Viajar ainda não voltou à trivialidade, mas nada impede programar as próximas férias dos sonhos. Que tal incluir na lista de desejos, então, uma hospedagem em um dos castelos mais visitados do mundo? Na semana passada, o grupo francês Airelles inaugurou o Le Grand Contrôle, hotel de luxo localizado nas dependências do Palácio de Versalhes, com diárias que partem de R$ 10 mil. 

(ANELISA LOPES ESCREVE ÀS TERÇAS. CONHEÇA SEU PERFIL NO INSTAGRAM: @anelisalopes)

Opulência francesa do século XVIII é retratada nas suites do hotel (foto: Le Grand Contrôle)

A experiência de reviver a opulência da monarquia francesa do século XVIII vai além da decoração, que manteve todas as características da época: lustres de cristal, mobiliário barroco, papel de parede e pinceladas de ouro. O hóspede também terá à sua disposição um mordomo e um guia privativo para visitar as dependências do palácio, além de aulas particulares de ioga. 

História do castelo – Um “modesto” pavilhão de caça em Versalhes que, na época, era uma aldeia rural nas imediações de Paris, foi a base para a construção do conjunto de prédios que forma o palácio, idealizado por Luis XIII em 1623 como um abrigo da realeza distante dos problemas típicos da cidade grande. Expandido e consagrado como símbolo da monarquia absoluta, acolheu sucessivamente, em mais de 100 anos, a corte de Luis XIV, Luis XV e Luis XVI.

Televisões dão lugar a imensas janelas para contemplação dos jardins (foto: Le Grand Contrôle)

A edificação do Le Grand Contrôle foi construído em 1681 pelo arquiteto Jules Hardouin-Mansart. Ao longo dos séculos, o local recebeu membros da elite política, cultural, embaixadores e artistas até 1857, quando foi confiado ao exército. Dois séculos depois (foi adquirido pelo grupo Les Airelles em 2016), passou por uma restauração completa para oferecer 14 acomodações de luxo. 

O arquiteto e designer de interiores responsável pela restauração, Christophe Tollemer, realizou um trabalho em conjunto com Emmanuelle Vidal-Delagneau, especialista em arte francesa, para cuidar para que cada detalhe não fugisse de um autêntico espaço do século XVIII. O conceito foi recriar a arte de viver e de servir franceses não só nas acomodações, mas no serviço oferecido no spa e na área gastronômica, supervisionada pelo chef Alain Ducasse, que acumula 21 estrelas Michelin no currículo. 

Mordomo, guia privativo e aulas de ioga estão inclusos na diária (foto: Le Grand Contrôle)

O famoso estilo Luis XV –  Madeira nobre, como nogueira ou carvalho, porcelana, mármore, bronze e dourado são típicos deste estilo de decoração que, combinados a elementos contemporâneos, costumam criar uma atmosfera opulenta, porém, sofisticada. Tecidos com temas florais são a principal inspiração para as enormes cortinas e para revestir sofás, poltronas e roupas de cama.

No hotel, a restauração permitiu trazer o palácio para os dias de hoje, com a instalação de luzes em LED nos lustres, zero uso de plástico nos quartos, energia geotérmica e alimentos de produtores locais – e com banheiros de cair o queixo, cômodo que não existia no castelo nos tempos da monarquia. As televisões, no entanto, deram lugar a imensas janelas para apreciação dos jardins e fontes, que somam mais de 800 hectares, Alguém por aí ainda está sem programação para o dia dos Namorados (risos)?

Lustres de cristal, toque de ouro e enormes tapetes compõem a decoração (foto: Le Grand Contrôle)