Nossa Mulher Positiva é a Nicolle Stad, CEO e fundadora da Inti – a primeira plataforma SaaS (software as a service) white label do mercado.

1. Como começou a sua carreira?
Nicolle: Sempre trabalhei no varejo, com ampla atuação neste. Tive experiências na indústria têxtil, em shopping centers e na área de higiene e cosméticos. Em 2014, decidi empreender. Após alguns erros e acertos, em 2016 começamos a INTI com a proposta de resolver uma grande dor do mercado cultural: a falta de transparência e dificuldade de engajamento com o público final.

2.  Como é formatado o modelo de negócios da INTI?
Nicolle: A INTI é a primeira plataforma SaaS (software as a service) white label do mercado. Promovemos a quebra do intermediário de venda (ex: tiqueteiras, meios de pagamento) e devolvemos o poder para as mãos dos clientes, com total acesso ao banco de dados e à inteligência do negócio. Oferecemos um modelo de parceria onde somos remunerados apenas se nosso cliente estiver prosperando com o uso da ferramenta. Entendemos que a tecnologia deve ser um meio facilitador para que o trabalho criativo, artístico e humano possa ser feito sem entraves. Por isto, nosso modelo de negócios se baseia na retenção de uma porcentagem do valor processado por nossos clientes, tanto na venda de ingressos, inscrições, programas de assinatura, quanto na captação de recursos e programas de fidelidade.



3. Qual foi o momento mais difícil da sua carreira?
Nicolle: Enquanto você está dentro de uma corporação, muitas vezes não tem tanta clareza da influência e do impacto da atuação individual. Quando existem pessoas que contam com você para receber a remuneração mensal e que acreditam no seu sonho, a responsabilidade é bem maior. No momento em que me dei conta de que o meu sonho havia se tornado o sonho do meu time, senti o peso da responsabilidade de fazer a empresa dar certo. Foi difícil me acostumar com este novo cenário. A INTI há pouco mais de um ano contava com um time de quatro pessoas, hoje somos onze. Nos próximos doze meses, nossa expectativa é de duplicarmos este número. É um desafio contínuo liderar este time cada vez maior, que partilha do mesmo sonho de ver nosso negócio dar certo.

4. Como você consegue equilibrar sua vida pessoal x vida corporativa/empreendedora.
Nicolle: Este hoje é o meu maior desafio. Temos uma estrutura enxuta e prezamos muito pela qualidade do atendimento que prestamos aos nossos clientes. Além disto, somos uma startup pequena navegando em mercados de alta concorrência. Esta combinação faz com que o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional nem sempre seja possível. Felizmente, sou apaixonada pelo que faço e pela minha equipe, e temos um clima organizacional muito gostoso. Isto faz com que o grande volume de trabalho seja divertido em muitos momentos. Busco aproveitar meus momentos livres para estar perto das pessoas que amo e tento não me distanciar das atividades que ajudam a recuperar as energias.



5. Qual o seu maior sonho?
Nicolle: Sempre sonhei em participar de algo que mudasse a vida das pessoas, e que tornasse o mundo um lugar melhor de alguma forma. Ainda não sei se a realização deste sonho se dará através da INTI, mas procuro de alguma forma trazer algo de bom para todos aqueles com quem me relaciono a nível individual.

6. Qual a sua maior conquista?
Nicolle: Considero minha maior conquista a criação da INTI, desde o início, com meus sócios e equipe. Hoje me orgulho ao ver nossa atuação em diversos mercados, em um grande número de eventos e com uma operação que impacta tantos clientes e usuários finais. É uma grande satisfação saber que tudo isto foi conquistado através de uma combinação de parceria, transparência e dedicação, com um excelente trabalho sendo nosso resultado final.  

7. Livro, filme e mulher que admira.
Livro: “Como Avaliar a sua Vida?”, de Clayton Christensen
Filme: “Eram os deuses astronautas?”,
documentário baseado no livro de Erich Von Daniken, de 1968
Mulher: Minha mãe e minha avó.