“Que nada nos limite, que nada nos defina, que nada nos sujeite. Que a liberdade seja nossa própria substância” – Simone de Beauvoir

Como acontece com praticamente todo viral feminista, as imagens de mulheres “belas, recatadas e do lar” causaram polêmica. É difícil ir contra a ideia de que as mulheres não podem ser livres e frequentar bares, boates ou festejar como os homens (é o século 21, afinal de contas), mas as imagens reacenderam o interessante debate sobre a liberdade de escolha: “Então eu não posso ser dona de casa?”, “Eu escolhi não trabalhar e cuidar dos filhos, não sou oprimida!” e por aí vai.  

A origem da discussão, para quem não acompanhou, foi a matéria que a revista Veja fez sobre Marcela Temer, esposa de Michel Temer, destacando e valorizando suas características comportadas e dizendo que o vice-presidente é um homem de sorte por ela ser assim. Isso causou indignação em muitas mulheres, que entenderam que o tratamento dado pela matéria reforçava ser esse o único tipo de mulher digna de respeito (crítica com a qual eu concordo). Logo, a resposta foi mostrar que nós somos plurais e nem por isso menos dignas.  

A polêmica vem porque nem sempre fica claro que o objeto da crítica não são as mulheres “recatadas e do lar”, e sim quem só vê valor nelas. Então, para deixar bem claro: não estamos criticando mulheres que escolheram ser donas de casa ou constituir família. Criticamos um sistema que oprime, cala e silencia e que se manifesta no cotidiano, na mídia e em outras esferas.

Toda mulher tem o direito de ser recatada e do lar, e se engana quem pensa que isso é ser contra o feminismo. Feminismo é, por essência, liberdade. É escolha. É permitir que cada mulher faça o que quiser, desde que essa escolha seja, de fato, uma escolha, e não uma pressão social.

Muitas das mulheres que se dizem contra o feminismo apoiam pautas feministas sem saber. E muitas das que se dizem anti-feministas o fazem com o argumento de que escolheram “ter uma família, se depilar” ou coisas do gênero. O que talvez elas não saibam é que isso não as exclui do feminismo. Ter uma família, se depilar ou cultivar todos os pelos do corpo, escolher ser mãe ou não, ser bissexual, lésbica, heterossexual, monogâmica ou não. Cabe todo mundo, desde que todas se respeitem.

Se as fotos “belas, recatadas e dos lares” ensinaram alguma coisa, foi que nós mulheres não vamos mais aceitar sermos excluídas da vida pública*. O entendimento de que devemos obrigatoriamente ficar em casa é o que legitima assédios, estupros e culpabiliza as mulheres  por tais violências. Mas a campanha também é uma ótima oportunidade também para reforçar que feminismo é lutar por igualdade e para que as mulheres possam escolher o acham melhor para suas vidas. Feminismo não é palavrão, feminismo é liberdade.

 

*Aqui é importante destacar que isso se refere particularmente às mulheres brancas, já que as negras, muito mais marginalizadas historicamente, sempre trabalharam e encararam a esfera pública, também sempre muito hostil com elas.