos lábios, e dos lábios à língua, e da língua ao coração quente, num absurdo despropósito completamente sem sentido – tão sem sentido quanto todo o resto, como o próprio acidente de existirmos, apesar de todas as probabilidades. Esperava algo sem sentido, ao sabor das marés.

O mar estava tão gelado. Ou era apenas: contraste?

Gostava mais de esperarmos o imprevisto, esperando nada. O imprevisto, o acontecimento nem sequer sonhado, infinito e ilimitado. Algo que não pudesse nem mesmo ser pedido, nem mesmo ser desejado, porque não coubesse nas planilhas de desejos. Algo imenso como a vida.

Agora a imensidão me cerca. É tão bonita. O mar transborda de peixes. Em meio à abundância de tudo, o veleiro nunca está vazio. Nem eu. Ela desceu em algum porto de pedra, as mãos trêmulas ansiosas por terra. Imprevistos. Segui.

Acordo cedo, faço um café, escrevo um poema desajeitado e abro as velas sobre a água crespa da primavera. A embarcação espreguiça sorridente e solar, pulsando sob os meus pés excitadamente– quantas aventuras já não imaginará?

Os dias são longos e bons, mesmo com as nuvens carregadas. Há tanto a viver, mas tanto e tanto que ninguém saberá descrever em lugar algum da imaginação.

Se tivéssemos atentado à previsão do tempo estaríamos ainda em casa: jamais qualquer coisa teria nos impelido a sair.

Mas saímos.

Ela foi para o porto. Eu abri vela na tempestade.«

_____________________________________________

Chegou até aqui? Aproveite e siga Males Crônicos no Facebook.

Facebook do autor.

Twitter do autor.

_____________________________________________