Empresárias e fundadoras da MØSQ (@mosq_weare), joalheria com conceito cool e apelo emocional. Adriana trabalhou por alguns anos em escritórios de advocacia e Stela era tradutora e dava aulas de inglês. Um dia Stela, que já fazia alguns trabalhos com joias por hobby, concertou umas peças de Adriana. Como as duas já eram amigas, resolveram iniciar este novo negócio. Juntas, deram início a MØSQ, que vem com uma proposta de mudar uma tradição no Brasil do uso de alianças, através da união dos mosquetões. O elo construído com a junção de mais de um pingente simboliza o amor, a união, o elo entre as pessoas. Sua versatilidade permite criar formas customizadas de usar as joias, tornando cada uma única. Formadoras de opinião como Cris Tamer, Mariah, Laura Fernandes, Marina Xandó e Rafaela Coelho, já declararam seu amor pela marca.

1.Como começou a sua carreira? 

Nós viemos de backgrounds diferentes e temos em comum a paixão pela joalheria. Eu, Adriana, sou graduada em Direito e trabalhei por alguns anos na área, mas depois que virei mãe acabei deixando a carreira de lado para me dedicar mais a família. Recentemente, cursei joalheria na FAAP, me aprofundando em enfilamento e encordoamento de pérolas. Acredito que minha sensibilidade e feeling para o belo, junto com minha sócia, Stela Fernandes, nos uniram e nos encorajaram a entrar no mundo da joalheria criando essas peças universais, inovadoras, versáteis e, sobretudo, com forte significado. Stela, por sua vez, é formada em Letras pela UNESP, com mestrado em tradução e especialização em História da Arte pela USP. Depois disso, fez diversos cursos de joalheria, gemologia, ourivesaria, enfilamento e encordoamento de pérolas.

2. Como é formatado o modelo de negócios da MØSQ? 

(Stela) Optamos por seguir o caminho da joalheria artesanal, exclusiva, sempre bem atentas aos detalhes do cravejamento das peças. Nossas vendas também seguem este caminho, gostamos de apresentar tudo pessoalmente para nossos clientes, fazendo um atendimento bem personalizado. Damos as opções para que cada um escolha o tipo de ouro e as pedras que querem usar. As joias estão expostas em nosso Instagram (@mosq_weare), formato prático e acessível para nosso público alvo.

3. Qual foi o momento mais difícil da sua carreira?

(Adriana) Acredito que o momento mais difícil foi quando optamos e decidimos por trabalhar com joias em formato curvilíneo e cravejadas, além do fecho de rosquear. Este design exige um processo muito minucioso e detalhado, que utiliza técnicas bem sofisticadas de joalheria. Após um processo longo de testes, hoje, conseguimos chegar no modelo ideal das nossas joias, podendo atender um público selecionado e bem exigente, levando este novo conceito do elo e união, com a proposta de “substituir” o uso de aliança.

 

4. Como você consegue equilibrar sua vida pessoal x vida corporativa/ empreendedora?

(Stela) Sabemos que isso não é fácil, temos filhos, somos casadas e ainda estamos no processo de crescimento da nossa empresa, que tem apenas 1 ano e meio. O lado positivo de ter uma sociedade, um parceiro que te complete, permite vivermos oportunidades e curtir momentos importante da vida. Então, quando uma precisa estar com a família, ou sair de férias a outra fica e cuida de tudo. Confiamos muito uma na outra, então isso torna tudo muito mais fácil.

5. Qual o seu maior sonho?

(Adriana) Conseguir viver de joalheria artesanal no Brasil e continuar fazendo o que eu amo.

6. Qual a sua maior conquista?

(Stela) Ter aberto a MØSQ. Era um sonho antigo, sempre amei joias. Meu hobby era concertar as joias da família e amigas. Um dia concertei umas joias da Dri, que já era minha amiga, e ela me propôs abrir a MØSQ, foi assim que tudo começou.

7. Livro, filme e mulher que admira

Adriana :

Livro : Um dos melhores livros que já li foi: Cem anos de Solidão, do Colombiano Gabriel Garcia Márquez. A história da América Latina é o eixo central da sua narrativa e em vários momentos cruza com a própria história de Gabriel. No livro, ele constrói uma complexa árvore genealógica de personagens: são sete gerações de uma família e cada membro tem o  seu destino traçado com base na sua origem. A história da publicação de Cem anos de Solidão renderia facilmente outro livro.

Atualmente estou lendo Uma breve história da Humanidade, do historiador Yuval Noah Harari que começa desde o surgimento da espécie Homo Sapiens durante a Pré-História até o presente, apresentando interpretações para os fatos e desafiando conceito sobre todas as crenças.

Filmes : Foram vários e um dos principais foi A Lista de Shindler com direção de Steven Spilberg .A Trilogia do Poderoso Chefão com Marlon Brando e Al Pacino que conta a história de uma família de mafiosos italianos mais respeitada de Nova York.

Mulher: Recentemente assisti a série  The Crown que  é um drama biográfico sobre o reinado da Rainha Elizabeth .Ela subiu ao trono aos 25 anos sem nenhum preparo político ou econômico por ter sido  criada por tutoras e educada particularmente em casa. Atualmente é uma das mulheres que mais admiro.

Stela:

Filme: Estou apaixonada ultimamente pelo ganhador do Oscar 2019 – The Green Book, um retrato leve e muito bem colocado das diferentes culturas que se encontraram no continente americano como um todo. Toca em todos os pontos cruciais sem apelar para clichês e lugares comum. Aborda temas pesados, mexe nas feridas sem deixar o humor lado. Um grande brinde a conexão entre ideias e pessoas!! Te lembra algo?!

Livro: O livro que adoro é Uma Breve História do Mundo, perfeita descrição histórica da evolução da humanidade, escrito de forma clara, sem rodeios ou opiniões tendenciosas. Só com o conhecimento do nosso passado, podemos continuar evoluindo sempre.

Mulher: Mulher que admiro? Todas as anônimas e guerreiras, as famosas representam apenas algumas das características de todas nós. Uma mulher admirável é aquela que junta, conecta, soma muitas facetas e é no dia a dia que vemos essas mulheres lutarem e serem admiráveis!!