Uma das maneiras de ganhar espaço no living se dá por meio da integração da varanda à sala de estar. Neste processo, é possível nivelar piso, retirar as portas de correr, envidraçar a área e fazer deste ambiente uma continuação da parte social ou adaptar o espaço para receber a sala de jantar.

(ANELISA LOPES ESCREVE ÀS TERÇAS. ACOMPANHE SEU PERFIL NO INSTAGRAM: @anelisalopes)

Integração do terraço possibilita mais amplitude e melhor circulação (foto: Casa de Valentina /Pinterest)

Para que o resultado não seja comprometido, no entanto, é preciso tomar alguns cuidados antes de iniciar a transformação. O mais indicado é entrar em contato com a construtora do prédio para averiguar a previsão de sobrecarga da área, realizada pelo calculista responsável durante a obra. 

“Em unidades habitacionais é comum a consideração de 150 kgf/m², ou seja, em uma superfície de 1 m² pode-se colocar uma carga móvel de até 150 kg distribuída por toda essa superfície de 1 m². Uma piscina inflável para criança, por exemplo, se tiver 1 metro de largura por um 1 m de comprimento, totalizando 1m², ela poderá ter, no máximo, 15 cm de lâmina d’agua”, explica o engenheiro civil da Vitta Residencial José Luiz Camarero Neto. A dica vale para aqueles que pensam instalar banheiras de hidromassagem no local. 

Como o nivelamento do piso da varanda com o da sala tem sido comum em apartamentos com terraço, algumas construtoras já têm previsto aumento da sobrecarga de 150 kgf/m² para 200kgf/m². O processo, porém, necessita atenção, já que este preenchimento pode atingir até 7 cm de espessura. 

“Caso o cliente adquira um produto em que o terraço não é nivelado, ele será orientado a usar um contrapiso de cinasita (argila expandida) para igualar os ambientes. Normalmente, consta no manual do proprietário”, indica a gerente de projetos Carolina Barbosa, da construtora e incorporadora SKR .

Outros pontos que devem ser considerados são a carga elétrica do local, pensando na instalação de ar-condicionado, e o uso de vasos ou jardins verticais, uma vez que os vasos possuem uma base menor para distribuir a terra que, molhada, chega a pesar 1,6 vez mais. Já no caso dos jardins, é preciso estar atento à impermeabilização da parede. 

Com uma demanda cada vez maior pela integração, os novos projetos já preveem esta modificação, mas vale lembrar que alguns condomínios não permitem essa junção por questões estruturais ou estéticas, já que a laje pode não suportar peso extra ou a retirada da porta divisória interfere na fachada do empreendimento.