Durante as Olimpíadas do Rio o ator Zac Efron veio ao Brasil e conheceu Anitta, que registrou o encontro nas redes sociais. Dessa noite saíram muitas especulações sobre um suposto affair entre os dois, assunto que foi revisitado semana passada no programa Legendários. Os apresentadores insinuavam que Anitta tinha pegado Zac Efron (you go, girl), interrompiam sua história o tempo todo e a desacreditavam, sem deixar de insinuar que, se ela pegou mesmo o galã americano, a atitude era algo que ela deveria ter vergonha.

Pois bem, Anitta respondeu à altura: “Nós ficamos amigos, não peguei. Mas se tivesse pegado também, qual é o problema?”, disse ela, fazendo os apresentadores perceberem (eu acho) sua atitude preconceituosa. Anitta questionou com todas as palavras por que é que se fosse um homem em seu lugar, ninguém estaria fazendo esse tipo de insinuação.  Como eu diria numa roda de amigos: lacrou.


Veja a partir de 4min20s:

Mas antes fosse essa uma situação isolada na vida de Anitta – e olha que a gente só vê uma parte dela. Na mesma semana ela também respondeu – e com muita razão – um usuário que a chamou de prostituta no Twitter (e que com certeza não foi o único a ofender a cantora nas redes):

 

 

Qual é o meu ponto? É simples: DEIXEM A ANITTA EM PAZ, PORRA. Se os famosos já têm que lidar com a chatice de especulação e fofocas sobre a vida privada, quando se é mulher – e a maior popstar do Brasil no momento – a coisa fica monstruosa. Pode observar, a cada dia tem alguma matéria insinuando alguma coisa sobre o comportamento da cantora, sobre com quem ela fica e muito mais. Coisa que não diz respeito a ninguém e que, como ela mesma deixou muito claro, não tem problema nenhum. Dois adultos consentindo? Tá tudo certo.

“Ah, mas a Anitta rebola a bunda, é uma mulher que não se valoriza, péssimo exemplo pras crianças de hoje em dia”. Olha, eu não me atrevo a entrar nessa discussão (a Rita Lisauskas já falou aqui), mas a Anitta não tem que parar de mostrar a bunda só porque existem crianças no mundo. O problema não está em ela ser uma mulher que rebola a bunda, gente. A bunda é dela e ela faz o que quiser. Tem dois adultos consentindo? Tá tudo certo. Ninguém tá sendo obrigado por ela a rebolar a bunda? Então tá tudo certo.  Deixa ela rebolar a bunda, tem lugar e espaço pra tudo nesse mundo.

“Ah, mas a Anitta é uma hipócrita, ela já falou absurdos sobre as mulheres no passado”. Quem diz isso provavelmente se refere a esse vídeo, em que a Anitta de fato faz comentários equivocados. Mas o tempo passa e a gente evolui, Anitta inclusa. Os comentários recentes dela deixam isso bem claro. E ela ainda vai mudar ao longo da vida, sabe-se lá para que direção, o que é um direito dela.

É complicado falar isso num país ainda muito moralista e que pode confundir os valores só porque Anitta se apropria de sua sexualidade e canta um ritmo marginalizado como o funk, mas esse tratamento está longe de se limitar à ela. Lembram de todo estigma ao redor da virgindade da Sandy? Eu lembro, era fã de carteirinha e digo sem medo de errar que em toda entrevista perguntavam se ela já tinha beijado, transado, bebido e outras coisas que não diziam respeito a ninguém. Lembro também de uma revista que fotografou a gaveta de calcinhas da Sandy quando ela tinha 14 anos. Catorze, meus amigos, com foto das calcinhas em todas as bancas do Brasil. Então não, o festival de moralismo e vigilância da vida das mulheres independe de você rebolar a bunda ou não.

Anitta é uma pessoa santa e sem defeitos? De jeito nenhum. Mas é uma mulher jovem fazendo muito sucesso e que tem todo direito do mundo de fazê-lo do seu jeito, sem receber cobranças irreais para atender a padrões e expectativas que não vêm dela. Ela – e todas as outras mulheres – não têm que ser culpabilizadas por viver livremente suas identidades.

Menos cagação de regra e mais movimento da sanfoninha, por favor.


5 jogos para baixar gratuitamente e aprender sobre Gênero e Política: A Fast Food da Política acaba de lançar seu novo projeto de jogos para falar de Gênero e Política de forma lúdica, o Molho Especial. O lançamento oficial será no dia 28/05, às 11h30, durante a Virada Feminina, na Alesp, em São Paulo. Os cinco jogos falam sobre temas como: a representação feminina nas eleições, mulheres importantes de nossa história política, as diversas vertentes do feminismo, o

histórico das legislações brasileiras e a conquista de direitos das mulheres e sobre a própria estrutura do Patriarcado. Baixe os jogos e saiba mais aqui: http://fastfooddapolitica.com.br/projetos/molho-especial/


Contate-me pelo Facebook.