As coisas são o que são. Está tudo ai pra ver. Só não vê quem não quer, ou melhor, não se liga. Porque até as palavras esfregam a verdade bem na nossa cara.

Por exemplo: o que se diz de uma pessoa que não pega as oportunidades pra si, não prende com toda força da mão? Dizemos que ela não tem ‘garra’. E quem não tem garra não…agarra. E deixa a coisa escapar.

Mais um.

O peito é o símbolo da coragem, é onde bate o nobre órgão do coração. Quem não tem  sentimentos nobres no peito é um…despeitado.  São pessoas que não deixam as coisas pra lá, ficam remoendo as coisas sem perdoar, ficam reprocessando sentimentos, os….ressentimentos.

As palavras não apenas têm poder, elas têm significado que podem jogar luz nas nossas questões.

Recentemente, ouvi de uma pessoa que foi publicamente achincalhada que ela não aceita ser diminuída. E ai um sino tocou na minha cabeça: a 3a. lei de Newton, aquela que diz que ‘a cada ação corresponde uma reação de igual intensidade em sentido contrário’. Porque, se o público se uniu para ‘diminuí-la’, foi justamente porque ela estava tentando…..aumentar-se!

Assim é com o arrogante,a pessoa fica ‘cheia de si’.

Não importa se a pessoa é pequena, média ou grande, quando ela tenta se ‘aumentar’, as pessoas vão, sim, tentar diminuí-la para que ela volte ao seu tamanho normal, sem os exageros da venda. É uma reação natural.

Se a gente conseguir olhar para as coisas, os fatos, os medos, críticas e elogios com tranquilidade, sem jogar tinta, lançar espinhos, sem ficar tão na defensiva, poderemos aprender coisas interessantes sobre a forma como o mundo nos vê. E através dessas informações podemos melhorar. E muito.

Não é apenas reduzir tudo ao ditado ‘a voz do povo é a voz de D’us’, mas se você ouve repetidamente uma observação sobre você, seja ela boa ou ruim, vale a pena parar e examinar se elas estão certas ou você está passando a mensagem errada.

Porque as coisas estão todas na nossa cara.
E dá pra ver mesmo sem tirar selfie no espelho.