Nossa Mulher Positiva desta semana é Isis AbbudCo-fundadora e COO da Arquivei, empresa que fornece plataforma de monitoramento, gestão e inteligência de documentos fiscais. Engenheira de produção, foi por dois anos Agente Local de Inovação do Sebrae SP, auxiliando empresas a crescerem por meio de inovações, e, hoje, como Diretora de Operações da Arquivei vem ajudando mais de 60 mil empresas em todo o País a alcançarem controle, organização e tranquilidade fiscal.


Na entrevista de hoje, Isis revela como foi sua trajetória e o momento mais difícil durante sua carreira. Com muita transparência ela nos conta sobre a experiência em dizer não a empresas condizentes com sua formação e como foi se arriscar em dois projetos que não deram certo. Além disso, comenta um pouco sobre equilíbrio na vida pessoal e corporativa, seu maior sonho e a mulher que mais admira.

  1. Como começou a sua carreira?

Quando estava prestes a me formar em Engenharia de Produção, me dei conta que não queria seguir em uma grande indústria. Queria fazer algo que fizesse a diferença, não sabia como nem o que, mas, sabia que queria isso. Primeiro abri uma importadora de suplementos, que em poucos meses, fechou sem ter efetivamente funcionado, foi minha primeira frustração. Em seguida, iniciei junto com algumas amigas um negócio de decoração de festas. Mesmo tendo demanda e um sucesso mínimo, percebi logo que não era “aquilo” que buscava.

Entrei no programa de inovação do Sebrae, com foco em ajudar micro e pequenas empresas a inovarem para ter mais resultado. Ao final desse programa, o Christian (CEO da Arquivei) mostrou a ideia e o esqueleto do Arquivei, aquilo instantaneamente me atraiu. Comprei imediatamente a ideia e me arrisquei sem medo nessa jornada, de validar o produto, testar usabilidade, valor agregado e, enfim, ir ao mercado.

Uma vez validado o produto (product fit), minha posição tocando a linha de frente com clientes foi ficando cada vez mais clara, primeiro formei a área de Sucesso do Cliente, que garantia o sucesso não só no ciclo de vida do cliente, como também, antes de se tornar cliente, no período de teste da plataforma. Logo em seguida, estruturamos a área de vendas (Inside Sales) para pequenas empresas, que foi montada para aumentar a tração de clientes e, por fim, foi criada a área de vendas para grandes empresas (field sales).

  1. Como é formatado o modelo de negócios da Arquivei?

A solução da Arquivei tem como propósito revolucionar a forma com que as empresas lidam com as notas fiscais, transformando toda burocracia que envolve esses documentos e obrigações com o governo em oportunidade.

A plataforma é distribuída pelo modelo de assinatura mensal (SaaS), ou seja, a empresa paga uma mensalidade, que tem valor definido de acordo com o número de filiais e volume de notas por mês.

A solução atende, hoje, mais de 50 mil empresas no Brasil, de PME a multinacionais.

 

  1. Qual foi o momento mais difícil da sua carreira?

Meu momento mais difícil, foi o início. Dizer não para vagas ofertadas condizentes com a minha formação e me arriscar em duas coisas que não deram certo.

Hoje, tenho desafios a cada minuto, um mais difícil que outro e com muita intensidade e impacto em outras pessoas, mas isso é o que me motiva, é o que traz o melhor de mim como empreendedora e gestora. Inclusive, quando passamos da casa de 100 funcionários, tudo ficou ainda mais desafiador – como garantir a cultura se não seremos mais gestores diretos de todas as pessoas da empresa? Será que manteremos todos olhando sempre para o mesmo lugar? Como fica a comunicação? – mas, mais uma vez, esses desafios me fortalecem ainda mais.

 

  1. Como você consegue equilibrar sua vida pessoal x vida corporativa/empreendedora.

O ponto mais fraco de ser empreendedora, é que o trabalho acontece nas 24 horas do dia, até em seus sonhos, você tem que conquistar mais e mais a todo segundo, e, ainda é responsável, não só pelas pessoas que lhe acompanham na empresa, mas também pelos milhares de clientes que tem o seu processo impactado por você todos os dias.

Além de manter uma vida social saudável (não me ausentar), minha válvula de escape para me manter “sã” (rsrs) é a corrida, este é o momento que desligo e foco em mim.

 

  1. Qual o seu maior sonho?

Meu maior sonho é impactar a grande maioria das empresas que trabalham com notas fiscais no seu dia a dia e saber que a Arquivei, não só ajuda no processo diário, como também revolucionou totalmente a forma com que o mercado se relaciona com as notas. Isso tudo levando inúmeras soluções para todas as áreas da empresa, baseadas em notas fiscais e, não menos importante, garantindo que a Arquivei tenha um ambiente de trabalho propício à inovação e desejado pelo mercado.

 

  1. Qual a sua maior conquista?

Minha maior conquista é a Arquivei como um todo, o que conquistamos juntos e as pessoas que temos. Nas áreas que olho, por exemplo, temos uma tração de vendas e engajamento de clientes muito altos, com um time 100% formado/treinado/criado dentro da Arquivei, isso me energiza muito, principalmente porque montei sem necessariamente ter experiência em nenhuma dessas áreas (tudo é possível mesmo rs).

 

  1. Livro, filme e mulher que admira.

Livro: O Poder do Agora, de Eckhart Tolle, para mim, apesar de ser bastante comum, é um livro que TODOS deveriam ler e exercitar.

Filme: O Fabuloso Destino de Amelie Poulan  e Sociedade dos Poetas Mortos – quem não viu, veja! Mostra como podemos valorizar e “enxergar” as pequenas coisas da vida.

Mulher: A primeira seria minha mãe, que sempre foi muito empreendedora e fez com que eu não percebesse em nenhum momento qualquer diferença ou resistência no papel da mulher no empreendedorismo, eu sempre achei tão possível quanto seria se eu fosse um homem. Já outra referência externa, sem dúvida alguma, seria Margaret Thatcher, pela atitude, coragem e visão numa época em que não somente era difícil para mulheres, mas em que a mudança era muito repelida culturalmente. Mesmo que intransigente e mais “durona”, do que eu considero legal, ela via oportunidades e não problemas, movia mundos e fundos para uma mudança que impactava uma nação inteira e outros países.