Foto: arquivo pessoal

A alemã radicada no Brasil, Yvonne Hendrych é fundadora do Workinbalance e expert na metodologia do Life Designing, técnica que usa para empoderar e apoiar pessoas para que descubram novas oportunidades e desenhem um roteiro para uma vida plena.

Durante anos, Yvonne ponderou sobre a decisão de abandonar sua carreira sólida como advogada em Bruxelas e trilhar um novo rumo em terras brasileiras. Há 4 anos, tomou coragem para dar esse passo e desde de então, seu foco é ajudar aos que, como ela, passam por pequenas ou grandes mudanças.

Seu objetivo é torná-las fáceis, prazerosas e alegres. Entre os clientes do Workinbalance estão o Instituo Amani, Maturi Jobs e Escola Polifonia, em São Paulo. E além mar, o Parlamento Europeu. Confira sua trajetória a seguir.

Seu processo de mudança de carreira deu origem ao Workinbalance, que trabalha a metodologia Life Designing. Explique essa metodologia, por favor. 

O Life Design pode parecer exótico para muitas pessoas, mas é de fato baseado no Design Thinking, uma metodologia desenvolvida há quase 30 anos na área do design para produtos e serviços. As empresas mais inovadoras, como a Apple, a utilizam para desenvolver produtos com uma excelente experiência ao usuário. E se o objetivo do Life Design é encontrar soluções verdadeiramente efetivas para solucionar problemas, por quê não aplicar esse modo de pensar às nossas vidas, às esferas pessoais e profissionais ? Essas eram as questões de muitos experts do Design Thinking e do Desenvolvimento Pessoal que fizeram com que a metodologia fosse traduzida para outros campos. E foi assim que o Life Design nasceu.

Alguns exemplos concretos de como ele funciona no dia a dia:

Nossa forma padrão de pensar é: tenho um problema, preciso encontrar a solução e executá-la. Então talvez seja: “Não gosto mais do meu emprego, preciso descobrir como substituir meu trabalho atual e então, mudar de emprego”. O problema é que esse ‘approach’ leva diretamente a procrastinação, ou à tomada de decisões de que vamos nos arrepender rapidamente um pouco mais tarde. Por quê? Porque para criar boas ideias e soluções, precisamos vivenciar experiências e não apenas racionalizá-las.

Quando tive a ideia de mudar minha carreira e trabalhar com desenvolvimento pessoal, coaching e treinamento, não sabia se iria me encaixar nesse campo. Mas ao invés de racionalizar por meses se seria certo, parti para a ação: organizei um workshop gratuito, convidei alguns amigos e encarnei a coach. O que posso dizer? Eu amei!

Ou seja, com o Life Design, construir nosso futuro se torna mais fácil e divertido, sem que haja a necessidade de prever o resultado exato. O método tira a pressão dos nossos ombros, a de que devemos ter sempre todas as respostas. Porque elas chegarão, uma vez que tenhamos as direções e dermos os primeiros passos, o Life Design nos dará uma ótima diretriz para que isso aconteça.

Saiu de Bruxelas, na Bélgica, onde tinha uma sólida carreira no Direito para se aventurar no Brasil. Qual foi a parte mais difícil desse processo?

Olhando para trás, a parte mais difícil foi chegar a esse ponto de me permitir mudar. Me dar permissão de dizer “Não” para uma vida, uma carreira e um relacionamento que não funcionavam mais para mim com quase 40 anos, uma idade em que acreditava que a prioridade seria ter estabilidade. Estabilidade no trabalho, num relacionamento. Então, em outras palavras, a parte mais difícil foi passar por cima das minhas crenças limitadoras e de entender que não existe idade e nem momento para construir um futuro que nos pareça certo.

Se fosse dar uma dica para quem pensa em ressignificar a carreira, qual seria?

Ao desejar mudar, sempre olhe para a sua vida de uma forma holística, porque uma questão profissional nunca é apenas uma questão profissional e sim uma questão de vida. Às vezes você acha que mudar de emprego será a solução para tudo. Mas se analisar profundamente todas as áreas da vida, talvez perceberá que a questão real está no seu relacionamento. Ou num problema de saúde, ou na combinação de muitos aspectos. O Life Design sempre nos ensina a olhar para o “grande quadro” e construir soluções para um bom equilíbrio global de vida.

É realmente possível viver uma vida em equilíbrio?

Sim, definitivamente. Mas para atingir isso, duas coisas são importantes: devemos ter clareza sobre as nossas prioridades na vida, valores e sonhos. E isso é algo realmente individual. Não é o que a sociedade está nos dizendo, nossos parentes ou nosso companheiro.

Após ter as suas prioridades claras, a segunda atitude importante é ter capacidade de dizer “Não” e estabelecer limites saudáveis. E especialmente para nós, mulheres, esta não é uma tarefa fácil. Porque não queremos machucar ou ofender ninguém dizendo “Não”, então preferimos dizer “não” para nós mesmas. Se queremos viver uma vida plena e balanceada, estabelecer limites é crucial. E quando temos as nossas prioridades claras, é muito mais fácil fazer isso, porque entendemos porque temos que dizer “não” para certas coisas, em ordem de dizer “sim” para outras.

Um filme, um livro e uma mulher que admira?

Filme: ‘Yentl’, o clássico com Barbara Streisand – porque é um belo lembrete do nossos mais poderosos condutores internos: a curiosidade, a fome de aprendizado e o conhecimento.

Livro: Marianne Williamson “A Return to Love” – este livro sempre me leva a uma maravilhosa jornada espiritual, para refletir e ajustar minha bússola interna.

Mulher: Minha mãe. sem ser uma revolucionária radical, ela sempre esteve à frente do seu tempo. Ela me mostrou o que significa traçar uma trajetória individual, especialmente como mulher, sem se importar com o que os outros digam ou pensem.