Fabi Saad, Djamila Ribeiro e Sofia Patsch. Foto: Arquivo pessoal

Negra, nascida em Santos, a filosofa feminista aprendeu desde cedo que só com muito estudo se combate o preconceito e o machismo. “Meu pai falava, somos uma família negra em um país racista. A única forma de ser alguém é com educação.” Para quem acha que as feministas são bravas e odeiam os homens, ela manda um recado: “Nós namoramos, vemos séries, somos mães, só não nos conformamos com as desigualdades e violências que as mulheres sofrem todos os dias. Brinco que se as pessoas entendessem o que é o feminismo, todos seriam.”