arte: loro verz

»Eu não sei se é a idade, eu não sei se é a pandemia, mas.

Ando meio impaciente.

Também não sei se impaciência é a melhor definição para aquilo que sinto – ou que deixo de sentir. Uma necessidade de abreviar as coisas (pessoas, conversas, trabalhos) sem futuro nem emoção.

Se não tem futuro, que tenha emoção.

Se não tem emoção, que tenha futuro. É o mínimo.

O mínimo é a gente sair dos encontros, leituras, lugares, um pouquinho mais feliz ou um pouquinho mais sábio, o que dá sempre na mesma, no fundo.

A margem para deitar tempo ao ralo se estreita. Não é uma questão de produtividade, porque não estou mais produtivo do que era há dez anos. Não quero mais tempo para escrever, ler, pintar paredes, cozinhar, apertar parafusos, expandir os músculos, ganhar dinheiro. O que seja. Abreviar as coisas sem sentido não é um meio para nada, uma estratégia.

A impaciência é esse lugar onde estou. Um lugar de contentamento e contemplação, aprendizado e descoberta. Vadiagem e esperança.

A gente não precisa provar mais nada a ninguém.«

_____________________________________________

Compre meu novo livro, uma seleção com 80 crônicas imperdíveis.

Agora em versão digital na Amazon.

 

Siga-me também nas redes sociais.

Facebook: males crônicos.
Twitter: @essenfelder.
Instagram: @renatofelder. 

_____________________________________________