Nossa Mulher Positiva desta semana é a Chef Anna Garcia, conhecida por seguir a culinária Plant Based. Ela conta ao Mulheres Positivas os benefícios desta alimentação e detalhes sobre a sua carreira.
1- Como você iniciou sua carreira?
Após sofrer anos e anos tentando emagrecer e sofrendo com baixa-imunidade (boa parte da minha vida sofri com episódios de gastrite, rinite, tendinite, constipação, sobrepeso e efeito sanfona, fortes crises de TPM e variações de humor, artrite reumatóide e fibromialgia). Consegui adormecer todos esse sintomas com a ajuda de profissionais de Medicina Preventiva, Ayurveda, Tradicional Chinesa, Naturopatia e Nutrição Funcional. Transformei a minha vida com a prática de exercícios, meditação e dieta composta por alimentos naturais, de origem vegetal, livres de glúten e açúcares refinados.
E o resultado dessa modalidade de dieta, chamada “Whole Food Plant Based Diet”, ou Dieta Integral à Base de Plantas, foi o que me motivou à transformar minha paixão pela culinária em profissão. O que era um protocolo na minha vida – de preparar todas as minhas refeições em casa e levá-las comigo pra onde fosse, começou a chamar a atenção de amigos, que me pediam pra ir às suas casas e ajudá-los a planejar e organizar cardápio, irmos juntos aos mercados, aprender a ler rótulos e preparar alternativas saudáveis, deliciosas e de encher os olhos. Quando vi, já estava sendo contratada para isso nos meus períodos de folga do trabalho.
Foi em 2012, que percebi a culinária de uma maneira diferente, além de ser um mero hobby. Era o meu propósito de vida: ajudar a todos aqueles que querem e precisam transformar o estilo de alimentação e ter uma vida mais feliz. Resolvi então me profissionalizar: estudei nutrição holística pela IIN (Institute for Integrative Nutrition – NY) e fiz vários cursos de culinária plant based durante o período que residi fora do Brasil; sendo o mais relevante deles na Matthew Kenney Culinary Academy (Tailândia e Los Angeles).
Atuo desde 2013 e hoje me dedico exclusivamente à profissão de chef e consultora gastronômica plant based. Retornei ao Brasil em 2017 e resido em SP, oferecendo serviços de personal chef, oficinas e cursos de culinária saudável, palestras, consultorias à profissionais da área e restaurantes.
2- O que é a gastronomia Plant Based? Como funciona e quais os benefícios para quem opta por esta dieta?
Whole Food Plant Based Diet, como é conhecida lá fora, é mais que uma dieta: é um estilo de vida. É um movimento que vem crescendo nos últimos anos por todo o mundo e que, recentemente, chegou ao Brasil e vem conquistando a todos que desejam viver melhor.
Adeptos dessa modalidade de dieta se alimentam de forma natural, incluindo no cardápio alimentos integrais como:
– Frutas frescas e secas
– Verduras e legumes
– Grãos e cereais (feijões, aveia, trigo sarraceno, quinoa, lentilhas, grão-de-bico, arroz, ervilha…)
– Oleaginosas e sementes (castanhas, nozes, amêndoas, sementes de girassol, de abóbora, de linhaça, de chia…)
– Brotos germinados (processo que aumenta a biodisponibilidade de nutrientes dos alimentos para o nosso organismo)
– Alimentos e bebidas fermentados probióticos (que auxilia no equilíbrio entre bactérias boas e ruins em nossa macrobiota e regula nosso sistema imunológico)
E reduzem drasticamente ou eliminam totalmente os produtos de origem animal.
Delícias como bolos, pães, massas, pizzas, sorvetes, sobremesas e doces são consumidos esporadicamente, desde que contenham apenas os ingredientes de origem plant based; ou seja: farinhas especiais e minimamente processadas, ingredientes integrais e naturais, com pasta de tâmara para adoçar, leites vegetais, cacau cru 100%. Nada de misturas prontas, ovos, leite, cremes, manteiga ou gordura de porco, colorantes, aromatizantes e conservantes artificiais, açúcar refinado.
Existem vários estudos científicos que comprovam os benefícios na prevenção e reversão de doenças, como câncer, obesidade, diabetes, pressão alta, depressão, doenças auto-imunes, síndrome do intestino irritado, entre outros*. Eu, por experiência própria, consegui suprimir todos os sintomas das doenças que sofria, com orientação médica e nutricional (mas cada caso é um caso. Pra mim funciona. Recomendo a todos que busquem suporte de profissionais qualificados, façam exames e descubram qual o tipo de dieta é mais adequada ao seu biotipo: se é 100% plant based ou não).
No Brasil, um dos médicos que sou fã e se tornou especialista em tratar seus pacientes através de dieta plant based é o Dr. Alberto Peribanez Gonzalez.
* Fonte: American Heart Association, American Cancer Society, American Institute for Cancer Research, Harvard Medical School, T. Colin Campbell Center for Nutrition Studies, Gerson Institute,
Mas os benefícios notáveis são:
– Retarda o envelhecimento (por ser uma dieta alcalina e antioxidante)
– Cabelos, unhas e pele mais bonitos
– Adequação do peso
– Bom funcionamento intestinal
– Fortalecimento do sistema imunológico
– Melhora no humor, na qualidade do sono
– Reduz níveis de stress
– Revitaliza e energiza
– Nos deixa mais felizes, positivos e dispostos
– Previne ou reverte condições médicas
3- Qual foi o momento mais difícil da sua carreira?
Falar para minha família que ia largar meu trabalho em Dubai (onde morei por 9 anos) e viajar o mundo aprendendo a cozinhar e ser chef de culinária saudável (achavam que eu tinha enlouquecido. rs…)
4- Como você consegue equilibrar sua vida pessoal X vida de empreendedora?
Confesso que tem sido bem desafiador. Estou passando por um processo de repatriação (me “abrasileirando” depois de 10 anos fora) e recomeçando a vida aqui (fazendo amizades e construindo minha carreira).
Procuro conciliar o tempo para as duas áreas, planejando e me organizando, para que eu consiga executar meus afazeres e ainda ter tempo para o marido.
Faço planejamento da semana e por prioridades. Acordo sempre cedo, pois percebo que meu dia rende mais.
Atividades físicas durante a manhã ou no meio da tarde.
Como sempre estou na cozinha, separo um dia na semana para as compras e organizar o cardápio, deixando várias coisinhas no ponto, pra agilizar minha vida. Geralmente de manhã, foco no gerenciamento da casa e, de tarde e parte da noite, estudos e trabalho.
Evito distrações: TV, quase não assisto (só acompanhada). Celular, estou tentando gostar, mas adoro ficar com ele desligado.
Quando tenho folga aos finais de semana, gosto de dormir até mais tarde sair e não ter hora pra nada. Recarregar a bateria. Mas também adoro caminhar em algum parque, testar receitas, encontrar amigos ou conhecer restaurantes.
Porém, isso tudo muda nos dias de trabalho. Quando estou me preparando pra algum evento ou consultoria, o máximo que consigo fazer é uma caminhadinha e checar msg ao longo do dia.
Ainda não temos filhos, então, conciliamos as agendas para passarmos tempo juntos e tem funcionado bem assim.
5- Qual é o seu maior sonho?
Já realizei. Meu sonho era viajar o mundo, vivenciar e conhecer culturas diferentes. Passei 10 anos fazendo isso.
6- Qual é a sua maior conquista?
Conseguir controlar os sintomas da artrite e fibromialgia sem precisar de tratamentos com drogas alopáticas. Desde que fui diagnosticada com doenças auto-imunes, sempre busquei alternativas naturais, como dieta alcalina e antiinflamatória, atividades físicas moderadas, meditação e espiritualidade, acupuntura, massagens e controle de stress. A ciência ainda não encontrou a cura e afirma que a condição é irreversível. Mas hoje, vivo melhor do que antes do diagnóstico, com a transformação dos hábitos. E ter de volta o controle da minha própria saúde foi sem dúvida a minha maior conquista.
7- Livro, filme e mulher que admira
Não tenho um livro favorito. Mas adoro ler sobre culinária (claro!), auto-conhecimento, espiritualidade, turismo e viagens, decoração. Amo passar horas numa livraria, apreciando os livros e sentindo aquele cheiroso gostoso das páginas.
Filme: Thrive (em português: Prosperar. O que será necessário?) documentário excelente que esclarece o que realmente está acontecendo no mundo. Vale à pena assistir.
Mulher que admiro: Também não tenho 1 única. Admiro todas as mulheres que mudaram e as que se dedicam a criar o mundo melhor.
Mas meu destaque vai para Malala Yousafzai, a garota paquistanesa que é também a pessoa mais jovem a receber um Prêmio Nobel. Por sua luta pelos direitos das mulheres à educação e pelo símbolo de força e resistência que se tornou, devido à sua experiência pessoal (o Paquistão é uma ditadura islâmica, aterrorizado pelo Talibã. Ela levou um tiro na cabeça quando tinha apenas 14 anos, porque escrevia num blog sobre os obstáculos para estudar e já se destacava em entrevistas, defendendo o direito das meninas à educação).