Nossa Mulher Positiva é Silvia Scagliarini, Empreendedora Social, founder da Startup ViV+ e do Projeto Juntando Pontas_ Integrando o Idoso na Família e Sociedade, engajada em questões do envelhecimento ativo, vem ao longo dos últimos anos aprimorando os seus conhecimentos em Gerontologia e nos cuidados da pessoa idosa. Com mais de 30 anos de experiência executiva, desenvolvendo e gerindo projetos multidisciplinares e eventos, iniciou a sua vida profissional como atleta e professora de educação física, migrando para Administração, Finanças e Projetos, sempre buscando aprimorar a carreira, fez também MBA em Finanças e MBA em Gestão de Projetos. Desde 2015, deixou o mundo corporativo para se dedicar a realização do sonho de criar projetos e desenvolver serviços que propiciem a autonomia das pessoas seniores.

1. Como começou a sua carreira?
A minha carreira se iniciou no esporte em 1977, como atleta juvenil de atletismo, participando de campeonatos e tendo a vivência em vários outros esportes, o que me levou a minha 1a. formação em Educação Física. Para entrar na profissão, comecei estagiando na Secretaria Municipal de Esportes e lá tive a vivência na área Administrativa e de Projetos, cujas áreas alguns anos mais tarde, foram as responsáveis por despertar o meu lado empreendedor.
Na época o esporte e os atletas não tinham grandes reconhecimentos profissionais e eram poucas as oportunidades, foi participando do campeonato de futebol feminino Gothia Cup na Suécia que percebi que deveria ir um pouco além de dar aulas. Ao longo dos anos continuei ministrando aulas de esporte em clubes, escolas públicas e privadas, mais sempre com o desejo de adquirir novos conhecimentos e desbravar outros horizontes, então, retornei aos bancos universitários para estudar Administração de Empresas e aos poucos migrei da área de Esportes para a Financeira.
Os desafios foram imensos quando decidi mudar de carreira, já não tinha mais os meus 18 anos e nenhum ou muito pouco conhecimento na área administrativa financeira. Em 1990,  nosso país entrou num grande colapso e  eu começando uma nova carreira como estagiária na área financeira. Foram anos de muita batalha, superando preconceitos de gênero e raça, pois uma mulher negra, “não pode galgar postos de chefia” e muito mesmo almejar trabalhar em grandes empresas.. Mais eu abracei as dificuldades, integrei ao meu patrimônio pessoal e superei os desafios,  pois apreendi desde de criança a ser quem eu sou, confiar, respeitar a mim e aos outros, erguer a cabeça, sorrir e seguir sempre em frente.
Por ser uma profissional generalista, com adaptabilidade e facilidade para gerir projetos interdependentes, continuei me aprimorando profissionalmente, realizando  MBA em Finanças e também MBA em Projetos, buscando sempre uma identidade maior entre os trabalhos que conduzia e os meus princípios e valores.
Na minha carreira o meu maior prazer, não importava a minha função ou trabalho, era construir uma equipe harmoniosa, ensinar e repassar os meus conhecimentos adquiridos e de vida, o desenvolvimento do ser humano e o bem estar de todos são os meus propósitos, e também a minha luta constante pelo respeito mutuo pelas diferenças, em todos os escalões.
Fazer o “Bem”cuidar do outro não é uma utopia é o que move os negócios  e traz o devido sucesso à todos.
2.  Como é formatado o modelo de negócios da ViV Mais ? 
O Modelo da minha Startup ViV Mais é economia colaborativa, voltada para atender idosos, familiares e a sociedade.
ViV+  visa criar uma rede de serviços on-demand aos idosos e familiares e congregará os pilares: Bem-Estar Social, Tecnologia, Educação e Geração de Empregos, credenciando, treinando e qualificando profissionais de diversas áreas do conhecimento, para realizar atendimento sob demanda, pontuais, urgentes e até mesmo mais extensas, buscando manter total autonomia dos idosos, vivendo em  viver em seus próprios lares para levando uma vida socialmente ativa.
3. Qual foi o momento mais difícil da sua carreira?
Ao longo de 30 anos de carreira, passei por muitos momentos difíceis. Acho que, quando nos deparamos com uma demissão de alguma organização, após ter dedicado um tempo enorme de nossas vidas,exclusivamente a carreira, deixando para traz a vida pessoal e a recompensa é um desligamento, sempre é um momento difícil.
Acordar no dia seguinte em sua cama e perceber que você substituiu o seu lar e família por anos, meses, horas, por um lugar e pessoas que simplesmente te dizem:  “oi você não serve mais pra nós”, te faz levantar, se vestir e pensar: o que eu quero para mim? o que eu construi ao longo desses anos, se no final sou mais um número de headcount?
Nessa hora que a maturidade fala mais alto e você percebe que deve virar o jogo e jogar a favor do seu propósito de vida.
4. Como você consegue equilibrar sua vida pessoal x vida corporativa/empreendedora. 
 Sim, hoje consigo. Estou num momento de vida de maior equilíbrio entre os meus projetos e a família e vida pessoal. Apreendi depois de muitos anos invertendo os papeis que sem equilíbrio a corda rompe para o lado mais frágil que é a nossa saúde.
5. Qual o seu maior sonho?
É trazer de volta o sorriso e alegria de viver das pessoas idosas e ver a nossa a sociedade, empresas e governantes, respeitando-os e valorizando-os, para que os jovens de hoje não sejam os velhos descartados de ontem.
6. Qual a sua maior conquista?
Minha maior conquista é ter desenvolvido a Staturp ViV+ , e tido a oportunidade de realizar uma parceria com a Associação Beneficente e Cultural B’nai B’rith de São Paulo e juntas aplicamos o projeto Juntando Pontas: integrando o idoso na família e sociedade, no 1o. Edital do Conselho do Idoso e o mesmo foi aprovado e estaremos no mês de Abril/19 dando inicio ao projeto.  Abrindo portas e  novos caminhos para atender e propiciar autonomia aos idosos da cidade de São Paulo.
7. Livro, filme e mulher que admira
– Livro: A Cura de Schopenhauer ( autor: Irvin D. Yalon)
– Filme: Nosso amor de Ontem ( Barbra Streisand e Robert Redford)
-Mulher que admira: Golda Meir ( ex. 1a. Ministra de Israel) e Minha Mãe Helena