Marcela Buchaim não para; a farmacêutica bioquímica especialista em tricologia e terapia capilar ainda dedica seu tempo à função de mãe e é bastante engajada em ações de responsabilidade social, que ajudam no resgate da autoestima das mulheres. São exatamente 30 anos de atuação na área da beleza, sendo dez dedicados a um dos seus principais projetos, o desenvolvimento do salão Studio Tez e a criação do Spa do Cabelo, além de comandar uma farmácia de manipulação.

Se tem algo de que ela não tem medo é de arriscar. Aos 22 anos, já se desafiava ao montar seu primeiro empreendimento em São Paulo, longe de casa, em Santa Fé do Sul, no interior paulista com pouco mais de 30 mil habitantes. Aliás, também sofreu resistência ao tentar convencer os cabeleireiros do próprio salão sobre a importância da implantação do Spa, onde poderia recomendar protocolos específicos no intuito de preservar a saúde capilar. Insistiu e como resultado, conquistou o reconhecimento dos profissionais, que hoje acreditam nos procedimentos e encaminham suas clientes para avaliação antes dos procedimentos químicos.

A alquimia é uma das paixões assumidas. E atender de forma personalizada é uma das suas marcas. O que começou com seis protocolos, hoje se transformou em 20. “Mexer com o cabelo é uma forma de você interagir com a autoestima da pessoa. E minha intenção não é apenas sugerir um tratamento capilar adequado. Acho importante bater um bom papo, entender pelo o que a pessoa está passando naquele momento e apostar em uma transformação também de dentro para fora. O primeiro passo é a mulher se gostar, valorizar a vida e acreditar que ela pode crescer e conquistar o que quiser. E o cabelo funciona como um espelho desse interior. Se a pessoa está bem com ela, vai refletir em uma aparência agradável e o contrário pode desencadear até uma depressão. Por isso, é fundamental tomar conta do todo”, explica Marcela.

A compaixão virou ferramenta de reforma íntima e empoderamento. Ao mesmo tempo que o cabelo remete à sensualidade, ele causa também dor para quem não pode imprimir beleza através dele. Após encarar a perda de uma filha para o câncer, Marcela resolveu compartilhar sua experiência aplicando seu know how às mulheres que passam por esse momento difícil. “O que falta muito nos dias de hoje é aquele olhar atento ao outro, o saber doar. O cabelo sempre foi uma arma importante de atração, te faz sentir poderosa. E quando te roubam essa maneira de se expor para o outro, é preciso ter uma estrutura emocional absurdamente grande. Se doar para alguém é a maior gratificação que eu tenho como profissional da saúde da beleza. Tem mulheres que mal conseguem falar, chegam aqui e começam a chorar. Então eu quero dar o meu melhor e ver um resultado fantástico que fez diferença na vida daquela pessoa, ajuda-la a encontrar a sua beleza esplêndida que floresce de dentro para fora.”

Outra expressão de ordem que norteia sua trajetória é manter-se atualizada. Em mercado tão competitivo e em constante mudança como o da beleza, Marcela teve que aprender as novas práticas de interação. “Foi preciso reinventar a maneira de me comunicar com o cliente. Dos panfletos e cartinhas à movimentação de whatsapp e integração nas redes sociais. No início, chegaram a me chamar de louca por abrir ‘mais’ um salão de beleza. Não vejo dessa forma. Há sempre espaço, em qualquer lugar do mundo, para quem trabalha com foco no diferencial.”

E é em exemplos de mulheres brilhantes e biografias de histórias de sucesso que ela busca inspiração e energia para colocar mais um sonho em ação. “Gosto de me enxergar nas pessoas que deram certo.” O próximo passo é concretizar a vontade de profissionalizar indivíduos carentes. Usar a beleza como ferramenta de educação para capacitar quem não tem condições e saber que a pessoa chegou lá desenvolvendo suas técnicas e conhecimento. “Acredito que o direito à educação continuada deve ser acessível a todos.”